Quem sou eu?

A minha fotografia

Anteriormente conhecida como v_crazy_girl, a 30 de Agosto de 2014 essa conta foi apagada, tendo assim decidido criar algo mais pessoal e próprio para o blogue literário de longa data.

Na Mesa de Cabeceira...

Na Mesa de Cabeceira...
"Desejo Concedido" de Megan Maxwell

Passatempo

Passatempo
Até 3 de Setembro

Seguidores

Com tecnologia do Blogger.

Facebook

Arquivo do Blogue

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012
Tradutor: Susana Serrão
N.º de páginas: 248
Data de lançamento: 17 de fevereiro
PVP: 16,50€

Com este terceiro livro, chega ao fim a trilogia sobre um dos monstros mais conhecido.
Em Frankenstein – O Filho Pródigo, Dean Koontz começou a contar uma nova versão do clássico da literatura gótica, na qual o demoníaco Victor Frankenstein continua a tentar criar uma raça de seres perfeitos, e apenas Deucalião, o seu primeiro «monstro», parece ser capaz de lhe fazer frente.
Com Frankenstein – morto e vivo, a saga do criador e da criatura continua. Com a cidade de Nova Orleães ameaçada por um furacão devastador e também pelo caos causado pelas infernais criaturas de Victor Helios (antes conhecido como Dr. Victor Frankenstein), o futuro da humanidade parece estar em perigo. Deucalião preparara-se para confrontar o seu criador, mas antes que isso possa acontecer, ambos terão de fazer frente a uma criatura saída dos piores pesadelos coletivos do ser humano, com poderes – e objetivos – inconcebivelmente cruéis…
Esta obra conta com mais de oito milhões de exemplares vendidos em todo o mundo e está publicado em mais de 20 idiomas.

Dean Koontz, natural da Pensilvânia, EUA, é um dos autores de maior sucesso dos nossos dias. Com uma vasta obra (que inclui contos, romances, livros infantis e memórias, e percorre géneros como a fantasia, o terror e a ficção científica), publicada em mais de 40 idiomas e com mais de 450 milhões de exemplares vendidos em todo o mundo. www.deankoontz.com

 

Tradutor: Susana Silva
N.º de páginas: 248
Data de lançamento: 10 de fevereiro
PVP: 16,50€


Tão assustador quanto divertido e surpreendentemente terno, Sangue Quente é um livro sobre pessoas mortas que se sentem vivas, pessoas vivas que se sentem mortas – e o que podem sentir e fazer umas pelas outras.
R é um jovem em plena crise existencial. É um zombie. Numa América devastada pela guerra, pelo colapso da civilização e pela fome incontrolável de hordas de mortos-vivos, R anseia por algo mais do que devorar sangue quente. Só consegue pronunciar alguns monossílabos guturais, mas a sua vida interior é rica e complexa, cheia de espanto pelo mundo que o rodeia e desejo de o compreender – bem como a si próprio. R não tem memórias, não tem identidade e não tem pulsação… mas tem sonhos. Depois de um ataque, R devora o cérebro – e, com ele, as memórias – de um rapaz adolescente, e toma uma decisão inesperada: não devorar a jovem Julie, a namorada da sua vítima, e até protegê-la dos outros zombies. Começa então uma relação tensa mas estranhamente terna entre ambos. Julie traz cor e vivacidade à paisagem triste e cinzenta da semi-vida de R. E a sua decisão de proteger Julie pode até trazer de volta à vida um mundo marcado pela morte…
 
Isaac Marion tem 30 anos e antes de escrever o primeiro livro – Sangue Quente - teve vários empregos bizarros, como entregar camas hospitalares a doentes em estado terminal ou supervisionar visitas parentais com crianças entregues à tutela do Estado. Não tem estudos universitários, nunca ganhou prémios literários, mas já é muito acarinhado pela crítica.
http://www.isaacmarion.com/

0 devaneios :