Na Mesa de Cabeceira...

Na Mesa de Cabeceira...
"Guarda-me para Sempre" de Brigid Kemmerer

Passatempo

Passatempo
Até 22 de Julho!

Seguidores

Com tecnologia do Blogger.

Facebook

Arquivo do Blogue

terça-feira, 20 de agosto de 2019
Autora: Elizabeth Macneal
ISBN: 9789898917973
Edição ou reimpressão: 05-2019
Editor: TopSeller
Páginas: 384

Sinopse:
Uma história inebriante sobre uma mulher que sonha ser artista e o homem cuja obsessão pode destruir o mundo dela para sempre.
Londres, 1850. O edifício que albergará a Grande Exposição está a ser construído em Hyde Park. No meio da multidão que ali se junta, duas pessoas encontram-se por mero acaso. Para Iris, uma aspirante a artista, aquele é apenas um encontro efémero, esquecido passados poucos segundos. Mas para Silas, um colecionador fascinado por coisas estranhas, aquele momento marca um novo começo…
Quando Iris é convidada a posar como modelo para Louis Frost, um pintor pré-rafaelita, ela aceita, com a condição de que Louis também a ensine a pintar. De súbito, o mundo de Iris transforma-se numa experiência dominada pelo amor e pela arte, indo além de tudo aquilo com que sempre sonhou.
Só que o mundo de Iris pode ruir a qualquer momento, pois Silas só consegue pensar numa coisa desde o primeiro encontro de ambos. E a sua obsessão torna-se cada vez mais sombria…


Opinião:
Capa lindíssima! A pessoa pode pensar o que quiser da narrativa e da própria sinopse, mas não há como negar que esta capa é simplesmente lindíssima!! E sim, admito que mais uma vez escolhi o livro pela capa, pois li a sinopse e nem me despertou assim tanta curiosidade quando isso, mas a capa, uau!

Iris trabalha com a irmã numa das costureiras de Londres. Um trabalho com que poucos podem sonhar, numa época em que a pobreza reina em Londres e em que em qualquer esquina só se encontram pedintes, de todas as idades possíveis e imagináveis. Enquanto que a irmã de Iris não almeja por algo melhor, devido a males passados, Iris quer pintar! Quer ser pintora, viajar pelo mundo e expôr a sua arte! Mas nada naquele lugar é fácil e dar um passo de fé pode ser difícil...

Mas dá-lo ao conhecer Louis, um pintor que vê nela a sua musa. Um pintor com quem faz um trato, aceitando ser sua muda em troca de aulas de pintura!!

Enquanto a vida de Iris dá uma volta de 360º, também a vida de Silas o faz. Um colecionador de objetos e seres estranho, cuja arte é o embalmasento. Vê em Iris a sua nova fixação, pois esta tem um problema de malformação nos ossos do ombro, que levam Silas, fascinado por seres estranhos, a querer torná-la no seu objeto pessoal de adoração.

Um livro estranho em parte da história. E excelente a transmitir o mundo nesta Londres de 1850. Uma Londres suja, triste e extremamente pobre. Provavelmente esta foi a parte que mais gostei de todo o livro, as descrições fantásticas. E tenho que admitir que por norma nem sou a maior fã de descrição nos livros. Mas neste senti-me lá, sentia os cheiros, a pobreza e tristeza. Sem dúvida que foi um livro que me surpreendeu imenso nessa parte.

As personagens são todas muito diferentes entre si, apesar de nenhuma ser perfeita. Essa "falta" de perfeição leva a que existam inclusive alturas em que sentimos pena de Silas, a personagem mais estranha e talvez macabra de todo o livro.

Contactamos especialmente com Silas e Iris, pois são os nossos dois grandes narradores, sendo Iris a linha de todo o livro. Mas tenho que admitir que a personagem que mais gostei foi do pequeno Albie! Uma criança órfã que vive com a irmã no bordel onde esta trabalha. Extremamente pobres, enquanto a irmã trabalha como prostituta no bordel, Albie vai à procura de recados para fazer... ou de bichos mortos que possa vender a Silas para este embalsamar.

Um história diferente do que estou habituada a ler, com diversas nuances e escrita de tal forma cuidada que para além de sentir que estava na narrativa, várias coisas ficaram gravadas na minha memória quando à história. Pena o final em aberto, mas tal é um gosto pessoal e admito não ser muito fã de finais abertos.

Um livro tal como referi diferente do que costumo ler. Uma narrativa com um estilo gótico que gostei e me surpreendeu.

domingo, 18 de agosto de 2019
Autora: C. J. Tudor
ISBN: 9789897771835
Edição ou reimpressão: 04-2019
Editor: Editorial Planeta
Páginas: 336

Sinopse:
Naquela altura…
Uma noite, Annie desapareceu. Sumiu da sua cama. Houve buscas, apelos. Todos pensaram o pior. E depois, miraculosamente, após quarenta e oito horas, ela voltou. Pensou-se que não queria ou não conseguia dizer o que lhe acontecera.
Mas alguma coisa aconteceu à minha irmã. Não sei explicar o quê. Só sei que quando voltou, já não era a mesma. Não era a minha Annie. Não queria admitir de forma alguma que às vezes tinha um medo de morte da minha irmãzinha…
Agora…
O e-mail chegou à minha caixa de correio há dois meses.
Quase o apaguei de imediato, mas fiz clique para abrir:
SEI O QUE ACONTECEU À SUA IRMÃ. ESTÁ A ACONTECER DE NOVO.
Quando a minha irmã tinha oito anos, desapareceu… mas depois voltou. O pior dia da sua vida não foi quando a irmã foi levada… foi o dia em que ela voltou.


Opinião:
Quando o primeiro livro desta autora saiu cá em Portugal, "O Homem de Giz", foi a loucura! Todos adoraram o livro e falaram imensamente bem sobre ele. Assim que encontrei o segundo livro da autora (este em questão), não resisti e requisitei-o (sim, este é da biblioteca cá da "terrinha").

Joe tenta seguir para a frente com a sua vida, após a sua infância normal se ter tornado quase que como um filme de terror desde que a sua irmã mais nova, correspondendo a um desafio dele, desaparecera nas minas para voltar deverás estranha. Regressa sem saber o que lhe acontecera (ou não quer pensar no que lhe acontecera), e não compreende as perguntas das pessoas em seu redor. E pior... em alguns momentos consegue ter atitudes em que parece possuída! Em que parece transformar-se numa pessoa totalmente diferente que apenas quer ser cruel e magoar os outros, ódio esse que parece especialmente dirigido para Joe.

Não morando mais na sua antiga terra, Joe percebe que tem que regressar quando recebe uma mensagem a dizer que está a acontecer de novo o que acontecera à sua irmãzinha. Por algum motivo uma professora da escola elouquecera e assassinara o próprio filho. É ao pesquisar mais sobre o assunto que Joe descobre que o filho desta professora tinha ido à pedreira... e regressado muito diferente do normal!

Este livro vai saltando entre o passado e o presente o que é interessante, pois o mistério em redor de Anne começa a ser levantado lentamente, com incursões ao que realmente acontecera, a como as pessoas em redor de Joe tinham reagido e ao tempo presente, a como as pessoas que conhecem Joe agora agem ao pé de si, as mudanças que ocorreram na cidade ao longo dos anos... É ao longo destas "viagens" temporais que começamos a compreender que o que Joe diz não é a verdade pura e dura, mas o que este quis ser verdade de acordo com o que viveu e com o que os outros seu "amigos" lhe haviam contado.

Joe foi uma personagem com quem me foi difícil criar um elo. É uma personagem bem desenvolvida mas com uma personalidade que não me prendeu de imediato. Admito que a meio do livro comecei a simpatizar com ele, mas sendo uma personagem muito humana, ou seja, com vários defeitos que nos são descritos ao pormenor, no início foi-me difícil estar do seu lado.

O final... foi muito fraco na minha opinião. Gostei do desenvolvimento e da história em si, mas o final, em que começamos realmente a perceber a parte sobrenatural da narrativa, foi deixado demasiado na imaginação de cada um. Queria saber mais sobre esta parte sobrenatural e tive pena de isso não acontecer.

De resto, foi um bom livro, com a personagem principal bem desevolvida e com um mistério interessante. Admito não ser bem o meu género de livro, mas prendeu-me e ao longo da narrativa queria sempre saber mais. Experimentem!
sábado, 17 de agosto de 2019
Autora: Eva Weaver
ISBN: 9789898917713
Edição ou reimpressão: 03-2019
Editor: TopSeller
Páginas: 320

Sinopse:
Baseado em factos reais
«Eu tinha 12 anos quando o casaco foi feito. Nathan, o nosso alfaiate e querido amigo, começou a costurá-lo para o meu avô na primeira semana de março de 1938. Esse foi o último ano de liberdade para Varsóvia e para todos nós.»
Quando a Polónia é ocupada pelos nazis, os judeus são escorraçados para um gueto imundo e insalubre, aguardando um destino terrível. Entre eles está o jovem Mika, que, depois da morte do avô, herda o seu casaco, descobrindo nos bolsos secretos um grande tesouro: um fantoche. 
Apesar de ser apenas um simples fantoche de um príncipe, transforma-se para Mika num símbolo de esperança. Inspirado pelo projeto que o avô começara, o rapaz cria uma trupe de fantoches para animar as crianças do gueto.
Aos poucos, a sua fama espalha-se por entre todos os que procuram um pouco de cor e alegria entre a morte e a cinza. Até que, certo dia, o talento de Mika é descoberto por um oficial alemão, que leva o rapaz para entreter os mesmos soldados que perseguem e matam os seus amigos e familiares. Mas, se quer sobreviver, a única alternativa de Mika será tentar agradar ao seu inimigo.
Um relato dos dois lados de uma guerra cruel e uma viagem épica sobre sobrevivência, que atravessa continentes e gerações, desde Varsóvia até aos gulags da Sibéria. De que forma se pode alimentar a esperança em tempos tão negros?


Opinião:
Que capa fantástica! Foi sem dúvida o que me puxou mais para começar a leitura deste livro e não me arrependi em nada. Adoro estas histórias verídicas romanceadas desta altura horrível da História. Apesar de ser algo horrível sobre o que ler, o que gosto é como imensas pessoas tinham uma coragem sem igual, como existia quem colocasse os outros à frente das suas necessidades, quem colocasse a sua vida em risco para ajudar os outros, e este livro foi mais um caso disso.

Mika é um jovem que vive durante uma das piores alturas possíveis para ser judeu. De uma família trabalhadora e humilde, Mika sempre fora muito ligado ao seu avô que morrera pouco depois de a guerra começar, deixando-lhe o seu casaco. Um casaco diferente dos demais, mandado fazer à medida e tendo sido optimizado ao longo dos anos, com mais bolsos e arrumação. Apegando-se muito ao casaco, pois este era o seu elo de ligação para com o avô, Mika presencia o início de uma guerra sem precedentes, descobrindo desde cedo que o casaco do avô podia ser uma verdadeira salvação para aquela época negra.

No bolso do casaco, Mika descobre um fantoche. Fantoche esse que o leva a visitar o esconderijo do avô e a descobrir diversos outros fantoches, criando assim um pequeno espectáculo onde consegue utilizar esses fantoches e divertir tanto crianças como adultos no gueto de Varsóvia, distraindo-os durante algum tempo do que se passava em seu redor.

Mas o que era uma atividade ilícita, mas praticada apenas para distrair todos os que estão na mesma situação de Mika, muda quando a atenção de um soldados alemão é despertada pelo espectáculo de Mika. Algo que pode ser perigoso, mas também uma porta aberta.

Foi um livro que gostei imenso. Os livros sobre o gueto de Varsóvia sempre foram os meus favoritos sobre esta altura da história e gostei muito deste. Por norma estes livros baseiam-se sempre na ação de alguém para tentar sobreviver ou alegrar os outros e este livro esteve especialmente na segunda categoria.

A narrativa está dividida em três partes, a primeira e a mais bem escrita e desenvolvida foca-se em Mika e o seu espectáculo de fantoches. A segunda no soldado alemão que conheceu Mika, uma história que comecei entusiasmada mas depressa me desapontou quando percebi que a autora não a desenvolveu como a primeira. Foi uma narrativa mais franca, mais a correr e com menos sentimento, mas que acho que teria dado algo excepcional. A terceira parte é com a filha do soldado e essa percebo que fosse algo mais rápido.

A relação algo estranha desenvolvida entre Max e Mika foi uma das minhas partes favoritas do livro e ficava sempre agarrada ao livro nessa parte da narrativa.

Um livro que gostei imenso, apesar de ter imensa pena da segunda parte não ter sido mais aprofundada. Aconselho!
quinta-feira, 15 de agosto de 2019

Quero agradecer imenso à editora Matéria-Prima Edições pelo apoio e a todos que publicitaram este passatempo nos seus blogs e fóruns.

E o vencedor, escolhido de forma aleatória, é:
- Júlio António

O vencedor será contactado via facebook e o prémio ficará a cargo do autor. Ficarei a aguardar resposta para enviar o livro para o vencedor para este desfrutar de uma boa leitura :)


Parabéns!