Quem sou eu?

A minha foto

Anteriormente conhecida como v_crazy_girl, a 30 de Agosto de 2014 essa conta foi apagada, tendo assim decidido criar algo mais pessoal e próprio para o blogue literário de longa data.

Na Mesa de Cabeceira...

Na Mesa de Cabeceira...
"O Anjo da Morte" de M. J. Arlidge

Passatempo

Passatempo
Até 28 de fevereiro!

Seguidores

Com tecnologia do Blogger.

Facebook

Arquivo do Blogue

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2019

A "App do Amor" de Pedro Chagas Freitas propõe sequência de leitura de "O Amor não Cresce nas Árvores"

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2019
Autora: Christina Dalcher
ISBN: 9789898917584
Edição ou reimpressão: 02-2019
Editor: TopSeller
Páginas: 304

Sinopse:
Estados Unidos da América. Um país orgulhoso de ser a pátria da liberdade e que faz disso bandeira. É por isso que tantas mulheres, como a Dra. Jean McClellan, nunca acreditaram que essas liberdades lhes pudessem ser retiradas. Nem as palavras dos políticos nem os avisos dos críticos as preparavam para isso. Pensavam: «Não. Isso aqui não pode acontecer.»
Mas aconteceu. Os americanos foram às urnas e escolheram um demagogo. Um homem que, à frente do governo, decretou que as mulheres não podem dizer mais do que 100 palavras por dia. Até as crianças. Até a filha de Jean, Sonia. Cada palavra a mais é recompensada com um choque elétrico, cortesia de uma pulseira obrigatória.
E isto é apenas o início.


Opinião:
Este livro chegou-me às mãos numa grande campanha de marketing que a editora fez não só para chamar a atenção ao seu novo lançamento, mas também à sua mensagem. Uma mensagem assustadora que cada vez se pensa ser mais real com imensos movimentos feministas (quer sejam extremistas ou não) a fazer de tudo para ser uma realidade cada vez mais distante.

Jean continua a lembrar-se de como a sua colega de quarto estava sempre a apregoar que tinham que ir às manifestações lutar pelos seus direitos. De como o governo fazia tudo nas costas das pessoas e de como do nada tudo mudaria. Como Jean achava que ela era louca! Até ao presente, um presente em que Jean apenas pode falar 100 palavras por dia e em que cada sílaba extra tem o castigo de um choque elétrico, cuja potência vai aumentando à medida que vão sendo ditas mais palavras, até a um valor de potência que pode inclusive matar!

Os homens têm a liberdade para falar, serem eles a controlar tudo o que as pessoas do sexo feminino que moram consigo fazem. Muitos homens aproveitaram essas oportunidades para mostrar o que de pior há neles, mas outros mantêm-se iguais ao que eram dentro das 4 paredes de casa, pois no exterior nunca poderiam demonstrar o quão insatisfeitos estão com o novo regime.

As raparigas apenas mantiveram as aulas de matemática na escola e apenas a básica, pois serão elas as responsáveis pelas compras da casa e têm que saber fazer contas, mas todas as outras disciplinas foram abolidas, sendo proibido pessoas do sexo feminino lerem!! As novas aulas escolares incluir costura e cozinha... A juntar a isso tanto homens como mulheres têm aulas sobre a nova política. Aulas de verdadeira lavagem cerebral que fazem as crianças acreditarem em como o novo regime é fantástico e extremamente correto!!

Era um livro que tinha de tudo para ter recebido as 5 estrelas. A premissa é muito boa, mas tudo dependia de como a autora exploraria essa premissa. O problema foi um início muito rápido, sentia falta de um pouco de desenvolvimento de como tudo mudou e o país voltou para a idade da pedra. E depois de um intermédio que gostei imenso, o final foi extremamente abrupto. Não achei que as ações de certas pessoas se ligassem de forma extremamente coerente e senti que a autora na falta da melhor forma de encerrar tudo acabou por se precipitar.

A narrativa acabou por ser diferente do que eu esperava, estava à espera de outro rumo da história e talvez esse tenha sido outro factor. Apesar de ter gostado deste caminho, esperava algo mais "forte", esperava que a personagem feminina principal se demonstra-se uma verdadeira heroína que tinha compreendido como usar o seu próprio pensamento para dar a voltar àquelas escravatura.

Houve passagens que me chocaram, em que me senti com vontade de bater em algumas das personagens dos livros, em que queria gritar! E isso demonstra como acabei por entrar na narrativa, pois, especialmente a meio do livro, estava com a emoções à flor da pele.

Um livro que recomendo experimentarem ler!
segunda-feira, 18 de fevereiro de 2019
Autora: Katharine Ashe
ISBN: 9789898869173
Edição ou reimpressão: 07-2017
Editor: TopSeller
Páginas: 352

Sinopse:
Saint Sterling é o melhor espadachim da Grã-Bretanha, amplamente respeitado pela alta sociedade. Contudo, esse respeito não foi suficiente para que pudesse ficar com a única mulher por quem se deixou enfeitiçar: Lady Constance Read. Seis anos depois do primeiro encontro fogoso, Saint e Constance voltam a cruzar-se, e não pelas melhores razões. Assustado com a morte e o desaparecimento de várias jovens em Edimburgo, o duque de Read, o influente pai de Constance, requisita os serviços de Saint: ele terá de ensinar Constance a defender-se. Mas existe uma ameaça: se recusar a missão, o duque tudo fará para que a reputação do espadachim fique manchada.
Sem alternativa, Saint aceita, e descobre que ainda deseja Lady Constance... ardentemente. Na intimidade das lições de esgrima, com o calor dos corpos e a sensualidade a fervilhar, os dois voltam a cair nos braços um do outro. Quebrando as suas próprias regras, Saint arrisca-se a perder tudo para proteger a mulher que ama de um assassino que procura a próxima vítima.


Opinião:
Já não lia um romance histórico há imenso tempo. Ao ter começado um novo trabalho em janeiro, ainda não me consegui habituar ao ritmo de trabalho e se a isso juntar ter decidido ser mais saudável e começar a ir ao ginásio, esqueçam, tem-me sido impossível ler muita coisa, mesmo tipos literários que adoro.

Lady Constance continua sem marido. Não por falta de propostas, mas por falta de vontade em aturar um homem que apenas a quer pelo corpo e dinheiro e não por quem ela realmente é. Uma pessoa com opinião própria, que gosta de ser livre e fazer o que quer. O pai, decidido que a filha tem que se saber defender, acaba por decidir que precisa de contratar alguém que a ensine a esgrimir e apenas serve o melhor dos melhores!

Saint é o melhor dos melhores. Considerado um dos melhores espadachins de sempre, acaba por ser uma mistura entre chantagem, curiosidade e desafio que o fazem aceitar o trabalho que o pai de Constance lhe oferece. Mal sabe o pai que Constance e Saint já se conheciam do passado, um passado que não terminou da melhor maneira. Um passado que os faz manterem-se frios um para o outro mas ao mesmo tempo cheios de vontade de se irritarem mutuamente e de verem até onde aguentam os avanços um do outro.

Foi um livro que gostei mas não adorei. Ao longo da história queria saber porque é que a protagonista queria tanto saber usar um punhal, porque é que era tão secreta com o seu passado. Deu para perceber a premissa principal do seu passado, mas eram os detalhes que eu queria saber e foi um dos grandes fatores que me fez continuar a ler cheia de curiosidade!!

Por outro lado achei a relação entre as personagens estranha. Apesar de se picarem mutuamente e de a autora descrever "um fogo" entre eles... não senti esse fogo. Sentia algo demasiado corporal e pouco sentimental. Sei que não era o objetivo da autora, mas foi o que senti e foi isso que não me fez adorar o livro. Achei que faltava ali qualquer coisa entre os personagens.

Apesar disso foi um livro bom para matar as muitas saudades que já sentia do género. E um livro que recomendo quando querem algo de rápida leitura e que vos mate as saudades por romances históricos!
domingo, 17 de fevereiro de 2019

Mês de reorganização da parte das editoras e do começo da abertura da cortina. Isso é o mês de Janeiro!

Em termos de livros físicos recebi dois novos bebés, um dos quais já li (opinião para breve) e o outro estou extremamente curiosa para começar a ler!


E compensei com ebooks. De novos livros e alguns mais antigos que queria imenso ler!!




E vocês, como foi o vosso início de ano?

sábado, 16 de fevereiro de 2019
Vamos a meio de Fevereiro, mas ainda a tempo para o passatempo deste mês, com o livro "O Dia em que Perdemos a Cabeça" do autor Javier Castillo.


Se querem ter a oportunidade de ganhar este maravilhoso exemplar é só responder às pequenas e simples questões que se seguem. Todas as respostas podem ser encontradas no blogue ou após uma curta pesquisa pela internet. Boa sorte e boas leituras!!

Regras do Passatempo:
1) O Passatempo decorrerá até às 23h59 do dia 28 de fevereiro (quinta).
2) Só é válida uma participação por pessoa.
3) Participações com respostas erradas e/ou dados incompletos serão automaticamente anuladas.
4) O vencedor será sorteado aleatoriamente pela administração do blogue, será contactado por email e o resultado será anunciado no blogue.
5) O envio do prémio será realizado por mim, via CTT.
6) Só são aceites participações de residentes em Portugal Continental e Ilhas.