Quem sou eu?

A minha fotografia

Anteriormente conhecida como v_crazy_girl, a 30 de Agosto de 2014 essa conta foi apagada, tendo assim decidido criar algo mais pessoal e próprio para o blogue literário de longa data.

Na Mesa de Cabeceira...

Na Mesa de Cabeceira...
"A Química do Amor" de Emily Foster

Passatempo

Passatempo
Resultados!

Seguidores

Com tecnologia do Blogger.

Facebook

Arquivo do Blogue

domingo, 14 de agosto de 2011
Sem dúvida Marley e eu!!


Eu não sou daquele género de pessoa que desata a chorar por qualquer cena comovente nos livros, fico admirada e sou capaz de ficar a olhar para o ar devido a cenas mais tristes e afins, mas não costumo chorar... Mas com este livro... A razão, na minha opinião, é por acompanhar-mos Marley ao longo de toda a sua vida... isso liga-nos a ele de forma que quando ele morre e vimos como a família sofreu, sofremos automaticamente com ela mesmo que não queiramos e eu chorei e bem quando cheguei ao final do livro...

4 devaneios :

miGuel pesTana disse...

1 belo livro, sem duvida. Comovente, concordo. Lembro-me perfeitamente que li-o na praia, em 2 dias. Na praia do Porto-Santo.

Há livros que ficam marcados pelo local onde o lemos.

Rita disse...

Vi somente o filme e gostei bastante do mesmo, por pouco não me arrancava umas lágrimas. O facto de ter gostado tanto do filme e as opiniões que dizem que ele é fantástico, deixam-me bastante curiosa relativamente a ele. :)

disse...

li o livro há uns anos numas férias em espanha, li-o num sopro, e lembro-me de chorar imenso no final. O filme teve o mesmo efeito.

Maria João disse...

O deus das pequenas coisas de Arundhati Roy. Lemos, gostamos e no fim quando descobrimos o que acontece numa das partes da história ficamos chocados e emocionados. Pelo menos eu fiquei. Bjs. Maria João.