Quem sou eu?

A minha fotografia

Anteriormente conhecida como v_crazy_girl, a 30 de Agosto de 2014 essa conta foi apagada, tendo assim decidido criar algo mais pessoal e próprio para o blogue literário de longa data.

Na Mesa de Cabeceira...

Na Mesa de Cabeceira...
"A Química do Amor" de Emily Foster

Passatempo

Passatempo
Até 24 de dezembro

Seguidores

Com tecnologia do Blogger.

Facebook

Arquivo do Blogue

sexta-feira, 13 de janeiro de 2012
Título: O Cerco de Krishnapur
Autor: J. G. Farrell
Tradução: Fernando Dias Antunes
Págs: 368
PVP: 17,70 €


Corre o ano de 1857. Na cidade imaginária de Krishnapur, a comunidade britânica resiste com bravura ao ataque lançado por um exército de indianos. No final do cerco, a cólera, a fome e os agressores mataram a maioria dos ingleses, e os que restam são forçados a alimentar-se de cães, de cavalos e, por fim, de baratas. Mas nunca perdem a habitual fleuma britânica: no meio do caos, o chá continua a ser às cinco e a luta pela sobrevivência prossegue, agora lançando mão dos luxuosos candelabros e violinos, as armas que restam para
enfrentar a barbárie. Os episódios desconcertantes sucedem-se, num desafio constante à mais fértil das imaginações…


James Gordon Farrell nasceu em 1935 em Liverpool, no seio de uma família anglo-irlandesa. É considerado um dos mais importantes autores do séc. XX, apesar da sua atividade de escritor ter sido tragicamente interrompida por um acidente enquanto pescava na costa irlandesa. Tendo escrito outros três romances antes de 1970, ficou famoso sobretudo pela “Trilogia do Império”, que retrata a decadência do Império Colonial Britânico com uma ironia sagaz, evidente nas descrições e nas características das personagens, enquanto o pano de fundo é um cenário histórico baseado em acontecimentos reais. Em 1971, Hotel Majestic, o primeiro volume da trilogia, ganhou o Faber Memorial Prize, e em 1988 foi adaptado a telefilme. Foi distinguido com o Lost Man Booker Prize em 2010. O segundo volume da trilogia, O Cerco de Krishnapur ganhou o Man Booker Prize em 1973 e foi nomeado para o prémio Best of the Booker.


Um romance de inquestionável qualidade. The Times

0 devaneios :