Quem sou eu?

A minha fotografia

Anteriormente conhecida como v_crazy_girl, a 30 de Agosto de 2014 essa conta foi apagada, tendo assim decidido criar algo mais pessoal e próprio para o blogue literário de longa data.

Na Mesa de Cabeceira...

Na Mesa de Cabeceira...
"Desejo Concedido" de Megan Maxwell

Passatempo

Passatempo
Até 3 de Setembro

Seguidores

Com tecnologia do Blogger.

Facebook

Arquivo do Blogue

segunda-feira, 17 de setembro de 2012
Situado em Berlim, no período que antecedeu a Segunda Guerra Mundial, este romance semiautobiográfico combina ficção e factos no relato das histórias – frequentemente pícaras – das extraordinárias personagens que animavam a efervescente cena boémia e artística daqueles anos: berlinenses e expatriados a viver no limite com a ameaça do terror político em pano de fundo.
O ponto de partida é o encontro fortuito, num comboio, do professor de inglês William Bradshaw com o ligeiramente sinistro Arthur Norris. Norris é um homem cheio de contradições: gastador, profundamente endividado, excessivamente cortês e depravado. Mas entre os dois vai desenvolver-se uma relação de amizade muito próxima.
Mister Norris Muda de Comboio articula-se com Adeus a Berlim (publicado pela Quetzal em 2011), num núcleo ficcional a que, dentro da obra de Isherwood, se convencionou chamar os romances de Berlim.


Christopher Isherwood nasceu em Cheshire em 1904. Começou a escrever nos tempos da faculdade e a sua prolífica obra desenvolveu-se em vários géneros: romance, conto, relato de viagem e teatro. Mudou-se ainda jovem para Berlim, onde se sustentava ensinando inglês. Na Alemanha, assistiu de perto à ascensão de Hitler, e dois dos seus romances, Adeus a Berlim (Quetzal 2011) e o que agora se publica – Mister Norris Muda de Comboio - refletem essa experiência.
No fim dos anos 1930, viajou pela China com W.H. Auden, após o que se radicou nos EUA. Aí, nos anos 1960, durante uma fase crítica da relação com Don Bachardy – o homem com quem viveu mais de vinte anos –, Christopher Isherwood escreveu Um Homem Singular, com que a Quetzal iniciou a publicação das suas obras. Christopher Isherwood morreu em Janeiro de 1986.

0 devaneios :