Quem sou eu?

A minha fotografia

Anteriormente conhecida como v_crazy_girl, a 30 de Agosto de 2014 essa conta foi apagada, tendo assim decidido criar algo mais pessoal e próprio para o blogue literário de longa data.

Na Mesa de Cabeceira...

Na Mesa de Cabeceira...
"Desejo Concedido" de Megan Maxwell

Passatempo

Passatempo
Até 3 de Setembro

Seguidores

Com tecnologia do Blogger.

Facebook

Arquivo do Blogue

domingo, 14 de agosto de 2011
Sem dúvida Marley e eu!!


Eu não sou daquele género de pessoa que desata a chorar por qualquer cena comovente nos livros, fico admirada e sou capaz de ficar a olhar para o ar devido a cenas mais tristes e afins, mas não costumo chorar... Mas com este livro... A razão, na minha opinião, é por acompanhar-mos Marley ao longo de toda a sua vida... isso liga-nos a ele de forma que quando ele morre e vimos como a família sofreu, sofremos automaticamente com ela mesmo que não queiramos e eu chorei e bem quando cheguei ao final do livro...

4 devaneios :

miGuel pesTana disse...

1 belo livro, sem duvida. Comovente, concordo. Lembro-me perfeitamente que li-o na praia, em 2 dias. Na praia do Porto-Santo.

Há livros que ficam marcados pelo local onde o lemos.

Rita disse...

Vi somente o filme e gostei bastante do mesmo, por pouco não me arrancava umas lágrimas. O facto de ter gostado tanto do filme e as opiniões que dizem que ele é fantástico, deixam-me bastante curiosa relativamente a ele. :)

disse...

li o livro há uns anos numas férias em espanha, li-o num sopro, e lembro-me de chorar imenso no final. O filme teve o mesmo efeito.

Maria João disse...

O deus das pequenas coisas de Arundhati Roy. Lemos, gostamos e no fim quando descobrimos o que acontece numa das partes da história ficamos chocados e emocionados. Pelo menos eu fiquei. Bjs. Maria João.