Quem sou eu?

A minha fotografia

Anteriormente conhecida como v_crazy_girl, a 30 de Agosto de 2014 essa conta foi apagada, tendo assim decidido criar algo mais pessoal e próprio para o blogue literário de longa data.

Na Mesa de Cabeceira...

Na Mesa de Cabeceira...
"O Amor que Nos Une" de Megan Maxwell

Passatempo

Passatempo
Resultados!

Seguidores

Com tecnologia do Blogger.

Facebook

Arquivo do Blogue

sexta-feira, 9 de setembro de 2011
Título: O Centenário que Fugiu pela Janela e Desapareceu
Autoria: Jonas Jonasson
N.º Páginas: 366
PVP.: 16,60€
 
Sinopse:
Um romance hilariante e um fenómeno internacional de vendas a ler sem qualquer moderação! No dia em que Allan Karlsson celebra 100 anos, toda a cidade o aguarda para uma grande festa em sua honra. Mas Allan tem outros planos... Morrer de velho? Sim, mas não ali|! Munido de um par de chinelos gastos, joelhos empenados e uma ousadia tremenda, Allan lança-se numa extraordinária aventura, arrastado numa torrente de equívocos e golpes de sorte. E ao mesmo tempo que acompanhamos a sua última viagem (ou será que não?), conhecemos o seu passado, perdido entre guerras, explosões e mulheres fatais - qual delas a mais perigosa! Uma estreia literária impressionante que conquistou centenas de milhares de fãs.

Sobre o autor:
Jonas Jonasson nasceu na Suécia em 1962. Trabalhou como jornalista, assessor de imprensa e produtor de televisão. Está actualmente a preparar o seu segundo romance.

 
Imprensa:
Humor negro, história do século XX e protagonistas irónicos capazes do impossível: fazer-nos ansiar pela velhice! Uma receita absolutamente viciante. Luís Filipe Borges

Depois de nos fazerem tremer com os seus policiais, os suecos dedicam-se a fazer-nos rir. Le Figaro

Uma brilhante odisseia burlesca... Paris Match

É o Forrest Gump sueco, o velhinho gaiteiro protagonista de O Centenário que Fugiu pela Janela e Desapareceu, a hilariante estreia narrativa de Jonas Jonasson. Ansa

A grande gargalhada do ano. Hemmets Jounal

Completamente louco, um relato hilariante... Aftonbladet

A Suécia revela um gosto renovado pela ironia, um humorismo paradoxal (...) muito diferente das atmosferas noir da literatura escandinava dos últimos anos. Ansa

O Booktrailer:

0 devaneios :