Quem sou eu?

A minha fotografia

Anteriormente conhecida como v_crazy_girl, a 30 de Agosto de 2014 essa conta foi apagada, tendo assim decidido criar algo mais pessoal e próprio para o blogue literário de longa data.

Na Mesa de Cabeceira...

Na Mesa de Cabeceira...
"Se Conhecessem a Minha Irmã..." de Michelle Adams

Passatempo

Passatempo
Até 3 de Setembro

Seguidores

Com tecnologia do Blogger.

Facebook

Arquivo do Blogue

quinta-feira, 26 de janeiro de 2012
Autor: Manuel Moya
P.V.P.: 14,94 €
ISBN: 978-972-0-07160-6
Nº de Páginas: 328
Editora: Sextante Editora 

Uma história de amor em tempos de revolução
Manuel Moya elege Revolução dos Cravos como pano de fundo de Cinzas de Abril

Nas vésperas da revolução de Abril, uma rapariga de família burguesa apaixona-se por um idealista radical, antigo amigo de infância, que transformará a sua perceção da vida social e política.
Envolvem-se ambos na luta contra a ditadura e formam um comando terrorista que terá por missão sequestrar um agente da PIDE. Este caso, e um mistério familiar a ele ligado, vai mudar a vida pessoal de Sophia.
Em Paris cruza-se com outro português, desertor e vivendo de esquemas, cuja amizade a acompanhará por toda a vida.
Ambos atravessam os dias da revolução de Abril com paixão, vivendo a ilusão desses tempos em que o «impossível foi possível».


Escritor, tradutor e crítico literário, nasceu em 1960 em Fuenteheridos (Huelva), onde reside. Como poeta tem uma obra já vasta, distinguida, entre outros, pelo Prémio Ciudad de Córdoba, o Prémio Ciudad de Las Palmas e o Prémio Fray Luis de León. É autor de livros de contos e de vários romances. Além do Livro do desassossego, de Fernando Pessoa, traduziu autores como José Saramago, Miguel Torga, Lídia Jorge e Mia Couto. Cinzas de Abril, o seu mais recente romance, obteve em 2010 o Prémio Fernando Quiñones.


"Investigação histórica, narração transbordante e personagens entranháveis confluem neste esplêndido fresco de época que ilumina o presente e o abre a novas leituras e interpretações." Júri do Prémio Fernando Quiñones 2010

"O sofrimento de indivíduos erráticos que procuram a realidade do seu destino colide com o trauma de saber a verdade. Uma verdade que também humaniza os torturadores, porque mesmo o horror se humaniza e dá a ver o seu lado amável quando se convive com ele. Essa, a existir alguma, é a verdadeira mensagem deste romance." Isabel Llauger, Qué Leer

"Esta história sem heróis nem vilões, com seres mais ou menos desvalidos, apresenta uma grande visão panorâmica de uma das últimas ditaduras europeias, mas é, acima de tudo, uma história de demandas vitais." Revista Cultura

"A prosa, repleta de matizes, por vezes líricos, molda-se à história que relata, com uma técnica que se alia à arte de interessar o leitor,página a página, até ao final." Mercurio

0 devaneios :