Quem sou eu?

A minha fotografia

Anteriormente conhecida como v_crazy_girl, a 30 de Agosto de 2014 essa conta foi apagada, tendo assim decidido criar algo mais pessoal e próprio para o blogue literário de longa data.

Na Mesa de Cabeceira...

Na Mesa de Cabeceira...
"O Amor que Nos Une" de Megan Maxwell

Passatempo

Passatempo
Resultados!

Seguidores

Com tecnologia do Blogger.

Facebook

Arquivo do Blogue

sábado, 21 de julho de 2012
Autora: Kate Furnivall
Edição/reimpressão: 2008
Páginas: 584
Editor: Porto Editora
ISBN: 978-972-0-04167-8

Sinopse:
Uma poderosa história de amor, sobrevivência e lealdade, num fascinante e agitado momento da História.
Exiladas da Rússia após a Revolução Bolchevique, a bela e destemida Lydia e a sua aristocrática mãe refugiam-se em Junchow, na China.
Sozinha e sem recursos, Lydia serve-se da sua astúcia para sobreviver, ludibriando e roubando estrangeiros desprevenidos.
Nas ousadas investidas que faz pela cidade chinesa, Lydia cruza-se com um jovem comunista chinês, Chang An Lo, que a salva da morte certa, num perigoso confronto com as tríades chinesas.
Nesta atmosfera de perigo e exotismo, entre raptos, traições e o tráfico de ópio, Lydia e Chang apaixonam-se, desafiando o preconceito e a desonra.


Opinião:
Este foi um livro que me surpreendeu pela positiva. Com uma capa simplesmente fabulosa, que me chamou de imediato a atenção, a sinopse também ajudou. Mas o meu medo foi nunca ter ouvido falar muito deste livro e ter visto que era uma trilogia e que a Porto Editora (uma editora que costuma publicar as coleções do início ao fim) ainda não tinha publicado o segundo e terceiro volume. Mas ainda bem que arrisquei, porque adorei este livro do início ao fim!

Estamos em tempo de guerra e para sobreviverem, Lydia e a sua belíssima mãe vivem exiladas, escondendo-se na China. Longe de tudo o que conhecem, vivem com imensa dificuldade. A mãe de Lydia vive deprimida o tempo todo pois durante a sua fuga teve que deixar o amor da sua vida (e pai de Lydia) para trás, praticamente morto e Lydia descobre que tem um talento nato para roubar tudo o que consegue meter as mãos a fim de sobreviver.

Sendo descoberta uma vez a usar essa sua "arte", apenas se consegue salvar graças a Chang An Lo, um comunista chinês que a salva de uma morte certa e por quem ela sente de imediato uma grande curiosidade, curiosidade essa que a leva a arriscar a sua própria vida e ele a dele, enquanto tentam ultrapassar a diferença linguística e arranjam forma deveras imaginativas de comunicarem entre si. É através desta comunicação que cresce uma enorme amizade, mesmo estando tudo e todos contra este relacionamento que quebra barreiras e preconceitos.

Eu adorei este livro! Prende logo deste o início com as fantásticas descrições da autora que dão a sensação de estarmos naquele lugar, naquele tempo e ao lado dos personagens. A escrita é mesmo fenomenal e as personagens? Muito bem caracterizadas, aprofundadas, com personalidades vincadas e fortes que fazem com que queiramos ler mais sobre elas, ver quais os seus próximos passos e seguir de perto os seus pensamentos. A história também é por si só excelente. Uma história de amor clandestino. Um amor complicado de seguir, tanto devido aos tempos difíceis que a China passa politicamente, como pelas próprias ideias de Chan An Lo, além de que Lydia e a mãe embora ultrapassem tempos de grande pobreza não conseguem esconder a sua verdadeira classe social na Rússia.

Gostei muito e há-de ser um daqueles livros que quero ler a continuação e quem sabe futuramente a compre (em inglês)

3 devaneios :

Leitora disse...

Olá
Bem devo dizer que ainda não o li exactamente pelos mesmos motivos que tu referis-te. Mas com uma crítica tão favorável acho que o vou levar para as minhas férias.
Boas leituras!

Natural.Origin disse...

A Concubina Russa...
:)

v_crazy_girl disse...

Eu gostei muito deste livro Leitora :D
Tinha algo que me "puxava" para a leitura e adorei ;)