Quem sou eu?

A minha fotografia

Anteriormente conhecida como v_crazy_girl, a 30 de Agosto de 2014 essa conta foi apagada, tendo assim decidido criar algo mais pessoal e próprio para o blogue literário de longa data.

Na Mesa de Cabeceira...

Na Mesa de Cabeceira...
"O Amor que Nos Une" de Megan Maxwell

Passatempo

Passatempo
Resultados!

Seguidores

Com tecnologia do Blogger.

Facebook

Arquivo do Blogue

quinta-feira, 12 de julho de 2012
Autor: Donato Carrisi
Edição/reimpressão: 2012
Páginas: 424
Editor: Porto Editora
ISBN: 978-972-0-04394-8

Sinopse:
Estava à tua procura. Encontrei-te.
És a pessoa certa...
Agora, mata!

Marcus é um homem sem passado. A sua especialidade: analisar as cenas de crime para reconhecer o Mal nos pequenos detalhes e solucionar homicídios aparentemente perfeitos. Há um ano, foi gravemente ferido e perdeu a memória. Hoje, é o único que poderá salvar uma jovem desaparecida.
Este peculiar investigador enfrenta, porém, um desafio ainda maior: alguém está a usar o arquivo criminal da Igreja para revelar a verdade sobre crimes nunca oficialmente resolvidos. Assassinos são colocados perante os familiares das vítimas. Será, passado tanto tempo, saciado o desejo de vingança? Passarão os inocentes a culpados? Ou será, finalmente, feita justiça?


Opinião:
Donato Carrisi já foi publicado em Portugal pela mãos da Porto Editora, com o título "Sopro do Mal". Um livro muitíssimo aclamado pela crítica e que todos os amantes de thrillers adoraram! Eu por acaso, não sendo esse o género que mais leio não me chamou muito a atenção, mas desta vez o seu novo livro tem uma capa tão, mas tão apelativa, com um título tão chamativo que simplesmente não consegui resistir.

Tudo começa com um acto de bondade. Uma ambulância é chamada para um local isolado, onde um homem está à beira da morte. A equipa prepara-se para o salvar quando a médica de serviço vê uns patins pertencentes à sua irmã gémea que havia sido raptada e morta há vários anos e cujo único pertence desaparecido tinha sido os adorados patins. No peito do homem que se encontra à sua frente, o assassino da irmã, está escrita a palavra "Mata-me". Contra o que o resto da equipa espera, a médica decide salvar o homem.

De seguida o livro separa-se em duas histórias principais paralelas. Num lado temos Marcus, um homem misterioso atormentado por uma horrível amnésia que faz com que ele nada saiba sobre si. Um homem que tem um talento nato para descobrir pistas de crimes e resolve-los e que apenas sabe um coisa, que é um sacerdote com um dom horrível que usa para o bem. Por outro lado temos Sandra, uma mulher que acabou de perder o marido e que descobre que as causas não foram de todo naturais! Sendo alguém com um talento fantástico para seguir pistas, decide descobrir quem assassinou o marido. As suas histórias acabam por se relacionar e com essa relação uma verdade perigosa está prestes a vir ao de cima.

Antes de mais não posso fazer um resumo maior do livro pois cada página tem uma surpresa diferente! O autor tem uma escrita fluída e fácil de acompanhar e achei graça a como este separou os capítulos. Estão separados por espaço temporal "Um ano antes", "Quatro dias antes". Muito sinceramente no início esta separação baralhava-me e houve alturas em que eu pensava "mas em que raios é que isto se relaciona com o resto do livro?". Posso-vos dizer que no final tudo se relaciona, tudo faz sentido. O autor conseguiu com um brilhantismo deveras invulgar fazer com que apenas na última página todo o mistério e perguntas desaparecessem e fiquei tão boquiaberta com o final que tive que o reler e após fechar o livro ainda fiquei uns bons minutos a pensar naquilo que tinha acabado de descobrir!

Para além disso todo este livro fala da condição humana de justiça e vingança. A melhor de todas é sem dúvida a do primeiro mistério que nos é mostrado, o da médica. Porque ela salva o homem que assassinou a sua irmã gémea e todos pensaram que ela era um caso estranho de bondade humana. Eu por acaso tive imediatamente um outro sentimento ao ler o livro. Pensei logo que aquele tinha sido a pior vingança possível, afinal de contas o que preferiam, viver para todo o sempre como um vegetal ou simplesmente morrer? Eu preferia o último, sofrer para todo o sempre não me parece a melhor opção. Mas é daqueles dilemas que depende de pessoa para pessoa, aliás como todo o livro. Cada caso de justiça/vingança mostra diferentes facetas de humanidade que podem ser percebidas de várias maneiras dependendo da maneira de pensar do leitor.

Sem dúvida um grande triunfo do autor! Tenho que ler o primeiro livro publicado dele em Portugal mal lhe consiga pôr as mãos em cima. Recomendo!

0 devaneios :