Quem sou eu?

A minha fotografia

Anteriormente conhecida como v_crazy_girl, a 30 de Agosto de 2014 essa conta foi apagada, tendo assim decidido criar algo mais pessoal e próprio para o blogue literário de longa data.

Na Mesa de Cabeceira...

Na Mesa de Cabeceira...
"A Química do Amor" de Emily Foster

Passatempo

Passatempo
Até 24 de dezembro

Seguidores

Com tecnologia do Blogger.

Facebook

Arquivo do Blogue

domingo, 30 de dezembro de 2012
Autora: Patricia Cabot
Edição/reimpressão: 2012
Páginas: 368
Editor: Livros d'Hoje
ISBN: 9789722049108

Sinopse:
Como nunca houvera uma mulher que não conseguisse encantar, Edward tinha a certeza de que iria conquistá-la. Mas Pegeen MacDougal não era nem velha, nem criança - era muita mulher, com uma língua aguçada, uns olhos verdes de levar ao inferno e uma sensualidade que o deixava doente. Infelizmente, ela desprezava-o, assim como à ostentação da sua classe social e à falta de consideração que mostravam pelos menos afortunados. Mas, pelo bem do seu sobrinho Jeremy, Pegeen concordou que ambos se mudariam para a propriedade de Edward. O risco tornou-se rapidamente aparente. Pois ela sabia que podia resistir ao dinheiro de Edward, ao seu poder, à sua posição... a todo o seu mundo. No entanto, era o seu beijo que prometia ser a sua destruição.


Opinião:
Primeiro pensamento ao ver este livro "versão mais adulta de O Diário da Princesa". O porquê? Simplesmente porque a autora é a mesma, eu gostei da saga dos Diários da Princesa e a sinopse parecia-me uma mistura dessa saga com literatura mais adulta e romance histórico. Além disso, a capa deste livro é absolutamente fantástica, tem algo que me liga a ela e me faz querer pegar-lhe e ficar a admirá-la durante imenso tempo.

O irmão de Lord Edward acaba de falecer e este tem que sucede-lo e tomar conta das propriedades do pai. Mas rapidamente descobre que afinal o seu irmão tem um filho primogénito. Ao tomar conhecimento de tal, e desejando uma vida sossegada, sem o peso de ter que tomar conta de outras pessoas que para si trabalhariam e de tomar conta da fortuna do pai, Edward decide encontrar essa criança, e torná-la o senhor das propriedades do irmão. Embora tenha enviado alguém com esse propósito, acaba por ter que ser ele próprio a ter que arranjar forma de trazer o menino para a propriedade e torná-lo senhor da mesma. Acontece que esta criança havia sido criado por Pegeen MacDougal. Pegeen vive uma vida de pobreza enorme, apenas sobrevivendo devido à ajuda da igreja, vivendo sobre o tecto de uma das suas propriedades. Tendo pouco dinheiro, que serve para o comer e pouco mais, quando descobre que afinal o pequeno traquina que cuidava como seu filho era filho de um dos Lordes mais ricos do país, embora fique admirada decide que o menino vai manter-se com ela, pois eles nunca se haviam preocupado com eles a não ser agora que tinham decidido que o trabalho de governar as terras e aqueles que as habitavam era demais e não o queriam fazer.

Sabendo o encanto que tinha nas mulheres, Edward decide ir ter com esta Pegeen, que na sua cabeça devia ser uma velhota qualquer mal humorada e resmungona, para tentar retirar o seu sobrinho das suas garras. Qual não é o seu espanto ao encontrar uma rapariga na casa do vinte anos, belíssima, inteligente e com muito má opinião sobre a aristocracia. Acabando por convencer o menino, volta para casa, não fosse um pequeno senão... Pegeen ir com eles, pois a criança, tendo sindo praticamente criada por ela, não se queria separar dela por nada deste mundo.

É aí que começa um romance entre Edward e Pegeen. Edward é um homem de trinta anos, cuja mentalidade fechada e infantil irrita Pegeen de morte, fazendo com que esta não aguente a sua língua viperina  e esteja sempre a dizer as suas opiniões relativamente a certos assuntos que acha serem injustos. Mantendo sempre a sua posição, mesmo após mudar da sua pequena casa para a mansão de Edward, Pegeen encanta todos os que trabalham na mansão, pois vêem nela uma mulher que sofreu para sobreviver e que embora agora seja "o bem mais poderoso do jovem senhor", continua a ser ela mesma, uma mulher simples, forte e com opiniões muito próprias. Neste livro encontramos mais um romance histórico, em que temos personagens que nos apaixonam e tornam toda a leitura leve e muito agradável. A escrita da autora mantem-se como me lembro dela, fluída, simples e divertida, sendo por vezes até mesmo irónica. As personagens são engraçadas e ver como elas se influenciam uma à outra é ainda mais engraçado!

Uma leitura leve e divertida, óptima para estes dias de frio e chuva!

0 devaneios :