Quem sou eu?

A minha fotografia

Anteriormente conhecida como v_crazy_girl, a 30 de Agosto de 2014 essa conta foi apagada, tendo assim decidido criar algo mais pessoal e próprio para o blogue literário de longa data.

Na Mesa de Cabeceira...

Na Mesa de Cabeceira...
"O Amor que Nos Une" de Megan Maxwell

Passatempo

Passatempo
Resultados!

Seguidores

Com tecnologia do Blogger.

Facebook

Arquivo do Blogue

terça-feira, 8 de janeiro de 2013
Autora: Ana Saragoça
Edição/reimpressão: 2012
Páginas: 104
Editor: Editorial Estampa
ISBN: 9789723326673
Coleção: Novas Direcçoes

Sinopse:
Um prédio. Uma morte. Um mistério.Não se trata, porém, de um romance de pretexto policial. É verdade que há polícias e testemunhas - sobretudo testemunhas - e alguns suspeitos. Mas Todos os Dias são Meus é um extraordinário retrato do Portugal profundo, com os seus tiques, os seus ressentimentos, os seus ridículos.


Opinião:
Eu estou já na comunidade Bookcrossing há uns anitos e foi por lá que fiquei a conhecer este livro, pois a autora é nada mais do que um das mais adoradas bookcrossers lá do sítio. Nunca tinha lido nada dela, por isso quando peguei neste pequeno livrinho tinha uma grande curiosidade em saber o porquê de tanto alarido à sua volta.

Uma jovem rapariga foi encontrada morta no elevador de um prédio como qualquer outro da zona de Lisboa. Um crime que fez com que todos os inquilinos andassem a falar uns com os outros e para si mesmos sobre o porquê daquilo se ter passado, se teriam o assassino à solta e se correriam perigo! Através de uma investigação policial acabamos por descobrir quem é o verdadeiro assassino, as suas razões, os seus pensamentos durante o crime e acabamos assim por chegar a uma interessante conclusão.

Este é um livro que não posso fazer um grande resumo, pois o livrinho é mesmo muito pequenino (tecnicamente menos de 100 página). Mas muito sinceramente surpreendeu-me, pois o que faz o livro ser o que é não é o seu tamanho nem é apenas o crime em que se centra. É ao ir passando as páginas descobrir pessoas tão distintas no mesmo "ambiente", ler o que elas pensam, o que elas sentem. Ver como são retratadas. E é ainda mais interessante ler isso graças à escrita da autora, uma escrita com que nunca me iria deparar se estivesse a falar de traduções, pois nela estão impressos os padrões da nossa cultura, a maneira de pensar do nosso povo e de agir. Cada capítulo é do ponto de vista de cada testemunha do homicídio. Do ponto de vista destes enquanto fazem o depoimento a um polícia que apenas conhecemos através dos seus olhos. Através destes depoimentos deparamo-nos com certos tiques portugueses, certas formas de pensar e falar que estão espalhadas pelo nosso país. Ficamos também a conhecer a verdadeira vida destes, o que escondiam de olhares alheios e acabamos também por conhecer a vítima como esta era vista pelos outros.

Tive pena do livro ter acabado tão depressa, pois gostei imenso do que li, uma escrita que me prendeu e divertiu, pois é imensamente rica e até mesmo sarcástica a um nível de humor negro, o que foi uma verdadeira alegria, pois surpreendeu-me.

Sem dúvida que caso a autora publique alguma coisa mais eu irei tentar ler o novo trabalho, pois este pequenino livro surpreendeu-me imenso, sendo a minha única crítica o facto de ter terminado tão depressa por ser tão pequeno.

2 devaneios :

Fátima Goncalves disse...

Comprei, li e gostei!

v_crazy_girl disse...

Ainda bem que gostou! Este livro também me surpreendeu e pela positiva! :D

boas leituras :)