Quem sou eu?

A minha fotografia

Anteriormente conhecida como v_crazy_girl, a 30 de Agosto de 2014 essa conta foi apagada, tendo assim decidido criar algo mais pessoal e próprio para o blogue literário de longa data.

Na Mesa de Cabeceira...

Na Mesa de Cabeceira...
"A Química do Amor" de Emily Foster

Passatempo

Passatempo
Resultados!

Seguidores

Com tecnologia do Blogger.

Facebook

Arquivo do Blogue

quarta-feira, 3 de julho de 2013
Autor: Ken Follett
Edição/reimpressão: 2010
Páginas: 928
Editor: Editorial Presença
ISBN: 9789722344289

Sinopse:
Em A Queda dos Gigantes, o primeiro volume da trilogia "O Século", as vidas de 5 famílias - americana, alemã, russa, inglesa e escocesa - cruzam-se durante o período tumultuoso da Primeira Grande Guerra, da Revolução Russa e do Movimento Sufragista.
Neste primeiro volume, que começa em 1911 e termina em 1925, travamos conhecimento com as cinco famílias que nas suas sucessivas gerações virão a ser as grandes protagonistas desta trilogia. Os membros destas famílias não esgotam porém a vasta galeria de personagens, incluindo mesmo figuras reais como Winston Churchill, Lenine e Trotsky, o general Joffreou ou Artur Zimmermann, e irão entretecer uma complexidade de relações entre paixões contrariadas, rivalidades e intrigas, jogos de poder, traições, no agitado quadro da Primeira Grande Guerra, da Revolução Russa e do movimento sufragista feminino.
Um extraordinário fresco, excepcional no rigor da investigação e brilhante na reconstrução dos tempos e das mentalidades da época.


Opinião:
Ken Follett é um autor que descobri inicialmente pelo livro "Pilares da Terra" e desde imediato adorei a sua escrita. Embora ainda não tenha lido muitos livros deste autor, a verdade é que sempre que sai algo dele fico muito curiosa e apenas fico de pé atrás devido aos preços exorbitantes de muitos dos seus livros.

Nesta nova trilogia do autor, este apresenta-nos o início da grande Primeira Guerra Mundial, através de personagens únicos e mágicos. Admito que não vos consigo fazer uma pequena sinopse da história deste livro, pois para além de ele ser um livro deveras grande, tanto em tamanho como conteúdo, todas as personagens deste livro acabam por se interligar de alguma forma.

Começamos por conhecer a história através do olhar atento de dois jovens apaixonados, que pertencem a diferentes fações da guerra. Um facto importante que os impede de admitir o seu amor perante o mundo e que leva à separação deste casal. Ele vai combater na guerra, tentado colocar o ponto final nesta. Ela decide que quer dizer a verdade ao mundo, acabando por se tornar uma das grandes primeiras mulheres a ser ouvida na política, sendo que nesta altura emerge o feminismo, um movimento cujo objectivo era permitir as mulheres poderem ganhar o mesmo que os homens no mesmo emprego, além de poderem ingressar em trabalhos que eram dirigidos apenas para homens, querendo também que fosse possível estas votarem.

Vou ser sincera, eu sobre a segunda guerra mundial posso dizer que conheço o mínimo, mas da primeira a minha ignorância é enorme e, de uma forma romanceada, o autor consegue pôr-nos a par do que aconteceu, das facções que existiam, do porquê de existir a guerra  e do porquê de muitos historiadores dizerem que nesta guerra chegou-se ao ponto de muitos já não saberem por que lutavam. Um ponto que adorei ver abordado foi mesmo esse. Acontece que chegaram a haver alturas em que os países em guerra poderiam ter libertado o país da grande opressão e aflição que os afligia, mas tal não fora feito por questões monetárias. Quem perdia tinha o dever de pagar os gastos e estragos afligidos ao inimigo, por isso é enumerado diversas vezes o facto de a paz não ser feita porque os países em guerra não se podiam dar ao luxo de gastar mais dinheiro ainda, aliás, era precisamente o contrário, precisavam do dinheiro.

Entre diversos climas políticos referentes à guerra, começa a elevar-se o movimento feminista, através de jornais, divulgação e os meios existentes na altura. Numa época em que praticamente todos os homens estavam na guerra, as mulheres afirmaram que mereciam os mesmos direitos que o sexo oposto, pois naqueles tempos faziam exatamente o mesmo trabalho que estes, mas com menos benefícios, o que não era de forma alguma correto.

É num ambiente de total evolução que ainda temos a guerra entre a democracia e o regime monárquico, uma guerra que naquela altura ainda tornou a opressão maior.

Um livro fantástico, de um autor com um grande dom, que ADOREI! Irei sem dúvida continuar a acompanhar a trilogia!

0 devaneios :