Quem sou eu?

A minha fotografia

Anteriormente conhecida como v_crazy_girl, a 30 de Agosto de 2014 essa conta foi apagada, tendo assim decidido criar algo mais pessoal e próprio para o blogue literário de longa data.

Na Mesa de Cabeceira...

Na Mesa de Cabeceira...
"Desejo Concedido" de Megan Maxwell

Passatempo

Passatempo
Resultados!

Seguidores

Com tecnologia do Blogger.

Facebook

Arquivo do Blogue

sexta-feira, 23 de maio de 2014
Autora: Sylvia Day
Edição/reimpressão: 2014
Páginas: 352
Editor: Quinta Essência
ISBN: 9789897261237

Sinopse:
Numa noite quente de verão, a apenas algumas horas do seu casamento, a discreta Lady Jessica Sheffield testemunhou uma cena da qual nunca irá recuperar. Vê o jovem Alistair Caufield numa cena ferozmente íntima com uma mulher muito mais velha. Chocada, mas estranhamente excitada, ela manteve silêncio sobre o que viu, e caminhou até ao altar como esperado. Mas, ao longo de anos de um casamento sereno e normal, a imagem de Caulfield continuou na sua imaginação, alimentando sonhos muito ilícitos...
Alistair fugiu da tentação da debutante recatada com o fogo da paixão nos olhos para as Índias Ocidentais. Enquanto comerciante bem-sucedido, tem pouco em comum com o jovem libertino que ela conhecia. Mas quando, sete anos depois, a recém-viúva Jessica sobe a bordo do seu navio para uma viagem até à Jamaica, os sete anos de prazeres negados são mantidos em xeque apenas por algumas camadas de seda… e pela certeza de que renderem-se irá consumir os dois...


Opinião:
Sylvia Day é uma autora cada vez mais explorada em Portugal. Sendo conhecida pelos seus livros do género erótico, é na verdade com um romance histórico que a Quinta Essência decide introduzir a autora no seu catálogo. Uma surpresa muitíssimo positiva devo dizer, pois li há pouquíssimo tempo outro livro da autora de que não gostei nada ("Feitiço"), achando inclusive que fora uma publicação apenas para ganhar algum lucro, sem ter em atenção a qualidade da mesma. Mas através deste volume da Quinta Essência ficamos a conhecer um outro lado de Sylvia Day, uma lado comparativo a Eloisa James, Cheryl Holt e outros dentro do género.

Lady Jessica Sheffield é uma donzela respeitável e uma das grandes debutantes daquela temporada. Para além de um título e fortuna invejável, é dona de uma beleza sem igual, além de ser alguém culto e o sonho de qualquer homem. Uma donzela que está prometida a um grande amigo seu, um casamento de que nem tenta fugir pois sabe-se sortuda o suficiente por conseguir casar com alguém que adora, para além desse alguém ser da sua idade e de muito boa aparência. Poucos dias antes do casamento Jessica depara-se com uma cena deveras sensual entre um homem e uma mulher de alta classe, sendo que esta última tinha marido. Mas não fora isso que a chocara, mas antes o olhar penetrante que o homem lhe lançou quando se viu observado.

Apesar de tudo a sorte não pode durar para sempre e é isso que Lady Jessica percebe quando passado sete anos o seu marido acaba por falecer, deixando-lhe uma parcela de dinheiro suficiente para esta viver feliz e sossegada o resto da sua vida, sem precisar de depender de quem quer que fosse. Decidida a sair um pouco do local onde viveu toda a sua vida, para conhecer os terrenos que o marido a deixara, empreende numa longa viagem de barco, onde o seu companheiro é nada mais nada menos do que Caulfield, o dono do olhar ardente que Jessica havia recebido há sete anos atrás.

Este é sem dúvida o melhor livro da autora que li até à data e posso afirmar que já li um bom número de romances desta. É a primeira vez que leio algo da mesma que é denominado não como erótico, mas sim como histórico e sem dúvida alguma que a autora é muito melhor neste domínio. Criou uma personagem feminina forte e que sabe o que quer e que por estranho que pareça não sofreu com o antigo marido (acontece muito isso neste tipo de livro, em que a viúva não se quer ligar a ninguém por medo criado no antigo casamento). Neste livro Jessica sabe o que faz, fá-lo de livre vontade e tem noção de tudo e todos os que estão contra ela. Caulfield é um homem que sofreu imenso por ser o filho mais novo de seu pai, sendo que em nenhuma das suas ações há amor pelo filho. Apesar disso Caulfield tolera-o pelo amor que tem pela mãe, que sempre esteve a seu lado.

Uma outra personagem que adorei ver desenvolvida foi a irmã de Jessica, uma rapariga que em jovem era determinada, divertida e sempre com um sorriso nos lábios, mas que a vida de casada mudara severamente, estando magra, receosa e com uma ar constantemente doente. Esta foi uma das partes que mais gostei, pois retrata a violência doméstica nessa época, um retrato que pode ser utilizado, em muitos casos, nos dias de hoje. Tenho imensa pena que esta história não tenha sido ainda mais desenvolvida e gostava que o final dela tivesse sido outra, mas mesmo assim gostei imenso.

Um livro da autora muito diferente dos restantes publicados em Portugal, que aconselho a todos, pois sei que irão sem dúvida alguma adorar esta nova história tal e qual como eu!

0 devaneios :