Quem sou eu?

A minha fotografia

Anteriormente conhecida como v_crazy_girl, a 30 de Agosto de 2014 essa conta foi apagada, tendo assim decidido criar algo mais pessoal e próprio para o blogue literário de longa data.

Na Mesa de Cabeceira...

Na Mesa de Cabeceira...
"Desejo Concedido" de Megan Maxwell

Passatempo

Passatempo
Resultados!

Seguidores

Com tecnologia do Blogger.

Facebook

Arquivo do Blogue

sexta-feira, 5 de junho de 2015
Autor: Marc Pastor
Edição/reimpressão: 2014
Páginas: 256
Editor: TopSeller
ISBN: 9789898626561

Sinopse:
Barcelona, 1912. Há crianças a desaparecer. Quando um cadáver é encontrado numa viela estreita, dilacerado e sem um pingo de sangue, surgem rumores bizarros sobre um «vampiro» que se move pelas sombras da cidade e que anda a roubar as almas dos inocentes.
Para a polícia trata-se apenas de mais um cadáver, num lugar onde a morte e o crime são tão frequentes que se tornaram banais. E quanto às crianças desaparecidas, ninguém quer saber dos filhos das prostitutas que povoam Barcelona.
Mas para o inspetor Moisès Corvo — um polícia rude e dissoluto, mas com um sexto sentido peculiar — este é um mistério que tem de ser resolvido, com um criminoso que afinal é uma mulher.
Gótico e chocante, A Mulher Má revela um mundo macabro, uma história verídica que nos faz duvidar de um dia ter realmente existido uma mulher tão pérfida, capaz de crimes tão monstruosos.
Um livro assombroso que agarrará o leitor da primeira à última página.
Tão cativante quanto assustador. Uma mistura de CSI com Jack, o Estripador, na Barcelona do início do século XX.


Opinião:
Gostei da capa. Adorei a sinopse. A história? Infelizmente ficou aquém das expectativas.

Enriqueta sabia o que fazia. Era uma mulher já de idade mais avançada no seu tempo, mas que achava que que podia manter-se para todo o sempre na juventude. Essa juventude apenas precisava de um ingrediente. Sangue jovem, o verdadeiro ingrediente para uma vida longa e saudável. Mas esse não é um hábito propriamente saudável mas, utilizando todas as armas que tem, Enriqueta consegue ter sob a sua asa pessoas que trabalhem para ela, por razões que nem elas sabem, que lhe alimentam o vício...

Para suas vítimas Enriqueta apenas quer os mais jovens e, de preferência, jovens que não possam ser reclamados, a descrição perfeita dos filhos das prostitutas. Mulheres que não se podem virar para a polícia para as salvar, tentando reaver os filhos por métodos que não são de forma alguma eficientes.

Na busca por este mistério temos o inspetor Moisès Corvo, um polícia que sabe o que faz, um homem correto que apesar de brusco quer salvar o dia e especialmente impedir o rapto de diversas crianças que conhece que entram na descrição perfeita de vítimas.

Muito sinceramente, não gostei do livro. A escrita é muito direta e crua, algo que poderia funcionar neste tipo de livros, não fosse o facto de me ter perdido a meio da história, não sabendo bem sobre o que estava a ler... Achei tudo muito confuso, o autor saltita entre tópicos de um momento para o outro e a meio perdia-me. Apesar de ter noção geral do que estava a ocorrer, era apenas isso, uma noção geral.

Uma história mal explorada e apesar de as personagens até terem sido bem aprofundadas, o desenvolvimento e apresentação da história não me prenderam.

0 devaneios :