Quem sou eu?

A minha fotografia

Anteriormente conhecida como v_crazy_girl, a 30 de Agosto de 2014 essa conta foi apagada, tendo assim decidido criar algo mais pessoal e próprio para o blogue literário de longa data.

Na Mesa de Cabeceira...

Na Mesa de Cabeceira...
"Prometes Amar-me?" de Monica Murphy

Passatempo

Passatempo
Até 23 de Julho

Seguidores

Com tecnologia do Blogger.

Facebook

Arquivo do Blogue

terça-feira, 8 de março de 2011
Autora: Elizabeth Chadwick
Edição/reimpressão: 2010
Páginas: 448
Editor: Edições Chá das Cinco
ISBN: 9789898032720

Sinopse:
No verão de 1140, Oliver Pascal regressa de uma longa peregrinação para encontrar a Inglaterra devastada pela guerra civil. Entre os sobreviventes que encontra está um filho ilegítimo do rei e Catrin, a jovem aia do rapaz. Viúva, altiva e impetuosa, esta tem muito em comum com Oliver. E quando parece que o destino talvez os vá juntar, eis que ele é feito prisioneiro e Catrin descobre que o seu marido afinal não morreu em batalha. Mas será que ela quer voltar para ele? Um romance histórico apaixonante, onde Elizabeth Chadwick nos mostra que mesmo com os perigos de uma época violenta e as convulsões de uma guerra contínua, o amor pode nascer e sobreviver.


Opinião:
Oliver regressa finalmente à sua Inglaterra depois de uma longa peregrinação. Mas o seu regresso não é o melhor ao descobrir inúmeras aldeias devastadas pela guerra civil. É então que avista ao longe um rasto de fumo, decidindo ir ver o que se passa, encontrando uma aldeia acabada de ser devastada, algo que o afecta profundamente. Mais afectado ainda fica ao encontrar uma grande amiga sua, amiga da sua falecida esposa, no meio do chão entre os destroços com traços de ter acabado de perder um bebé ao ter sido violada pelos saltiadores. É então que promete proteger o filho dessa mulher, um bastardo do rei, e Catrin, uma viúva que vivia como aia da criança.

Decidido a cumprir a sua promessa de proteger o rapaz e a sua aia, Oliver leva-os até ao Conde Robert, irmão do rei. Um viagem não muito longa, mas que acaba por aproximar Oliver e Catrin de uma maneira que nenhum deles esperava. Sendo ambos viúvos e com uma vivência mais idêntica do que parecia no início, acabam por se tornar íntimos e confidentes.

Mas toda esta felicidade acaba ao se descobrir que afinal o marido de Catrin não está assim tão morto quanto se pensava. Movido pelos seus próprios interesses, o marido desta tinha-a abandonado quando lhe pareceu indicado, nunca se interessando pelo seu bem estar. Ao descobrir que a sua (ex)esposa se tinha tornado íntima de um bastardo do rei e do irmão do rei, a situação parece-lhe muitíssimo favorável, e com palavra calmas e envenenadas, acaba por conseguir que Catrin vá consigo. Cegada pelo seu antigo amor, embora com o coração dividido, Catrin acaba por decidir ser uma boa cristã e seguir o marido... Mas até quando é que esta será cegada? E quando é que lhe custará para ver a traição mesmo ao seu lado?

Nunca tinha lido nada desta autora, embora sendo esta uma escritora de romances históricos - um género que eu adoro! -, a curiosidade foi maior. Este livro deixou-me um tanto ou quanto dividida. Por um lado tem uma boa história e do meu ponto de vista, diferente do normal. Por outro acho que a autora não soube aproveitar a 100% a premissa da história. O início foi muito bom, mas chega a uma parte, em que a autora nos começa a dar os factos históricos - que fazem deste livro um romance histórico -, mas de uma forma um pouquinho separada do romance, não os conseguido juntar tão bem como seria de esperar, fazendo este livro enrolar-se um pouco lá para o meio. É verdade que depois deste "enrolamento" a história recomeça a fluir, mostrando a verdadeira face do marido de Catrin e o erro na escolha que esta fez.

Já li por imensos lados que esta é uma das histórias mais fracas da autora, por isso quando poder irei ler, por exemplo, "Sombras e Fortalezas" a fim de ver se a escrita da autora estava mesmo mais fraquinha neste livro ou se afinal é o seu estilo de escrita que não me consegue "puxar", embora como disse, tem uma história muitíssimo bem imaginada, mas aquele "enrolar" lá para o meio quebrou um pouco o ritmo da leitura.

1 devaneios :

nitapt disse...

Olá! Eu fiz ao contrário e comecei pelo Sombras e Fortalezas e li depois o Nó do Amor e de facto achei o segundo mais fraquinho, mas o primeiro gostei muito! Foi muito viciante e li-o em 3 dias. Aconselho vivamente!
Ana

PS. Gosto muito do teu blogue! Vou passar a seguir!