Quem sou eu?

A minha fotografia

Anteriormente conhecida como v_crazy_girl, a 30 de Agosto de 2014 essa conta foi apagada, tendo assim decidido criar algo mais pessoal e próprio para o blogue literário de longa data.

Na Mesa de Cabeceira...

Na Mesa de Cabeceira...
"A Casa Misteriosa" de Marzia Bisognin

Passatempo

Passatempo
Resultado!!

Seguidores

Com tecnologia do Blogger.

Facebook

Arquivo do Blogue

sábado, 4 de fevereiro de 2012
Carlos Reys é natural da Figueira da Foz- 1937- onde iniciou os seus estudos e despertou o gosto pelo desenho. Na juventude teve como professor o mestre pintor beirão Óthão Luís.
Frequentou, mais tarde, o Instituto Superior de Engenharia de Coimbra para complemento dos estudos necessários à sua vida profissional.
Licenciado em “Design” Industrial pelo ISDOM, trabalha na Indústria de Moldes para Plásticos estando há vários anos radicado na Marinha Grande, como “designer” dirigindo o seu próprio Gabinete de Projectos. Tem-se destacado na criação e desenvolvimento de produtos em grande parte adquiridos para a linha “Regaline” da Companhia Americana Del Rey Plastic Corp., em New York.
Desde cedo começou também a dedicar-se às Artes Plásticas e a partir dos anos 60 iniciou a sua participação em manifestações culturais na região, através da ilustração de poesia e fez parte das Exposições dos Artistas de Leiria, organizadas pela Galeria Diedro em 1972 e 1973.
Aprofundando, fundamentalmente, o Desenho como meio de expressão, de temperamento inovador na distorção da forma natural dos elementos, Carlos Reys procura novos estilos, novas formas — na busca do momento de viragem entre o figurativo e o abstracto — impondo um certo realismo que é apreciado pela sua originalidade.
Frequentou os Cursos de Formação Artística da Sociedade Nacional de Belas Artes de Lisboa e procura identificar-se no estudo da Estética e da História da Arte.


Quem tem ideais na vida terá, certamente, um ou mais mentores que como faróis, lhe indicarão rumos certos de rota e escolhos a evitar. Raramente o mentor será um modelo de conduta tão abrangente que se ajuste a todas as facetas da vida. Assim podemos ter mentores no campo da vida familiar, da vocação profissional, da vida artística, da vida amorosa e até na vida religiosa. O autor, Carlos Reys, adaptou um mentor ficcional, Guilherme Esteves, que o terá inspirado para a vida e que ele escolheu como personagem condutor de uma saga de pessoas que preenchem o tempo que vai do após a Primeira Guerra Mundial até aos nossos dias e cujas existências vão colorir uma cidade portuguesa, banhada por um rio que é fonte de sustento e de evasão de um Portugal oprimido até à libertação do 25 de Abril de 1974. Não sendo um livro histórico o retrato das personagens que o habitam é pelas suas características uma referência da sociedade média de Portugal do século XX.

0 devaneios :