Quem sou eu?

A minha fotografia

Anteriormente conhecida como v_crazy_girl, a 30 de Agosto de 2014 essa conta foi apagada, tendo assim decidido criar algo mais pessoal e próprio para o blogue literário de longa data.

Na Mesa de Cabeceira...

Na Mesa de Cabeceira...
"A Química do Amor" de Emily Foster

Passatempo

Passatempo
Resultados!

Seguidores

Com tecnologia do Blogger.

Facebook

Arquivo do Blogue

sábado, 16 de junho de 2012
Como surgiu a escrita na tua vida? 

De braço dado com a leitura. Tratam-se, efectivamente, de dois gostos com origem no primeiro contacto que tive com as letras, e com os quais cresci e aprendi a olhar como duas actividades inseparáveis e a aperfeiçoá-las com o passar do tempo. 


O que é que te levou a escrever este livro? 

Como qualquer outra história, este livro nasceu de uma ideia que comecei a escalar tentando perceber até onde iria dar esse caminho que tinha pela frente e se tinha condições para o explorar ou se, pelo contrário, estava condenado a abandonar o trilho a meio. Quando escrevo, não o faço com nenhum propósito específico, a não ser talvez pelo prazer pessoal que sinto em passar as minhas ideias para o papel e compilá-las numa história coerente. Vontade de escrever nunca me faltou, e a persistência, lá me fui cruzando com ela pelo caminho.


O que sentiste ao receber a resposta afirmativa de uma das editoras revelação portuguesas?

Senti que ao meu trabalho estava a ser reconhecido valor por alguém “fora de portas”, isto é, fora do habitual núcleo familiar e social para quem qualquer rabisco meu era sempre merecedor dos mais rasgados elogios. Nesse sentido, posso afirmar que constituiu, como é natural, um motivo de grande motivação e satisfação pessoal.


Quais foram as suas referências e inspirações enquanto os escrevias?

Enquanto escrevia, as minhas inspirações passavam inevitavelmente pelas minhas leituras, a referência principal de toda a minha acção literária. Porém, as fontes de inspiração extravasam largamente o domínio da leitura, passando por uma série de outros estímulos e influências com que nos defrontamos interna e externamente, todos eles trazendo sangue novo à história que nos dispomos a contar.


Alguma vez tiveste medo que não funcionasse?

Nenhum processo de escrita é imune a dúvidas e receios. Quando iniciei as primeiras páginas deste livro, não tinha certeza se seria um projecto viável ou apenas mais um condenado a perecer na minha gaveta. Assim, só o facto de ter chegado ao fim, e de ver a minha ideia original materializada num romance já me leva a afirmar que, de facto, “funcionou”. O objectivo fundamental concretizou-se quando o meu livro ficou escrito, e tudo o que vier a receber nesta fase autónoma e posterior da publicação será sempre uma mais-valia face a esse objectivo primário.



Qual é que achas que é o público-alvo dos teus livros?

Desenhar um público preferencial seria prender o livro a uma faixa etária específica ou a um leitor-tipo, exercício que não me atrevo a fazer. Direi apenas que O Templo dos Três Criadores é o primeiro livro da saga Crónicas de Lusomel, que se enquadra dentro do género do fantástico, e cuja acção se desenrola num mundo criado de raiz. Quem sentir o apetite aguçado e estiver interessado em lê-lo é livre de o fazer, o que constituirá para mim, enquanto autor, motivo de grande orgulho. No entanto, cada leitor é um mundo, e o próprio melhor que ninguém pode julgar se o livro se adequa ao seu perfil.


Podemos ficar à espera de outro livro teu?

Tenho no horizonte o segundo livro da minha saga, ainda em fase de construção. A curto prazo, posso adiantar que, se tudo correr bem, ainda este ano terei oportunidade de ver o conto que submeti ao concurso literário Erótica Fantástica da editora Draco ser alvo de publicação no primeiro volume da respectiva Antologia de contos vencedores, o qual deverá estar disponível no último trimestre deste ano. Trata-se de um processo que tenho vindo a acompanhar.


Que importância atribuis à blogosfera literária?

A blogosfera tem um papel que considero fundamental no âmbito da divulgação e crítica literárias. Parece-me evidente que já existe nos dias de hoje uma comunidade muito grande de leitores que se agrega em torno deste e de outros blogues literários, trocando ideias e impressões acerca daquele que é o interesse comum que os une: a leitura. Sem dúvida um espaço privilegiado onde tenho muito orgulho e prazer em dar a conhecer o meu trabalho.

0 devaneios :