Quem sou eu?

A minha fotografia

Anteriormente conhecida como v_crazy_girl, a 30 de Agosto de 2014 essa conta foi apagada, tendo assim decidido criar algo mais pessoal e próprio para o blogue literário de longa data.

Na Mesa de Cabeceira...

Na Mesa de Cabeceira...
"A Química do Amor" de Emily Foster

Passatempo

Passatempo
Até 24 de dezembro

Seguidores

Com tecnologia do Blogger.

Facebook

Arquivo do Blogue

quarta-feira, 20 de junho de 2012
Autora: Rosa Montero
Edição/reimpressão: 2011
Páginas: 360
Editor: Porto Editora
ISBN: 978-972-0-04368-9

Sinopse:
Estados Unidos da Terra, Madrid 2109.

Uma série de replicantes parece estar a enlouquecer, cometendo assassinatos brutais e suicidando-se de seguida. A detetive Bruna Husky, uma replicante de combate, é contratada para descobrir quem e o que está por detrás desta onda de loucura coletiva, num entorno social cada vez mais instável. Entretanto, o arquivo central de documentação da Terra está a ser alvo de pirataria informática: uma mão anónima anda a manipular a História da Humanidade.
Feroz, solitária, inadaptada, e dolorosamente consciente de cada minuto de vida que lhe resta, Bruna Husky mergulha numa conspiração xenófoba mundial, enfrentando a constante suspeita de traição dos que se dizem seus aliados, e encontrando na companhia de uma série de marginais - capazes de conservar a razão e a ternura no meio da loucura da perseguição - uma vitalidade aguerrida.
Lágrimas na Chuva é um romance futurista sobre a sobrevivência, sobre a ética política e individual, sobre o amor e a necessidade do próximo, e sobretudo sobre a memória e a busca de identidade. Rosa Montero transporta-nos a um futuro imaginário, coerente e poderoso, para melhor nos alertar sobre os perigos das grandes opções do presente.


Opinião:
Nunca tinha lido nada desta autora, mas depois de ler esta sinopse... quem é que consegue resistir?


Bruna recebe uma visita inesperada quando a sua vizinha lhe entra em casa do nada e começa a gritar um discurso eloquente e que em nada faz sentido. De seguida acaba por se suicidar mesmo à frente de Bruna o que a choca pois não estava à espera de tal comportamento vindo de uma pessoa que parecia normal e sossegada. Acabando por ignorar o que tinha sucedido, Bruna continua a sua vida de detective como se nada tivesse acabado de ocorrer, mas acaba por perceber que o que parecia ser um simples caso de loucura é muito mais, quando inúmeros tecno-humanos começam a ter o mesmo comportamento estranho que a sua vizinha teve. Sim, não estamos a falar do mundo dos dias de hoje. Este livro ocorre num futuro não muito distante, em que para o conhecimento relativo às máquinas está deveras avançado, sendo grande parte da população tecno-humanos, peças de engenharia com sentimentos, emoções e que tentam viver as suas vidas como humanos normais.


Mas estes casos de loucura por parte dos tecno-humanos não os ajudam a cair nas boas graças dos humanos, que acabam por os odiar e temer. Contratada para tentar perceber o que se está a passar, Bruna acaba por descobrir uma intriga muito mais complicada e profunda do que esperava.


Uau! Foi uma das poucas palavras que passava pela minha cabeça após ler este livro! Nunca tinha lido nada da autora, por isso não sabia bem o que esperar, mas após ler este livro deu-me uma vontade enorme de ir procurar outras coisas por ela escritas. Esta autora arriscou imenso a escrever este livro, pelo menos é o que eu acho. É daqueles livros que ou funcionaria muito bem, ou iria funcionar muito mal e graças ao grande talento de Rosa Montero e da sua escrita harmoniosa e fluida, acabamos por ter em nossas mãos um livros muitíssimo bom, em que conhecemos Bruna, uma tecno-humano desenhada para combate. Temida por uns e acarinhada por outros, Bruna tenta usar as suas "definições de fabrico" para fazer algo bom no mundo, mas a vida de uma tecno-humana é complicada e não há muitos humanos que quereriam contratar um robô, mesmo sendo um com sentimentos definidos e com memórias de uma vida passada. Sim, porque nestes robôs são implantadas memórias, desenhadas com o objectivo de lhes ensinar o que é o amor, a dor, o perdão e muitos outros sentimentos e este é sem dúvida um ponto importante em toda a história. Mesmo com estas adversidades, Bruna faz o melhor que pode para sobreviver e embora tenha um aspecto estranho e assustador (mas belo), acaba por se mostrar uma pessoas preocupada com os outros embora tente esconder essa parte de si.

Acabamos por conhecer outras personagens pelo caminho, por exemplo, o autor das memórias de Bruna, um dos melhores no seu trabalho, mas que devido a dedicar-se em demasia à escrita destas memórias teve problemas com a autoridade. Conhecemos o que se pode chamar um homem lagarto, um ser de outro mundo que encontra Bruna e acaba por se envolver com esta e acabamos por ter mais um caso de medo e nojo por espécies diferentes, de onde retiramos a lição que o medo que sentimos vem do desconhecido e não propriamente do ser perigoso.

Um livro muito bom que recomendo sem reservas, gostem ou não de romances passados no futuro, gostem ou não de romances com "robôs", este é um romance para qualquer pessoa, que nos mostra o que o preconceito pode causar e quais as suas repercussões.

0 devaneios :