Quem sou eu?

A minha fotografia

Anteriormente conhecida como v_crazy_girl, a 30 de Agosto de 2014 essa conta foi apagada, tendo assim decidido criar algo mais pessoal e próprio para o blogue literário de longa data.

Na Mesa de Cabeceira...

Na Mesa de Cabeceira...
"Se Conhecessem a Minha Irmã..." de Michelle Adams

Passatempo

Passatempo
Até 3 de Setembro

Seguidores

Com tecnologia do Blogger.

Facebook

Arquivo do Blogue

sexta-feira, 13 de julho de 2012
Autor: Julian Barnes
Edição/reimpressão: 2011
Páginas: 176
Editor: Quetzal
ISBN: 9789725649893

Sinopse:
Tony Webster e a sua clique só conheceram Adrian Finn no fim do liceu. Famintos de livros e de sexo, e sem namoradas, viviam esses dias em conjunto, trocando afetações, piadas privativas, rumores, e mordacidades de todo o género. Talvez Adrian fosse mais sério do que os outros, e seria certamente mais inteligente. Mesmo assim juraram que ficariam amigos para o resto da vida. Tony está agora reformado. Teve uma carreira, um casamento e um divórcio amigável. E nunca fez nada para magoar ninguém - ou pelo menos acredita nisso. Mas a chegada da carta de uma advogada desencadeia uma série de surpresas e acontecimentos inesperados que lhe vão mostrar que a memória é afinal uma coisa altamente imperfeita O Sentido do Fim, o mais recente romance de Julian Barnes e livro recém-galardoado com o Man Booker Prize 2011 - é a história de um homem que se confronta com o seu passado mutável. Com marcas da literatura inglesa clássica - na apreciação do júri que o distinguiu - O Sentido do Fim constrói, com grande delicadeza e precisão, uma trama tensa, forte, e revela a mestria de um dos maiores escritores dos nossos tempos.


Opinião:
Primeiros pensamentos ao ver este livro, capa chamativa, livro vencedor do Man Booker Prize, livro pequeno (andava numa fase em que queria ler livros mais pequeninos). Resultado, arranjei o livro e quando o peguei apenas parei quando o terminei.

Este é um livro de memórias. Mas memórias vistas de um ponto de vista já mais adulto e maduro. Tony foi um rapaz normal. Pensava em raparigas, aventuras, nos amigos, das férias ao alcance de uma mão e na diversão. Agora em adulto pensa na sua vida nessa altura. Nos erros que cometeu e que nunca se apercebeu que magoavam alguém. Nas aventuras que descobriu que faziam-no sentir-se importante e poderoso e que agora sendo mais velho o fazem sorrir e ao mesmo tempo ficar admirado com a sua própria idiotice.

Webster vê agora a sua vida pelos olhos de adulto. Vê o sucesso prometido e alcançado e mais tarde a descensão do pódio. Vê a vida com a sua ex-mulher, a filha, os professores, os colegas e amigos. Faz o balanço da sua vida e conta-a de uma forma irónica e satírica.

É um livro que provavelmente podia ter sido ainda mais explorado, mas talvez seja isso que o torna tão "especial". O facto de não ser tão exaustivamente explorado faz o leitor pensar mais nas suas próprias conclusões, no que dali poderia provir, o que fez o protagonista agir assim.

Um pequeno grande livro!

1 devaneios :

Clarinda disse...

Tb o li este mês, e tb gostei muito. ;)