Quem sou eu?

A minha fotografia

Anteriormente conhecida como v_crazy_girl, a 30 de Agosto de 2014 essa conta foi apagada, tendo assim decidido criar algo mais pessoal e próprio para o blogue literário de longa data.

Na Mesa de Cabeceira...

Na Mesa de Cabeceira...
"O Amor que Nos Une" de Megan Maxwell

Passatempo

Passatempo
Resultados!

Seguidores

Com tecnologia do Blogger.

Facebook

Arquivo do Blogue

sexta-feira, 26 de outubro de 2012

Prefácio
Um ano após a publicação de Palavras Nossas Volume I, que deu a conhecer trinta “novos poetas” ao país, eis que aparece já Palavras Nossas Volume II, com vinte “novos poetas” para Portugal conhecer. 
Foi como muita satisfação e outra tanta dose de empenho e dedicação que abracei a coordenação de Palavras Nossas, cuja razão principal de ser consiste em dar a conhecer poetas que publicam pela primeira vez os seus poemas, poemas quase sempre escritos sem pensar na publicação, poemas tantas vezes escritos para não ser dados a conhecer, a não ser num grupo muito restrito de familiares e amigos, poemas, dizia eu, que até aqui estavam guardados no baú das coisas significativas e significantes dos seus autores, ou então que tinham apenas sido postos a circular por entre as “redes sociais”, poemas que, enfim, os seus autores escreveram e só eles poderão dizer como, porquê, ou para quê. 
Naturalmente, é também com alguma dose de orgulho, não tanto por mim, mas mais pelos “novos poetas” que aqui se dão a conhecer pela primeira vez ao país – daí o epíteto de “novos poetas” –, que vejo este projecto concluído com êxito.
E ontem, como hoje, levantam-se as mesmas circunstâncias… 
Ao mesmo tempo que a obra poética parece definhar sob a ameaça da falta de leitores e das regras editoriais, aqui, como em todo o lado, cada vez mais controladas e comprometidas com as apertadas exigências da rentabilidade e do lucro que expulsa os livros de poesia das livrarias, os poetas insistem…
Ao mesmo tempo que a obra poética parece fadada a morrer por virtude das exigências pragmáticas de um “mundo desencantado” – de onde, segundo a fórmula do grande poeta alemão Friedrich Hölderlin [1770-1843], “os deuses se retiraram” –, cada vez mais dominado por uma racionalidade científica e económica que se estende sobre todas as esferas da vida humana e transforma a cultura num mero jogo de aparências fugazes e efémeras, ligadas à diversão e ao entretenimento, os poetas resistem e persistem…
E ontem, como hoje, levantam-se as mesmas questões… 
Tratar-se-á de viver ou de sobreviver? Tratar-se-á de quê, afinal? Proponho que cada um resolva por si próprio as questões, porque aquilo que se passa hoje com a poesia – e não será uma questão recorrente e persistente, que se arrasta no tempo? – não difere em nada da nossa própria situação real e existencial.
“Para quê os poetas, em tempo de indigência?”, perguntava já Hölderlin na sétima estrofe da sua celebérrima elegia “Pão e Vinho”, uma pergunta que desde então nunca mais deixou de ecoar sob o panorama da poesia moderna. Para que é que serve a poesia?, poderíamos perguntar nós, ainda hoje. 
Palavras Nossas Volume I não responde a nenhuma das questões levantadas. Tampouco o faz agora o Volume II. Pelo menos não o fazem de forma frontal e directa. Mas também não é esse o objectivo.
Publicar poesia nos dias de hoje, arriscar publicar poesia nos dias que correm – porque é de risco que aqui se trata – é ter a coragem de sonhar e de lutar pela realização do nosso próprio sonho. Vivemos? Sobrevivemos? Eu diria antes que somos e, porque somos, sonhamos. 
Para que é que serve a poesia hoje? Eu perguntaria antes: porque é que ainda há quem faça poesia hoje? E, mais uma vez, a resposta reconduz-me ao sonho. Contra todas as circunstâncias reais, nós, os poetas, continuamos a sonhar; contra todas as dificuldades do presente, nós, os poetas, ainda temos a coragem de querer continuar a sonhar.
Palavras Nossas Volume II é uma “obra comum”, que nasce da capacidade de sonhar. É uma Colectânea de Novos Poetas Portugueses, que aqui assumem a coragem de sonhar e de querer continuar a revelar os seus próprios sonhos. Mas Palavras Nossas Volume II também é fruto da ousadia da Esfera do Caos Editores, que agora viabiliza a realização dos sonhos de vinte “novos poetas”, que aqui se vêem publicados pela primeira vez.
“Deus quer, o homem sonha e a obra avança”, deixou-nos Fernando Pessoa em legado, numa mensagem que ainda hoje continuo a encarar como sendo de encorajamento a sonhar e a lutar sempre pela realização do nosso próprio sonho. “Pelo sonho é que vamos, comovidos e mudos”, dizia-nos também Sebastião da Gama, num poema fantástico, que, a meu ver, sintetiza o essencial do espírito de Palavras Nossas Volume II e de todos aqueles se viram envolvidos na realização deste corajoso projecto literário.

Miguel Almeida

0 devaneios :