Quem sou eu?

A minha fotografia

Anteriormente conhecida como v_crazy_girl, a 30 de Agosto de 2014 essa conta foi apagada, tendo assim decidido criar algo mais pessoal e próprio para o blogue literário de longa data.

Na Mesa de Cabeceira...

Na Mesa de Cabeceira...
"O Amor que Nos Une" de Megan Maxwell

Passatempo

Passatempo
Resultados!

Seguidores

Com tecnologia do Blogger.

Facebook

Arquivo do Blogue

sábado, 12 de janeiro de 2013
Autora: Kathleen Winter
Edição/reimpressão: 2012
Páginas: 384
Editor: Editorial Teorema
ISBN: 9789726959946

Sinopse:
Em 1968, na paisagem belíssima de uma remota vila costeira canadiana, nasce um bebé: um bebé que não parece ser rapaz ou rapariga, mas sim ambos. Só três pessoas partilham este segredo: os pais - Jacinta e Treadway - e a parteira, uma vizinha chamada Thomasina. Apesar de Treadway ter tomado a difícil decisão de educar a criança como rapaz, baptizando-o de Wayne, as mulheres continuaram secretamente a desenvolver o seu lado feminino. Com Wayne a entrar na idade adulta no seio de uma hipermachista comunidade de caçadores, "Annabel", o seu outro eu, nunca desaparece por completo.
Relato emocional e atmosférico de um tempo e um lugar perdidos, Annabel fala-nos de uma busca pessoal que é, no seu âmago, uma jornada universal. Na sua determinação em descobrir-se e descobrir o mundo, Wayne / Annabel desafia uma cultura vigente que abomina contradições e incertezas.


Opinião:
Sabem aqueles livros que ao lerem a sinopse ficam cheios de sentimentos contraditórios? Foi isso que me aconteceu com este. A sinopse prometia um livro sobre a vida, um livro para nos fazer pensar... a capa para mim prometia outra coisa, um livro mais negro e sombrio... Mas a verdade? Este livro não está nem numa nem noutra categoria. Acho que posso afirmar que se encontra ali no meio, a baloiçar de uma forma muito perspicaz.

A acção passa-se numa pequena vila. Um local onde todos se conhecem uns aos outros, onde não existem segredos e onde o que o era num dia, no seguinte já está a passar pela boca de todos. É nesta pequena aldeia que nasce uma criança diferente de tudo o que os habitantes alguma vez haviam visto. Uma criança que tanto tem características femininas como masculina. Tendo percebido tal coisa de imediato, Thomasina pede a todas as mulheres que ajudaram no parto um momento a sós com a mãe e conta-lhe o que viu, decidindo assim manter segredo de todos, inclusive o pai da criança. Mas este último era deveras perspicaz e apercebe-se do que se passa, acabando por reagir devera bem, embora decidindo que o filho era um rapaz e que o que se iria esconder eram as suas características femininas. A criança cresceu, sobre o nome de Wayne, tomando diariamente diversos comprimidos que este julgava que era para a sua saúde, embora na realidade fossem hormonas que o faziam por fora, parecer um autêntico rapaz, cheio de massa muscular e pronto a seguir o pai na sua actividade profissional, a caça.

Mas a verdade é que Wayne sempre se soube diferentes dos outros rapazes. Enquanto estes gostavam de brigar e de jogar à bola, Wayne maravilhava-se com a simetria de tudo o que via e com a dança e música. Enquanto que os outros rapazes estavam cheios de vontade de seguir as pegadas dos pais e de saltarem para cima das raparigas, Wayne só queria que o pai o compreende-se e ver se nenhum dos rapazes percebia como o seu interesse por raparigas é pura amizade...

Wayne era diferente e sabia-o, mas é apenas após a ida ao médico, devido a grandes dores na zona do estômago, que Wayne descobre que apenas o seu exterior é masculino, e mesmo assim grande parte dos efeitos eram devido aos comprimidos, pois sem os tomar pequenos seios começavam a crescer e os músculos que constituíam o seu corpo de rapaz nunca teriam existido. Nessa consulta com o médico descobre a verdade sobre o seu corpo de um maneira cruel, acabando por aumentar a medicação mesmo contra a sua vontade. É a partir daqui que Wayne começa a sonhar com o seu próprio caminho, com a sua liberdade para ser quem quisesse o onde quisesse.

Este é um livro muitíssimo bem escrito, que fala de algo que embora hoje possa ser minimamente resolvido, há uns anos era impossível. A partir de técnicas quase "ancestrais", os médicos decidiram qual o sexo que o bebé deveria ter, sem testes nem algo que se parecesse sequer com testes, acabando por ser a decisão errada, o que leva Wayne a viver uma vida de solidão e dúvida. Mas Wayne acaba por se demonstrar alguém inteligente e decidido, acabando por crescer decidido a sair da pequena aldeia para um lugar onde as pessoas tivessem uma mente mais aberta e perspicaz, sendo assim possível transformar-se naquilo que sempre sentira ser realmente.

Os problemas com a sociedade, com a própria família, com os amigos e conhecidos... isto é algo que Wayne tem que ultrapassar diariamente, sendo uma luta difícil e exaustiva, embora acabe por valer a pena.

Foi um livro que me tocou mais do que esperava e que embora tenha achado o final mais fraquinho que o resto do livro, a aventura de descoberta de Wayne foi algo que me inspirou e que gostei imenso de ler.

0 devaneios :