Quem sou eu?

A minha fotografia

Anteriormente conhecida como v_crazy_girl, a 30 de Agosto de 2014 essa conta foi apagada, tendo assim decidido criar algo mais pessoal e próprio para o blogue literário de longa data.

Na Mesa de Cabeceira...

Na Mesa de Cabeceira...
"Se Eu Fosse Tua" de Meredith Russo

Passatempo

Passatempo
Resultado!!

Seguidores

Com tecnologia do Blogger.

Facebook

Arquivo do Blogue

sábado, 9 de fevereiro de 2013
Autora: Mary Balogh
Edição/reimpressão: 2012
Páginas: 368
Editor: Edições Asa
ISBN: 9789892312354

Sinopse:
Numa manhã perfeita de Maio…
Neville Wyatt, conde de Kilbourne, aguarda a sua noiva no altar. Mas, para espanto geral, em vez da bela jovem que todos conhecem aparece uma mendiga andrajosa. Perante a nata da aristocracia, o perplexo conde olha para ela e declara que é Lily, a sua mulher! Ao olhar para aquela que em tempos desposou, que amou e perdeu nos campos de batalha de Portugal, ele compromete-se a honrar o seu compromisso… apesar do abismo que agora os separa. 
Até que Lily fala com franqueza… 
E afirma querer começar de novo… e que Neville a ame verdadeiramente. Para isso, sabe que terá de estar à altura das expectativas dele, o que a leva a aceitar ser dama de companhia da sua tia e aprender as boas maneiras. A determinada Lily rapidamente conquista a admiração da alta sociedade, demonstrando ser uma condessa à altura do seu conde. Por seu lado, Neville está disposto a tudo para provar à sua formidável mulher que o que sentiu por ela no campo de batalha foi muito mais que desejo, muito mais do que o arrebatamento de… 
Uma noite de amor.


Opinião:
Esta capa lançou-me um feitiço... confesso! É lindíssima, uma capa que nos promete um bom romance de época... E foi por isso que o tive que ler, pela capa. Nem liguei muito à sinopse, vi a capa de decidi-me de imediato!

Neville vai casar com a sua amiga de infância de longa data, que esperou vários anos pelo seu regresso da guerra. Tudo parece ir correr bem e todos acham que eles são o casal perfeito e que ficam fantásticos juntos. Só que no dia do casamento uma mulher de roupas velhas, com aspecto sujo e cansado surge pela igreja adentro e de repente apenas se ouve a voz de Neville a dizer "está é a minha esposa". Todos os convidados ficaram chocados perante tal afirmação vinda da boca do conde e mais admirado ficou ele, pois esperava que aquela mulher estivesse morta há vários anos, pois vira-a ser alvejada mesmo à sua frente, tendo recebido a confirmação de que estava deveras morta.

Essa mulher chama-se Lily. Filha do comandante de Neville, Lily é de uma classe muito inferior à de Neville, mas isso não lhe interessa. É uma pessoa sincera, forte, com um passado difícil e adorada por todos aqueles que a conhecem realmente. Neville de imediato tenta fazer tudo ao seu poder para a fazer feliz, mas Lily não é como as da sua classe social. Não gosta de fingir que não vê os empregados para ser superior, não gosta de passar os dias trancada em casa a fazer de dona de casa e odeia ouvir conversas que lhe parecem ocas simplesmente porque é o correcto a fazer. Lily gosta de ser livre, gosta de se banhar no rio, de correr pela relva fresca, de se fechar na cozinha com os empregados rindo e conversando... E todos aqueles que conversam com elas ficam de imediato adoradores seus!

Mas Neville acaba por descobrir que o contrato de casamento acabou por se perder, o que faz com que o casamento não seja válido... E agora? Que fazer?

Muito sinceramente? Esperava muitíssimo mais deste livro. Sim, não é um mau livro, tem uma história engraçada e gosto da maneira de ser de Lily, mas achei que a história estava escrita de uma forma tão, mas tão superficial! Lily sofreu imenso nos anos em que esteve desaparecida e julgada morta, mas esse sofrimento mal é falado no livro, apenas para se dizer "aconteceu-lhe isto e tal", mas nada de mais, não se vê uma verdadeira luta da parte dela para ultrapassar o que quer que fosse, não se vê que ela esteja assim tão preocupada quando isso pelo que lhe aconteceu o que para mim foi deveras estranho... A ex-noiva de Neville, que acabou por não casar com ele, desenvolveu um ódio repentino por Lily (o que até pode ser considerado normal visto que esta lhe entrou de repente pela igreja adentro no dia do casamento e o arruinou e ela gostava mesmo de Neville) mas esse ódio é mal descrito, mal explicado e a maneira como ela luta contra ele é muito... oca? Sim, acho que oca é a palavra correcta. Neville parece uma pessoa demasiado influenciável para o seu cargo. Sim, decidiu e afirmou que a mulher (quando ainda não sabia que o casamente com Lily era inválido) era live de fazer o que queria, mas no início diz que gosta da noiva, depois vê repentinamente Lily e afirma que gosta desta, depois tem a fase de indecisão... Por um lado compreendo a personagem, por outro lado achei TODAS as suas acções demasiado superficiais para alguém que ama realmente outra pessoa.

Resumindo, gostei imenso da história de fundo, achei-a interessante, mas achei-a muito mal desenvolvida, podia ter sido um livro mil vezes melhor. Mas é um bom livro para se ler num dia em que não estamos com muita paciência para ler algo demasiado forte e cansativo.

2 devaneios :

Catarina Abreu disse...

Same here :P

v_crazy_girl disse...

:D