Quem sou eu?

A minha fotografia

Anteriormente conhecida como v_crazy_girl, a 30 de Agosto de 2014 essa conta foi apagada, tendo assim decidido criar algo mais pessoal e próprio para o blogue literário de longa data.

Na Mesa de Cabeceira...

Na Mesa de Cabeceira...
"Se Eu Fosse Tua" de Meredith Russo

Passatempo

Passatempo
Resultado!!

Seguidores

Com tecnologia do Blogger.

Facebook

Arquivo do Blogue

terça-feira, 2 de julho de 2013
Autora: Jess Michaels
Edição/reimpressão: 2013
Páginas: 256
Editor: Quinta Essência
ISBN: 9789897260674

Sinopse:
Durante vários verões Miranda Albright viu - horrorizada, mas vergonhosamente excitada - o seu perverso vizinho Ethan Hamon, o notório conde de Rothschild, «entreter» uma sucessão de amantes nos terrenos da sua propriedade. Agora que o pai dela morreu, deixando para trás uma montanha de dívidas, Miranda deve fazer o impensável. Ethan prometeu apoiar as suas irmãs mais novas, financeira e socialmente, por um preço escandalosamente caro: Miranda deve oferecer-se completamente ao conde durante três meses, sem remorsos e sem restrições.
Noventa dias e noites de sensualidade desenfreada esperam-na nos braços de um galã que vê a sua submissão como nada mais do que um grande jogo erótico. Porém, nem Miranda nem Ethan percebem que fogo arde por detrás de um rubor inocente. E assim que a paixão dela é desencadeada pelos lábios e pelo toque de Ethan, é a aluna que vai ensinar ao professor os caminhos do prazer proibido... e do amor.


Opinião:
Já li outros dois livros desta autora, "Tabu" e "Força de Desejo", por isso não sabia bem o que esperar deste livro, pois destes dois anteriores um adorei e outro odiei. Mas a verdade é que acabei por considerar este o melhor livros dos três. Embora continue a ter os ingredientes normais sexuais da autora, as personagens são mais aprofundadas e a história é mais completa que nos outros dois livros.

Miranda Albright pertence a uma família abastada, ou pelo menos pertencia, até o seu pai morrer e ela tomar conta das contas de família, apercebendo-se que o pai as deixara sem dinheiro algum e com poucas ou nenhumas propriedades, pois estas serviriam para pagar as dívidas. Desesperada e sem saber o que poderá fazer, Miranda tem a ideia de pedir ao vizinho Ethan que apresente a sua irmã mais nova, Penelope, à sociedade. Daquela forma a irmã seria apresentada de forma respeitável e arranjar talvez um marido que pudesse ajudar a família nos seus problemas financeiros.

Mas desde o início o conde não está disposto a dar tal benção de livre vontade, acabando Miranda por oferecer o seu corpo como moeda de troca, algo que o conde aceita de imediato, não tivesse ficado curioso com a força de vontade daquela estranha mulher, que o encarava de frente sem medo das suas reações. Mas o espírito daquela mulher persegue-o e encanta-o. Tal como o espírito forte do conde persegue e encanta Miranda. É assim que estas duas personagens se acabam por envolver para além do acordo que havia entre ambos...

Muito sinceramente estava com algum receio deste livro, pois o anterior que li nada autora não me marcou pela positiva, por isso estava um tudo ou nada receosa que não fosse gostar do que iria ler. Mas acontece que me enganei totalmente, sendo este, dos três livros que li da autora, o que mais gostei. É um livro que aprofunda mais as personagens não sendo tanto de meros encontros sexuais entre os personagens, acabando estes por desenvolver mesmo uma verdadeira relação.

Admito que acabei por encontrar alguns pontos no livro que me fizeram confusão, nomeadamente o ódio que Penelope sente pela irmã ao descobrir o acordo que esta fez com o conde. Um ódio que achei mal dirigido e cuja "vingança" foi uma verdadeira atitude de criança, decidindo Penelope que acabaria por casar com um homem que estava, praticamente, prestes a morrer. Claro que ela pode sentir como que desilusão pela atitude da irmã, mas daí à ação dela, achei algo injustificável. Mas apesar disso tal ação demonstrou a maneira de ser das irmãs e a força que as unia, o que acabou por ser algo positivo no livro.

Ethan foi uma personagem que me chamou imenso a atenção, embora por vezes me irritasse com o constante "ai o meu pai andou com tudo o que tinha saia por isso eu não vou casar senão farei no mesmo, o sangue fala mais alto". Estes nobres dos livros têm com cada ideia estranha. Mas apesar de tudo foi essa noção de Ethan que criou grande parte deste livro, por isso acabou por se demonstrar um mal necessário.

Dos livros que li da autora este foi o melhor até à data e sem dúvida que irei ler os próximo da autora publicados cá por Portugal!

0 devaneios :