Quem sou eu?

A minha fotografia

Anteriormente conhecida como v_crazy_girl, a 30 de Agosto de 2014 essa conta foi apagada, tendo assim decidido criar algo mais pessoal e próprio para o blogue literário de longa data.

Na Mesa de Cabeceira...

Na Mesa de Cabeceira...
"Se Eu Fosse Tua" de Meredith Russo

Passatempo

Passatempo
Resultado!!

Seguidores

Com tecnologia do Blogger.

Facebook

Arquivo do Blogue

domingo, 1 de setembro de 2013
Autora: Rachel Ward
Edição/reimpressão: 2013
Páginas: 304
Editor: TopSeller
ISBN: 9789898626141

Sinopse:
Junho de 2026. Adam consegue ver números nos olhos das pessoas, que correspondem à data da sua morte. Mas não pode revelar a ninguém este segredo. Como se não bastasse viver com aquele terrível dom, as coisas estão prestes a tornar-se ainda mais difíceis. Adam apercebe-se de que, subitamente, a data da morte de todos aqueles com quem se cruza é a mesma: 1 de janeiro de 2027.
Sarah, uma rapariga reservada mas cheia de personalidade, tem uma complicada história pessoal que a leva a fugir de casa dos pais. Além disso, tem um pesadelo recorrente e assustador com Adam, mesmo sem nunca o ter visto. Depois de o conhecer, porém, desenvolve por ele uma forte atração, que não sabe como gerir. Ambos partilham de premonições semelhantes: fogo, água, morte, destruição, caos.


Opinião:
Já se passaram literalmente anos desde a publicação do primeiro livro desta trilogia. Aliás, já havia passado tanto tempo que julgava que a editora tinha abandonado esta colecção, mas ainda bem que não o fez.

Terminámos o último livro com o falhanço de Jem, que tentara avisar tudo e todos do que iria acontecer, tendo sido ignorada e considerada louca. Acabou por não conseguir salvar quem quer que fosse do ataque terrorista, além de ter morrido nessa "batalha" a pessoa por quem se apaixonara e de quem acabara por engravidar. Neste livro seguimos a história do filho de Jem, numa altura em que apenas mora com a bisavó, pois os pais já tinham ambos falecidos.

Adam tem o mesmo dom (ou maldição) que a mãe, vê nos olhos das pessoas a data da sua morte. Um dom que tem escondido por conselho da mãe, desde que esta descobriu que este também o possuía quando em criança fizera um desenho com a data da sua morte. Após ser mandado pela polícia para fora de casa com a sua avó, por questões de segurança devido a cheias, Adam acaba por ir para Nova Iorque, onde praticamente todas as pessoas que vê têm a mesma data de morte escrita nos olhos.

Quando entra para a escola conhece Sarah, uma rapariga que quando o vê parece que está perante um monstro, ficando cheia de medo e praticamente fugindo dele a correr. Uma estranha rapariga que te imediato lhe chama a atenção e por quem sente uma estranha ligação.

Devo dizer que gostei muito mais deste livro do que do primeiro. Achei as personagens mais envolventes e consegui-me relacionar melhor com elas. É verdade que a autora continua a escreve para um público mais juvenil, continuando também a fazê-lo de uma forma própria, colocando muitas situações frias e amargas na vida das personagens, sendo que isso é o que faz delas alguém por quem sentimos pena, compaixão e por quem estamos constantemente a torcer para tudo correr bem. Situações essas que incluem bullying, violações, e dramas políticos.

Mas acho que poderia sentir ainda mais sentimentos por eles. Nós sentimos tal coisas porque vemos que eles têm uma vida difícil, mas a verdade é que acabamos por não os conhecer realmente, e a relação entre estes acaba por ocorrer de forma demasiado rápida. Uma pessoa que continuei a adorar neste livro foi a "Vó", a bisavó de Adam e avó de Jem, que já conhecíamos do primeiro livro, uma personagem que para a idade é energética, divertida e muito preocupada com o bisneto. Uma personagem cujo final me surpreendeu...

Este livro é bem melhor que o primeiro e li-o de uma ponta à outra em pouquíssimo tempo, pois a escrita fluída prende-nos e só conseguimos largar o livro quando o terminamos, revelando que estamos perante um dos melhores livros juvenis, que li, dentro do género.

0 devaneios :