Quem sou eu?

A minha fotografia

Anteriormente conhecida como v_crazy_girl, a 30 de Agosto de 2014 essa conta foi apagada, tendo assim decidido criar algo mais pessoal e próprio para o blogue literário de longa data.

Na Mesa de Cabeceira...

Na Mesa de Cabeceira...
"Desejo Concedido" de Megan Maxwell

Passatempo

Passatempo
Até 3 de Setembro

Seguidores

Com tecnologia do Blogger.

Facebook

Arquivo do Blogue

segunda-feira, 24 de março de 2014
Autora: Julia Quinn
Edição/reimpressão: 2013
Páginas: 384
Editor: Edições Asa
ISBN: 9789892323060

Sinopse:
Sophie Beckett tinha um plano ousado: fugir de casa para ir ao famoso baile de máscaras de Lady Bridgerton. Apesar de ser filha de um conde, ela viu todos os privilégios a que estava habituada serem-lhe negados pela madrasta, que a relegou para o papel de criada. Mas na noite da festa, a sorte está do seu lado. Sophie não só consegue infiltrar-se no baile como conhece o seu Príncipe Encantado. Depois de tanto infortúnio, ao rodopiar nos braços fortes do encantador Benedict Bridgerton, ela sente-se de novo como uma rainha. Infelizmente, todos os encantamentos têm um fim, e o seu tem hora marcada: a meia-noite.
Desde essa noite mágica, também Benedict se rendeu à paixão. O jovem ficou até imune aos encantos das outras mulheres, exceção feita… talvez… aos de uma certa criada, que ele galantemente salva de uma situação desagradável. Benedict tinha jurado tudo fazer para encontrar e casar com a misteriosa donzela do baile, mas esta criada arrebatadora fá-lo vacilar. Ele está perante a decisão mais importante da sua vida. Tem de escolher entre a realidade e o sonho, entre o que os seus olhos veem e o que o seu coração sente. Ou talvez não...


Opinião:
Como devem ter reparado dos posts aqui no blogue, ando a ler esta saga um pouco trocada. Mas apesar disso não deixo de desfrutar de uma leitura sempre divertida e muito romântica quando agarro em algum livro da autora. E como tal este não podia ser excepção.

Sophie era uma bastarda. Filha de mãe desconhecida mas a viver com o pai desde muito nova, este nunca admitira que esta era sua filha, mas as semelhanças eram demasiado grandes para não serem notadas por todos. O conde trata Sophie como se fosse sua protegida, permitindo-lhe ter uma elevada educação mas nunca demonstrando o seu amor para com esta, tratando-a com uma insignificância tal que parece que para este não existe. Não é assim de admirar que quando o conde morre, a sua madrasta lhe diga que este não lhe deixara nada como pose, afinal de contas Sophie era praticamente invisível para este. A madrasta de Sophie começa então a tratá-la como uma verdadeira criada e nunca lhe paga um cêntimo que fosse. Mas Sophie tem um carácter forte e acaba por decidir que será melhor viver sozinha do que debaixo do mesmo tecto daquela mulher e das suas filhas.

Benedict não consegue estar parado. Adora viajar e nunca se sentiu bem em apenas um local. É um homem sonhador e que tenta fugir sempre das garras casadoiras da sua adorável mas persistente mãe. Mas quando o seu coração é preenchido por alguém sem nome, Benedict toma a decisão de nunca casar com ninguém senão alguém com quem sinta grande afinidade, tal como sentira com esse alguém sem nome.

Devo dizer que achei imensa graça ao início do livro. O início é tal e qual a história da Cinderela, mas recontada de uma forma super engraçada e com um estilo de escrita tão característico da autora. Devo dizer que adorei Benedict. O facto de ser um homem tão inseguro, mas ao mesmo tempo tão confiante de si mesmo foi uma receita de sucesso para mim, criando aquele protótipo que qualquer leitora adora de imediato. Sophie também é uma personagem interessante, uma bastarda que sempre julgara que o seu pai a odiava e que decidira viver sozinha toda a sua vida. Duas pessoas muitíssimo diferentes mas que acabam por se completar de tal forma que qualquer leitor só consegue suspirar com a sua história. Além disso achei imensamente romântico a decisão final de Benedict, apesar de todos os contratempos que tal decisão lhe poderia causar no futuro.

Um livro que adorei e talvez um dos Bridgerton que mais gostei até à data, especialmente devido à sua natureza incerta e por ser tão diferente dos seus demais irmãos. Uma saga que adorei e que recomendo!

2 devaneios :

Almi disse...

Também amei esse livro, apesar de amar o Antony e o Colin, mais o Benedict é surpreendente, e pra mim o que ele fez no final que foi o melhor.

http://minhasprimeirasimpressoes.blogspot.com.br/

v_crazy_girl disse...

Mesmo... O final é muitíssimo querido neste livro e adorei a alma sonhadora do Benedict *.*