Quem sou eu?

A minha fotografia

Anteriormente conhecida como v_crazy_girl, a 30 de Agosto de 2014 essa conta foi apagada, tendo assim decidido criar algo mais pessoal e próprio para o blogue literário de longa data.

Na Mesa de Cabeceira...

Na Mesa de Cabeceira...
"O Amor que Nos Une" de Megan Maxwell

Passatempo

Passatempo
Resultados!

Seguidores

Com tecnologia do Blogger.

Facebook

Arquivo do Blogue

segunda-feira, 18 de agosto de 2014
Autora: E. Lockhart
Edição/reimpressão: 2014
Páginas: 312
Editor: Edições Asa
ISBN: 9789892327365

Sinopse:
A família Sinclair parece perfeita. Ninguém falha, levanta a voz ou cai no ridículo. Os Sinclair são atléticos, atraentes e felizes. A sua fortuna é antiga. Os seus verões são passados numa ilha privada, onde se reúnem todos os anos sem exceção. É sob o encantamento da ilha que Cadence, a mais jovem herdeira da fortuna familiar, comete um erro: apaixona-se desesperadamente.
Cadence é brilhante, mas secretamente frágil e atormentada. Gat é determinado, mas abertamente impetuoso e inconveniente. A relação de ambos põe em causa as rígidas normas do clã. E isso simplesmente não pode acontecer. Os Sinclair parecem ter tudo. E têm, de facto. Têm segredos. Escondem tragédias. Vivem mentiras. E a maior de todas as mentiras é tão intolerável que não pode ser revelada. Nem mesmo a si.


Opinião:
Este livro dava-me sentimentos contrários. Por um lado queria imenso lê-lo, o título chamava-me a atenção e as críticas que saiam não podiam ser melhores. Mas por outro lado esse mesmo título apontava para uma história mais profunda, mais filosófica e não me apetecia nada ler um livro desse tipo. Acabei por decidir lê-lo mais pelas críticas que por outra coisa, pois tal como referi, essas eram muitíssimo positivas.

Todos conhecem a família Sinclair. Ricos, bonitos, famosos. Uma família perfeita. Ou pelo menos é o que esta aparenta exteriormente. Cadence é a neta mais velha da família, sendo a grande herdeira. Uma rapariga muito inteligente que apesar de pertencer a uma família supostamente perfeita sente-se tudo menos isso. Uma das coisas que Cadence adora é passar as férias na ilha da família, sendo assim possivel reencontrar aqueles que ela considera os seus únicos amigos. Esse seu grupo de amigos, a que decidem chamar "os mentirosos", apenas se vêem nas férias, onde as suas vidas parecem perfeitas. Mas sendo de diferentes partes da família Sinclair, os seus pais estão constantemente a brigar uns com os outros. Acham que a fortuna da família está mal dividida. Que existem pessoas a lucrar mais que outras. As crianças, sabendo que aqueles adultos quando se encontram não arranjam outro assunto para falar senão o dinheiro que deveria ser seu, as mansões mal divididas e as partes das empresas que seriam suas, decidem arranjar um plano para porem fim a esse assunto.

À frente desse plano encontra-se Cadence que decide avançar essencialmente por Gat, um rapaz que praticamente é ignorado pela família, sendo que esta decide que este praticamente não existe. Não sendo filho de sangue e pertencendo à "plebe", Gat sabe que as suas origens diferentes o fazem vê-lo quase como um dos empregados e não como membro pertencente da família. Não sendo da mesma nacionalidade que a família Sinclair, o pai desde não pode casar com a mulher que ama (uma Sinclair), pois tal poderá fazer com que o chefe da família não a inclua no testamento.

Este livro supreendeu-me imenso. Achei-o muitíssimo melhor do que esperava. A escrita da autora é muito fluída e leve, mesmo tratando de assuntos sérios, como os que este livro aborda. A juntar a isso, a própria história foi uma surpresa. Uma história muitíssimo simples, que acaba por se revelar uma surpresa essencialmente pelo estilo de escrita da autora. Sim, a escrita é o que faz o livro. Faz-nos sentir a urgência de Cadence de saber o que lhe acontecera, faz-nos compreender a adoração que esta tinha pelos seus amigos essencialmente por Gat, por quem tinha desenvolvido uma grande paixão.

É um livro que aborda muitos assuntos sérios. O perdão, a perda, o amor e a família. Este último é um dos pontos mais importantes, sendo um dos grandes motores de todo o livro, guiando-nos através da ação até chegar ao derrateiro momento do livro. Um momento de perdão que foi muitíssimo importante e que explicara tudo o que estava a ocorrer no livro. Um final perfeito e que adorei!

Aconselho sem reservas, tendo sido um livro que me prendera do início ao fim. E não se esqueçam, se alguém lhe perguntar como acabar este livro… MINTA.

0 devaneios :