Quem sou eu?

A minha fotografia

Anteriormente conhecida como v_crazy_girl, a 30 de Agosto de 2014 essa conta foi apagada, tendo assim decidido criar algo mais pessoal e próprio para o blogue literário de longa data.

Na Mesa de Cabeceira...

Na Mesa de Cabeceira...
"Se Conhecessem a Minha Irmã..." de Michelle Adams

Passatempo

Passatempo
Até 3 de Setembro

Seguidores

Com tecnologia do Blogger.

Facebook

Arquivo do Blogue

domingo, 28 de dezembro de 2014
Autora: Jenny Han
Edição/reimpressão: 2014
Páginas: 272
Editor: TopSeller
ISBN: 9789898800008

Sinopse:
«Guardo as minhas cartas numa caixa de chapéu verde-azulada que a minha mãe me trouxe de uma loja de antiguidades da Baixa. Não são cartas de amor que alguém me enviou. Não tenho dessas. São cartas que eu escrevi. Há uma por cada rapaz que amei — cinco, ao todo.
Quando escrevo, não escondo nada. Escrevo como se ele nunca a fosse ler. Porque na verdade não vai. Exponho nessa carta todos os meus pensamentos secretos, todas as observações cautelosas, tudo o que guardei dentro de mim. Quando acabo de a escrever, fecho-a, endereço-a e depois guardo-a na minha caixa de chapéu verde-azulada.
Não são cartas de amor no sentido estrito da palavra. As minhas cartas são para quando já não quero estar apaixonada. São para despedidas. Porque, depois de escrever a minha carta, já não sou consumida por esse amor devorador. Se o amor é como uma possessão, talvez as minhas cartas sejam o meu exorcismo. As minhas cartas libertam-me. Ou pelo menos era para isso que deveriam servir.»


Opinião:
Sabem aqueles livros que vêem a capa e querem ler e lêem a sinopse e mudam de ideias? Admito que foi isso que me aconteceu. Este foi um daqueles livros que quando saiu e percebi que era young adult quis de imediato ler. Adoro esse género literário e dentro do estilo a TopSeller não me tem desiludido, por isso... o que poderia correr mal? Mas a sinopse deixou um pouco a desejar. Parece tão profunda e filosófica e tinha medo que esse estilo se reflectisse em toda a narrativa. O que não acontece de forma alguma, antes pelo contrário.

Lara Jean é uma pessoa muito tímida e que não tem jeito algum para falar dos seus sentimentos. Agora escrevê-los já é outro caso. Sendo uma pessoa extremamente romântica, já teve diversos amores platónicos, pessoas que conhecia, outras que apenas falara umas horas na vida. Tudo casos que a atingiram diretamente no coração e que a deixam sempre a sofrer sozinha. De forma a distanciar-se dessa dor escreve tudo o que sente numa pequena carta, que não chega sequer a enviar, e guarda-a numa caixa escondida de olhares curiosos.

Qual não é a sua surpresa quando um dia um dos rapazes de quem havia gostado a vem confrontar com a tal carta!? Lara não podia ficar mais chocada, mas o pior de tudo não é apenas a pessoa que a tinha confrontado, era que Lara já tinha gostado do seu melhor amigo e (ex)namorado da sua irmã mais velha! Como poderia descobrir que a carta já tinha sido lida? E como poderia reagir se o pior já tivesse acontecido?

Este livro surpreendeu-me. Tal como referi fiquei um pouco de pé atrás com o tom da sinopse. Parecia ser um livro demasiado profundo e filosófico, com um estilo de escrita que não era o meu favorito, mas acabei por não resistir e comecei a lê-lo e ainda bem que o fiz. Li-o em apenas uma noite, não o consegui largar enquanto não descobri o que ia acontecer a Lara e devo dizer que quero rapidamente o próximo livro da coleção!! Gostei imenso da personalidade de Lara, cheia de dúvidas e dilemas mas sem ser irritante como muitas personagens com estas características são. A sua relação com Peter, o rapaz que a confrontara com a carta, foi a melhor parte do livro. Foi uma relação que se foi desenvolvendo lentamente e adorei a personalidade de Peter. É o típico rapaz popular que acaba por se revelar algo mais. Um rapaz que acaba por fazer uma combinação idiota com Lara mas que acaba por gostar mais dela do que como uma simples amiga.

Sim, como podem ver as personagens são as típicas de romance adolescente, mas o tom de toda a história e o pormenor engraçado das cartas, acabam por ser o fio condutor de toda a ação. Apesar de achar que o romance entre Lara e Peter pudesse ter avançado mais, compreendi que isso dificultava a relação entre Lara e o antigo namorado da irmã e a autora quis tratar de cada relação devagar. Espero que no próximo livro a relação entre Lara e Peter seja mais aprofundada.

Recomendo, foi um livro que li rapidamente e que adorei!

2 devaneios :

Isaura Pereira disse...

Olá!

Já vi várias referências a este livro!
Parece interessante!

Boas leituras!

Vanessa Montês disse...

Eu gostei muito, tem que experimentar lê-lo! :)

Beijinhos* e boas passagens!