Quem sou eu?

A minha fotografia

Anteriormente conhecida como v_crazy_girl, a 30 de Agosto de 2014 essa conta foi apagada, tendo assim decidido criar algo mais pessoal e próprio para o blogue literário de longa data.

Na Mesa de Cabeceira...

Na Mesa de Cabeceira...
"Desejo Concedido" de Megan Maxwell

Passatempo

Passatempo
Resultados!

Seguidores

Com tecnologia do Blogger.

Facebook

Arquivo do Blogue

terça-feira, 27 de outubro de 2015
Autora: Pearl S. Buck
Edição/reimpressão: 2015
Páginas: 304
Editor: Elsinore
ISBN: 9789898626400

Sinopse:
Sou suficientemente americana, talvez, para querer casar-me contigo passando por cima de tudo aquilo que sou, mas, ai de mim, chinesa que baste para saber que devo ponderar.
Que pode o conhecimento dos livros contra a experiência íntima da vida? Randolph, jovem de extraordinária criatividade, parece ter um destino traçado para o êxito. Nascido nos Estados Unidos, parte pela Europa e Ásia com o desejo de descobrir o mundo vivendo-o, numa sede interminável de sabedoria.
Numa estadia em Paris, o seu caminho cruza-se com o de Stephanie. Filha de pai chinês e mãe norte-americana, também ela procura compreender e encontrar um lugar que seja seu, dividindo-se entre duas culturas aparentemente opostas. Separados durante longos intervalos e assim entregues aos seus fantasmas pessoais, preparam-se os dois para descobrir que se pode conciliar o conhecimento e a experiência, bem como as heranças ocidental e oriental, mas isso terá um preço…
Décadas depois da sua morte, em 1973, a recente descoberta do manuscrito de A Eterna Demanda, agora editado, revela-nos aquele que talvez seja o trabalho mais pessoal de Pearl S. Buck, nesta sua derradeira obra, uma comovente exploração da identidade que forjamos para nós próprios e para os outros.
O romance perdido, agora redescoberto, de uma das mais amadas escritoras norte-americanas


Opinião:
Admito... comecei a ler este livro por Pearl S. Buck ter ganho o nobel da literatura. Tenho sempre curiosidade pelos nóbeis, embora quase sempre estes me desiludam. É verdade, costumam ser livros com uma escrita diferente e própria e histórias que têm muito sentimentos e lições a dar, mas são livros por norma cansativos, fortes e que se têm que digerir bem.

Randolph, ou Ran como é conhecido, é o nosso narrador ao longo de toda a narrativa. Um narrador que desde o útero da mãe sabe que é diferente de todos aqueles em seu redor, sabe que algo o distingue dos demais. Desde criança que Ran era curioso, queria sempre saber mais e o conhecimento era o seu melhor, e talvez, único amigo. Para além de extremamente inteligente, Ran era um tanto ou quando literal, levando todas as conversas que tinha com aqueles em seu redor a um ponto que que expressões ou comparações tinham que ser muito bem pensadas. Inicialmente a única pessoa que conseguia interagir com ele era o pai, o que levava a mãe à loucura, chegando mesmo a entristecê-la, mas, infelizmente, o pai falecera cedo, deixando Ran sozinho com uma mãe que por mais que fizesse, nunca conseguia entrar em contacto com o filho.

Ran cresce, aprende e desenvolve-se e é esse processo de crescimento e aprendizagem que acompanhamos ao logo de toda a narrativa. Ran é uma pessoa diferente das outras. sabe-se inteligente e tem como objetivo usar essa inteligência para mudar o mundo em seu redor, tornando-o em algo melhor. Tendo tido a oportunidade de entrar cedíssimo na universidade, essa e outras são provas da sua inteligência, provas que não o fazem sentir-se e mostrar-se superior, pois Ran sabe como é e tem noção do seu grande conhecimento, não sendo necessário prová-lo para ele saber que o tem.

O autor tem uma escrita muito própria e mesmo bonita. Achei a escrita e as descrições muito belas, especialmente os pensamentos de Ran enquanto este pensava como é importante usar a inteligência para tornar o mundo um lugar melhor. Tem partes muitíssimo bonitas, mas também tem partes muitíssimo confusas em que eu não compreendia bem o que se estava a passar. Agora se tal é culpa minha, da escrita do autor ou por este livro não ter tido revisão alguma e ser apenas um manuscrito do autor já falecido, não sei.

Um livro que pode tocar cada uma à sua maneira, mas que acaba por ser um pouco confuso, apesar de conter umas passagens muito bonitas.

0 devaneios :