Quem sou eu?

A minha fotografia

Anteriormente conhecida como v_crazy_girl, a 30 de Agosto de 2014 essa conta foi apagada, tendo assim decidido criar algo mais pessoal e próprio para o blogue literário de longa data.

Na Mesa de Cabeceira...

Na Mesa de Cabeceira...
"O Amor que Nos Une" de Megan Maxwell

Passatempo

Passatempo
Resultados!

Seguidores

Com tecnologia do Blogger.

Facebook

Arquivo do Blogue

sexta-feira, 15 de janeiro de 2016
Autora: Jennifer Niven
Edição/reimpressão: 2015
Páginas: 384
Editor: Nuvem de Tinta
ISBN: 9789898775788

Sinopse:
Violet Markey vive para o futuro e conta os dias que faltam para acabar a escola e poder fugir da cidade onde mora e da dor que a consome pela morte da irmã. Theodore Finch é o rapaz estranho da escola, obcecado com a própria morte, em sofrimento com uma depressão profunda. Uma lição de vida comovente sobre uma rapariga que aprende a viver graças a um rapaz que quer morrer. Uma história de amor redentora.


Opinião:
Este livro foi mais um que me conquistou por causa da capa. Acho-a gira e é daquelas que eu passo na livraria e penso de imediato que tenho ali alguma coisa que poderá ser engraçada e interessante. Por esse motivo não resisti a começar a lê-lo assim que lhe pus as mãos em cima. Tenho que admitir que não me prendeu tanto quanto eu gostaria e que por vezes achava a narrativa demasiado estranho e diferente do normal. Mas isso não me impediu e comecei a lê-lo.

Violet vive agora uma vida infeliz e sem alegria alguma. A sua irmã e melhor amiga havia falecido, algo por que Violet se culpava internamente. Meses já se tinham passado, mas isso não impedira Violet de se sentir triste e abandonada. Ninguém parece compreender a sua dor e odeia como todos a começam a tratar cheia de paninhos quentes, como se te repente fosse ela que tivesse falecido e não a irmã. Sempre fora a menina popular e apesar de a vontade de o ser tenha desaparecido, os amigos continuam a preocupar-se com as mesmas coisas que antigamente o que agora, para ela, parece algo banal e inútil. Apesar disso, essa popularidade é o verdadeiro esconderijo de Violet para todos os seus sentimentos.

Num dia que decide estar farta da sua vida, acaba por tentar suicidar-se, sendo impedida por Theodore, um rapaz viciado na morte e que pensa também constantemente em pôr o fim à vida. Um rapaz que sempre sofrera em silêncio, por vezes sem ele próprio saber. Abandonado pelo pai desde cedo, pertencia mesmo assim a uma família numerosa.

Muito sinceramente este livro não me puxou, não me prendeu e não me surpreendeu. O que o livro tem de bom é a excelente caraterização de Theodore. A autora faz-nos uma visita à sua mente, à sua maneira de ver as coisas. Comecei mesmo a gostar desta personagem, essencialmente porque é diferente de muitas outras que encontramos na literatura. Theodore tem uma grave depressão e o que, pelo menos me pareceu, uma grave bipolaridade. São doenças com que aprendeu a sobreviver, mas que constituem um quotidiano difícil. Assim temos acesso a diferentes facetas de Theodore. Divertido, irónico, depressivo e com grande inclinação para a morte, estando constantemente a pensar em suicídio e em como poderia cometê-lo.

Já Violet foi uma personagem que se perdeu ao longo do livro. A única coisa que compreendi verdadeiramente sobre ela é que ao tentar cometer suicídio, acaba por conhecer Theodore e todos na escola achavam que ela o tinha salvo do suicídio e não o contrário, sendo ela um herói durante todo o ano letivo. De resto, não fiquei a saber muito mais sobre ela. Talvez por a exploração à personagem de Theodore ter sido tão boa, esta se tenha perdido pelo caminho, ou algo do género. É que durante toda a narrativa há falta de algo. Não sei bem dizer o quê, mas Violet apenas existe, mas não encanta o leitor nem fica a fazer parte da sua vida...

Tal como referi, não foi um livro que tivesse gostado particularmente. Achei-o fraco e a única coisa que o salvou foi a excelente caracterização da personagem de Theodore.

0 devaneios :