Quem sou eu?

A minha fotografia

Anteriormente conhecida como v_crazy_girl, a 30 de Agosto de 2014 essa conta foi apagada, tendo assim decidido criar algo mais pessoal e próprio para o blogue literário de longa data.

Na Mesa de Cabeceira...

Na Mesa de Cabeceira...
"Se Eu Fosse Tua" de Meredith Russo

Passatempo

Passatempo
Resultado!!

Seguidores

Com tecnologia do Blogger.

Facebook

Arquivo do Blogue

segunda-feira, 23 de maio de 2016
Autora: Rosanna Ley
Edição/reimpressão: 2016
Páginas: 432
Editor: Porto Editora
ISBN: 978-972-0-04807-3

Sinopse:
Eva Gatsby interrogou-se inúmeras vezes sobre o passado do avô, Lawrence Fox, e o que teria exatamente acontecido na Birmânia, quando ele ainda jovem ali viveu. Eva dedica-se à restauração de antiguidades e os patrões propõem-lhe uma viagem de trabalho àquele país - sobre o qual o avô desde sempre lhe contara histórias fascinantes. É então que Lawrence decide quebrar o silêncio e finalmente falar-lhe do grande amor da sua vida, Maya, a mulher que nunca esqueceu. Numa tentativa de sarar as feridas do passado, confia a Eva uma missão que se revelará de contornos imprevisíveis.
Eva inicia, assim, uma jornada que irá reconstruir o mosaico da história da família e que em simultâneo a obrigará a confrontar-se com a sua capacidade de voltar a acreditar no amor.
Em Regresso a Mandalay, Rosanna Ley descreve-nos as paisagens, os aromas inebriantes dos mercados, das ruas e as fragâncias dos jardins, com tal mestria que nos transporta para os cenários mágicos da Terra Dourada.


Opinião:
Este foi um livro, que mais uma vez, me prendeu pela capa. Quem segue este blogue sabe que eu sou extremamente influenciável pelas capas dos livros e por vezes apenas os adquiro por causa dela. E este foi um desses exemplos. Ainda não tinha lido a sinopse e já queria o livro simplesmente por causa da capa.

Eva é uma perita de arte. Consegue detetar uma falsificação à distância e apesar de o trabalho atual ser o mais perto que já deve de algo em que pode aplicar os estudos, quer algo mais do que ser uma simples secretária. Enquanto pensa nessa infelicidade que se tornara a sua vida, a sorte decide sorrir-lhe, e a sua chefe pede-lhe para ir à Birmânia fazer aquilo que sempre quisera. Ver toda a arte que pode e comprar aquela que acha que renderá bom dinheiro à pequena galeria de arte. Para Eva não é apenas uma oportunidade de utilizar os seus conhecimentos. É também uma oportunidade de conhecer a Birmânia, onde o avô afirma ter passado os melhores momentos de toda a sua vida.

O avô de Eva vivera na Birmânia durante a guerra e a verdade é que desde que regressara a casa a família de Eva desfizera-se e nunca mais fora a mesma. Quando descobre que a neta vai regressar para o lugar que considera o paraíso na terra, pede-lhe para entregar um antigo artefacto a uma senhora que ele conhecera durante a guerra. É aí que Eva começa a compreender que o passado do avô tem mais segredos do que ele admite, enquanto descobre a beleza que uma terra ainda afetada pela guerra.

Admito que adorei este livro não pelo romance em si, mas pelas descrições maravilhosas que me fizeram sentir naquela mesma terra, levando-me, mal larguei o livro, a pesquisar mais sobre ela e o seu passado e presente. Todas as descrições da autora apontavam para o paraíso na terra, algo que admito que me surpreendeu e prendeu. A narrativa tem diversas vozes e ao longo desta vamos vendo diversas perspectivas da mesma história, uma história que atravessa os séculos e em que o passado apanha o presente e o afecta fortemente.

As personagens principais são interessantes, mas de todas as histórias cruzadas, sem dúvida alguma que a melhor era a do avô de Eva e da amante. É uma história sobre amor, perda e redenção que acaba por colocar o romance de Eva totalmente a um canto.

É uma história com descrições lindíssimas e de toda a narrativa essas foram as principais passagens que me ficaram em mente. Um bom livro para quem gosta de viajar, literalmente, pelas páginas que tem à sua frente.

0 devaneios :