Quem sou eu?

A minha fotografia

Anteriormente conhecida como v_crazy_girl, a 30 de Agosto de 2014 essa conta foi apagada, tendo assim decidido criar algo mais pessoal e próprio para o blogue literário de longa data.

Na Mesa de Cabeceira...

Na Mesa de Cabeceira...
"A Química do Amor" de Emily Foster

Passatempo #1

Passatempo #1
Até 24 de dezembro

Passatempo #2

Passatempo #2
Até 27 de dezembro

Seguidores

Com tecnologia do Blogger.

Facebook

Arquivo do Blogue

terça-feira, 25 de outubro de 2016
Autora: Rainbow Rowell
ISBN: 9789897101229
Edição ou reimpressão: 01-2015
Editor: Edições Chá das Cinco
Páginas: 336

Sinopse:
Dois inadaptados. Um amor extraordinário.
Eleanor... é uma miúda nova na escola, vinda de outra cidade. A sua vida familiar é um caos; sendo roliça e ruiva, e com a sua forma estranha de vestir, atrai a atenção de todos em seu redor, nem sempre pelos melhores motivos.
Park... é um rapaz meio coreano. Não é propriamente popular, mas vestido de negro e sempre isolado nos seus fones e livros, conseguiu tornar-se invisível. Tudo começa a mudar quando Park aceita que Eleanor se sente ao seu lado no autocarro da escola.
A princípio nem sequer se falam, mas pouco a pouco nasce uma genuína relação de amizade e cumplicidade que mudará as suas vidas. E contra o mundo, o amor aparece. Porque o amor é um superpoder.


Opinião:
Nunca tinha lido nada desta autora. Mas cada vez mais livros seus eram publicados e eu vi-a todas as livrólicas desejosas de lhes pôr as mãos em cima. Como é natural isso só abre ainda mais o apetite e foi com esse apetite que comecei a ler este livro, adorando tudo o que encontrei e li.

Eleanor odeia o seu cabelo. Odeia toda a roupa que usa. Odeia ter que esconder tudo sobre si, não podendo ser livre como todos os outros miúdos. Afinal de contas, o que dirias se te aparecesse uma pessoa à frente com a cara cheia de borbulhas, dente tortos, o cabelo mais rebelde e ruivo do mundo e todo esse desastre caminhasse em cima de um corpo fraquinho e extremamente magro vestido com roupas velhas e rasgadas que ora estão muito largas ou muito apertadas?

Já Park é a calma em pessoa. Pelo menos por fora, pois por dentro temos um rapaz com uma forte opinião e extremamente inteligente. Fã de bandas desenhadas, era gozado por ter "olhos em bico", mas conseguia passar bem por cima das críticas, ignorando-as em grande parte dos casos.

Eleanor é nova na cidade e por pena, Park deixa-a sentar-se ao lado de si no autocarro. E é aí que começamos a ver a história entre estes dois personagens tão peculiares a desenvolver-se. E lemos essa história do ponto de vista de ambos. Adorei esse detalhe, de a história ser dita duas vezes de formas totalmente diferentes. As razões das ações de um e a reação do outro personagem a essa ação completam-se e foram o verdadeiro doce neste livro.

À medida que ia entrando na história ia ficando cada vez com mais pena de Eleanor. Tinha uma vida horrível que tentava a todo o custo aguentar. Cuidava de quem devia cuidar de si e guardava toda a frustração e choro para si. Acabou por descobrir através de Park uma família extremamente funcional e que adorava o filho que tinha. Inicialmente era um livro sobre dois inadaptados. Ao longo da narrativa descobrimos que um assim o é por ter uma família extraordinariamente disfuncional  e outro por ter a família perfeita.

Um livro que adorei e que acho uma leitura obrigatória. Agora compreendo a adoração por esta autora.

0 devaneios :