Na Mesa de Cabeceira...

Na Mesa de Cabeceira...
"O Dia em que Perdemos a Cabeça" de Javier Castillo

Passatempo

Passatempo
Até 28 de fevereiro!

Seguidores

Com tecnologia do Blogger.

Facebook

Arquivo do Blogue

terça-feira, 11 de setembro de 2018
Autor: Matt Haig
ISBN: 9789898869821
Edição ou reimpressão: 04-2018
Editor: TopSeller
Páginas: 320

Sinopse:
E se a terra fosse o planeta mais absurdo do universo? O professor Andrew Martin, génio matemático, acaba de descobrir a chave para os maiores mistérios do Universo.
Ninguém sabe do salto que isto representará para a Humanidade… exceto seres evoluídos de outro planeta. Determinados a impedir que esta revelação caia nas mãos de uma espécie tão primitiva quanto os humanos, estes seres enviam um emissário para destruir as provas. E é assim que um alien intruso, completamente alheio aos costumes, chega à Terra. Rapidamente, ele descobre que os humanos são horrendos e têm hábitos ridículos — comida dentro de embalagens, corpos dentro de roupas e indiferença por trás de sorrisos… Esta espécie não faz sentido!
Durante a sua missão, sob a pele e identidade de Andrew Martin, este alien sente-se perdido e odeia todos os terráqueos. Exceto, talvez, Newton, um cão. Contudo, quanto mais se envolve com os que o rodeiam mais fica a perceber de amor, perda, família; e de repente está contagiado: será que afinal há qualquer coisa de extraordinário na imperfeição humana?


Opinião:
Um livro diferente, que acabei e fiquei sem saber o que achar... Gostei muito? "Apenas" gostei? Foi um livro estranho, que inicialmente me fez torcer o nariz mas que acabou por se entranhar. Um livro que de uma forma engraçado e muitíssimo diferente do normal nos fala sobre a vida, as emoções que todos nós humanos temos e como isso nos torna tão "nós".

Do nada Andrew começa a agir de forma muito esquisita. É mais amoroso para a esposa, o filho começa a achar esquisito o pai preocupar-se tanto com ele, e até a amante acha que ele a está a ignorar! Isto porque na realidade Andrew já não é ele próprio, apenas a "carapaça", estando dentro dele um alien que para salvar a galáxia tem que impedir que todos saibam da descoberta matemática mais importante dos últimos tempos! Descoberta pelo Andrew verdadeiro.

Este é um livro que tem um fundo de história muito simples e muito estranho, mas que o importante nela é o desenvolvimento, a descoberta do alien de porque é que os humanos, um povo tão minúsculo, abaixo da média de inteligência de todo o universo e uns seres que estão sempre deprimidos e preocupados com tudo, continuam a lutar com unhas e dentes para viverem e serem felizes. Porque é que estes seres teimam em ter sentimentos e em preocupar-se com outros, algo que para o alien e os seus pares é gasto de tempo.

Enquanto busca essas respostas, diversas personagens da vida do verdadeiro Andrew acabam por deixar marca no alien e este percebe que o grande génio matemático não era de todo um génio na sua vida familiar, ignorando amigos, traindo a mulher, não querendo saber do filho... Inicialmente as pessoas apenas notam como ele está esquisito e o único ser que realmente sabe que aquele não é Andrew é o cão de estimação da família! Algo que é muito referido quer na sinopse quer na capa mas que no livro é apenas um facto, nada mais que isto e admito que estava à espera de mais interação alien vs cão.

Um livro que me deixou confusa sem saber o quanto gostei do livro, apenas que gostei. A história é simples mas a lição por trás é enorme e valiosa.

0 devaneios :