Quem sou eu?

A minha foto

Anteriormente conhecida como v_crazy_girl, a 30 de Agosto de 2014 essa conta foi apagada, tendo assim decidido criar algo mais pessoal e próprio para o blogue literário de longa data.

Na Mesa de Cabeceira...

Na Mesa de Cabeceira...
"Um Dia em Dezembro" de Josie Silver

Passatempo

Passatempo
Resultado!

Seguidores

Com tecnologia do Blogger.

Facebook

Arquivo do Blogue

quinta-feira, 6 de setembro de 2018
Autora: Amy Harmon
ISBN: 9789898917195
Edição ou reimpressão: 07-2018
Editor: TopSeller
Páginas: 368

Sinopse:
Em cada vida salva, um pequeno ato de rebelião…
1933. Angelo Bianco chega a Florença e é recebido pela família de Eva Rosselli. Os dois crescem juntos, ele católico, ela judia. Com o passar dos anos, a amizade que os une torna-se num amor impossível que desafia as crenças de ambos. Mas Angelo sabe que tem de seguir a sua vocação.
Agora, dez anos depois, Angelo é um padre católico e Eva está em risco de ser deportada, e precisa da sua ajuda. Após a chegada da Gestapo, Angelo esconde Eva num convento, onde muitos judeus estão a ser protegidos pela Igreja. Até que chega o dia em que nem o Vaticano consegue enfrentar os nazis.
Com a guerra e a morte iminentes, Angelo e Eva ajudam aqueles que foram despojados de tudo, colocando as suas vidas em risco todos os dias. E é ao tentar o destino e a sorte, que Angelo enfrenta a decisão mais difícil de todas para proteger a mulher que sempre amou. 
… em cada luta, um ato de humanidade.


Opinião:
Esta capa é maravilhosa... a sinopse chama de imediato a atenção... e as críticas que se encontram na internet prometem um livro cinco estrelas e que não se consegue largar. Todos estes fatores levaram a que eu não conseguisse dizer que não a este livro e a que o tivesse que ler de imediato mal lhe pus as mãos em cima.

Angelo é enviado para Itália após a morte da mãe e aí é criado por uma família judia italiana, algo que lhe desperta a atenção pois Angelo é cristão e desde pequeno que tinha a ideia de ingressar na igreja. A família que o acolhe tem uma filha da sua idade, Eva, uma rapariga faladora, divertida e que não larga Angelo por nada deste mundo, pois quer que este brinque consigo e saber porque é que está sempre tão triste. Depois de Eva partir as primeiras muralhas até ao coração de Angelo, eles tornam-se os melhores amigos, nunca se largam e adoram estar um com o outro. Uma amizade que tem algo mais, algo que é inalcançável devido à decisão de Angelo de se tornar padre, entregado-se assim à igreja.

Mas de um momento para o outro este deixa de ser o problema principal da vida de ambos, quando a vontade nazi começa a aproximar-se de Itália e do próprio Vaticano. Angelo toma uma decisão que acredita ser o melhor para todos para os proteger nesta difícil altura, mas a vontade de Eva ser útil para algo mais torna os seus dias cada vez mais perigosos e difíceis.

Todos sabemos como esta altura foi uma época negra da história mundial. Um tema muito utilizado em romances, quer estes sejam biográficos ou inspirados nos factos dessa época. E é um tema que me desperta a atenção, pela negrura dessa altura e a esperança e coragem que muitas pessoas tinham.

Neste romance temos uma outra abordagem à história, pois não se fala diretamente da Alemanha, mas sim da Itália "conquistada" pelas políticas nazis, mais concretamente dos italianos judeus e de todos aqueles que os ajudavam, por vezes não judeus. Vemos como a igreja estava também de mãos atadas mas mesmo assim tentavam ajudar das maneiras que podia e é aqui que Angelo e a sua perna entram. Angelo tinha uma perna manca e numa altura em que muitos soldados desertavam e se mascaravam de pessoas do clero, essa perna ajudava a que acreditassem que Angelo era realmente um pobre padre e não um desertor, o que lhe permitiu ajudar imenso nesta altura difícil.

Já Eva, sendo uma pessoa inteligente e com bom ensino, conseguia fingir não ser judia e assim usar os seus conhecimentos para outras causas.

Adorei a escrita da autora. Esta época é negra e terrível, e a autora conta as coisas de forma directa, crua e negra, mas de uma forma que o leitor lê rapidamente, sentindo leveza na sua escrita apesar de ser algo tão "direto" e real, algo que me surpreendeu pela positiva. O romance entre as personagens foi outra coisa que me surpreendeu. Um romance que num tempo tão negro consegue ser tão sincero e inocente, algo puro no meio de toda aquela balburdia e confusão.

Adorei este livro e adorei conhecer esta autora. Espero que a editora consiga apostar mais nela, pois amei esta estreia! Recomendo sem reservas!

0 devaneios :