Quem sou eu?

A minha fotografia

Anteriormente conhecida como v_crazy_girl, a 30 de Agosto de 2014 essa conta foi apagada, tendo assim decidido criar algo mais pessoal e próprio para o blogue literário de longa data.

Na Mesa de Cabeceira...

Na Mesa de Cabeceira...
"O Amor que Nos Une" de Megan Maxwell

Passatempo

Passatempo
Resultados!

Seguidores

Com tecnologia do Blogger.

Facebook

Arquivo do Blogue

domingo, 28 de agosto de 2011
De Nicole Jordan
N.º Páginas: 416
ISBN: 978-972-20-4799-9
Uma noite de paixão. Um amor que poderia durar para sempre…
Para evitar casar-se com um homem com o dobro de sua idade, Lady Aurora Demming viaja, com o seu primo, para as colónias. Ali conhece Nicholas Sabine, capitão de um navio acusado de traição e pirataria que foi condenado a morrer na forca no dia seguinte. No primeiro momento que vê os seus olhos, tenta salvá-lo, embora pouco possa fazer na sua posição. Mas Nicholas a deixará assombrada quando lhe pede um estranho favor: que se case com ele, para ser sua viúva, e cuidar da sua irmã mais nova já que, no momento em que o executarem, ficará sem ninguém para a cuidar. Aurora aceita, em parte intrigada por este homem e em parte para poder evitar o casamento arranjado. Mas esta união não só é um acordo, precisa de se consumar para evitar que possa ser anulada. Assim ambos serão marido e mulher durante um dia… E uma gloriosa noite. Uma vez viúva, Aurora retorna a Londres com a irmã de Nicholas sob seu cuidado, a fortuna que herdou do seu falecido marido e muitas lembranças da noite que passaram juntos. Mas o que ninguém sabe é que Nicholas não morreu. Com a ajuda do primo de Aurora conseguiu evitar a forca e esconder-se. Agora, regressado, insistirá para que Aurora honre os seus votos… Atormentando-a nos seus sonhos com promessas de um desejo proibido."


Nicole Jordan, autora best seller internacional de inúmeros romances históricos e arquitecta de contos de deleite que fazem o leitor ferver de paixão e sensualidade. Nicole cresceu num ambiente militar, o que a levou a sofrer várias deslocações. Frequentou o Ensino Secundário na Alemanha e mais tarde diplomou-se em Engenharia Civil no Georgia Tech. Actualmente, vive nas Montanhas Rochosas do Utah, com o seu marido e os seus cavalos. Autora de mais de duas dezenas de romances históricos e de cinco milhões de livros impressos, com enredos de épocas e locais diversos, Nicole tira agora prazer da escrita nos ambientes excitantes e envolventes de amantes da alta sociedade em jogos de sedução matrimoniais. Um dos seus romances teve a honra de ter despertado a atenção humorística de Jay Leno no The Tonight Show.


 
De Rosa Luna
N.º Páginas: 176
ISBN: 978-972-20-4776-0

Quando te vi pela primeira vez, imaginei o nosso casamento, o meu vestido, o nosso beijo. Senti-me a tua princesa.
Mariana nasceu sete minutos depois de Rosa Maria. A sua vida estava destinada a ser pequena e esquecida, com um namorado sem dinheiro que ainda vivia com a mãe. Num finca-pé pouco habitual, Mariana conseguiu tirar um curso administrativo, um de inglês e outro de francês e começou a trabalhar numa grande empresa. Era a Mariana ao fundo da sala, competente mas sem história. Tudo se transforma com a chegada do filho do patrão, Diogo Vargas, um homem estonteante, bem vestido, perfumado, com um sorriso irresistível. Ainda não tinham trocado uma palavra e Mariana já imaginara o casamento, os filhos, o sexo extraordinário. Nada seria possível sem uma autêntica revolução. Esta chega pelas mãos de umas amigas – um par de lésbicas bem-dispostas e atrevidas – que obrigam Mariana a mudar o visual. Radicalmente. O patinho feio torna-se um cisne com cabelo assimétrico, roupa de oulet e sapatos com cunha. Depois? Diogo repara na Mariana ao fundo da sala e vão jantar. Nada corre como seria de esperar. Ou será que Mariana conseguirá o seu sonho? Uma coisa é certa: o amor não escolhe nem tempo, nem lugar.
.

Rosa Luna é chilena, vive em Boston há mais de 20 anos e nunca se casou. Teve, como afirma, casos amorosos que lhe devolveram ou roubaram a alma. Nasceu em 1956. Teve um acidente de viação aos 12 anos e mantém-se, desde então, numa cadeira de rodas. Diz que o verbo desistir não se aplica ao dicionário da sua vida. Ao mesmo tempo, por razões pessoais, recusa-se a fazer lançamentos ou a dar entrevistas pessoalmente, apenas por escrito. Diz ela: «O que importa são os livros. Nada do que eu diga fará diferença.» Começou a escrever no âmbito de uma oficina de escrita criativa, um curso de verão num universidade local, e nunca mais parou. Rosa Luna publicou dois livros anteriormente, mas apenas este, «Só te amo até terça-feira», está traduzido na Europa.

 
De Jo Nesbo
N.º Páginas: 476
ISBN: 978-972-20-4775-3

Oslo sufoca no calor de verão, quando uma jovem é assassinada no seu apartamento. Um dedo é-lhe cortado, e um minúsculo diamante vermelho com o formato de um pentagrama – uma estrela de cinco pontas – é encontrado debaixo da sua pálpebra. O detetive Harry Hole é designado para investigar o caso com Tom Waaler, um colega de quem ele não gosta e em quem não confia. Tom trabalha para um bando de traficantes de armas – e é o assassino da sua antiga parceira. Mas Harry, um alcoólico inveterado, mal consegue aguentar o seu emprego, e a sua única hipótese é aceitar o caso. Cinco dias depois, outra mulher é dada como desaparecida. Quando o seu dedo cortado é encontrado enfeitado com um diamante vermelho com a forma de uma estrela, Harry receia que haja um serial killer à solta. Determinado a encontrar o assassino e a expor o corrupto Tom Waaler, Harry descobre que as duas investigações se fundem de um modo inesperado. Mas perseguir a verdade tem um preço, e em breve Harry dá por si em fuga e forçado a tomar decisões difíceis acerca de um futuro que pode nem viver para ver.


Jo Nesbø já foi comparado a Ian Rankin, Michael Connelly e Henning Mankell. Os seus romances são best sellers por toda a Europa.
Jo Nesbø nasceu em 1960. É músico, compositor, economista e um dos escritores policiais mais elogiados e bem sucedidos da Europa. Já recebeu diversos prémios incluindo o Glass Key, o Riverton Prize, e o Booksellers Prize, e um dos romances da sua série de Harry Hole foi votado pelos leitores noruegueses, como o melhor romance policial de todos os tempos. Nesbø vive em Oslo e é a grande vedeta dos autores escandinavos.



De Filipe Garcia
N.º Páginas: 200
ISBN: 978-972-20-4065-5

A vida de um português ao serviço da Greenpeace.
Manuel Pinto nasceu no Porto, cresceu no Luxemburgo e cedo descobriu o gosto pelas viagens. Tornou-se punk, trabalhou em fábricas e em armazéns de armamento, mas foi quando entrou na Greenpeace que a vida mudou.
Começou por ajudar na manutenção dos barcos da organização e chegou a responsável internacional pela coordenação da frota. Foi agredido e preso, esteve nos protestos contra os ensaios nucleares em Muroroa, combateu os alimentos transgénicos em Lisboa e passou três anos entre índios e perigosos madeireiros na selva amazónica. Hoje, da sede em Amesterdão, acompanha à distância todos os protestos da maior organização ecologista do mundo. Uma vida em português na defesa da Terra.


Filipe Garcia. Há 31 anos que é alfacinha, mas há 16 que se tornou cidadão honorário das praias do Baleal. Depois de estudar no Liceu Camões, licenciou-se em História na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa e especializou-se no CENJOR. Nos jornais, estreou-se em 2001 na redação do Record e passou pelas revistas Focus e Sábado antes de chegar ao Diário Económico. Cobriu as áreas de Desporto, Cultura e Política. Não há livros do Gabriel García Márquez, nem discos do Jimi Hendrix que não tenha, mas ainda está a tentar completar a discografia do John Coltrane. Em pequeno sonhava chegar a grande para ser como o Bob Woodward e… ainda não desistiu.
Em 2010, recebeu o Prémio de Reconhecimento Jornalístico atribuído pela Câmara Municipal de Peniche pelo trabalho «Supertubos que valem milhões».

De Filipa Guimarães
N.º Páginas: 124
ISBN: 978-972-20-4791-3
«A Filipa aprendeu muito nesta travessia do deserto.
Foi uma luta duríssima contra o desemprego e todas as suas nefastas consequências emocionais… Mas, sobretudo, teve a coragem de travar uma luta contra a invisibilidade daqueles que não têm trabalho.
Não permitiu que a tornassem invisível. Li este livro de um trago. Ri-me. Emocionei-me. Franzi as sobrancelhas. Espantei-me. Quando acabei, pensei imediatamente na quantidade de gente na minha vida que precisa de ler este livro. E que também, infelizmente, na quantidade de gente que ainda não sabe… mas que em breve vai precisar. Este livro tão simples, tão cru e corajoso vai reconfortar muita gente. Pessoas «invisíveis» que a Filipa, com a sua imensa sensibilidade, encheu de cor, sons e movimento. Deu-lhes voz.»

Filipa Guimarães nasceu em 1970, em Lisboa. Decidiu que queria ser jornalista aos 10 anos, no dia em que morreu Sá Carneiro, por não saber o que significava a palavra «sabotagem». É licenciada em Comunicação Social, tendo começado por estagiar no jornal A Capital. Depois de três anos na delegação da TVI do Porto, mudou-se para Lisboa, para a SIC. Mais tarde, integrou a equipa fundadora da SIC-Notícias, onde permaneceu até 2005. Saiu para tentar a sua sorte como free-lancer: passou pelo guionismo e apaixonou-se pela ficção. O seu maior sonho é viver da escrita e um dia escrever um road-movie, em Portugal. «Um dia sem rir é um dia perdido» tem sido o seu lema de vida.

 
De Joshua Foer
N.º Páginas: 328
ISBN: 978-972-20-4774-6
Em média, as pessoas dedicam quarenta dias por ano a tentar compensar coisas de que se esqueceram. Joshua Foer era uma dessas pessoas. Mas depois de um ano a treinar a memória, deu por ele na final do Campeonato de Memória dos Estados Unidos. Mas mais importante do que isso, Foer descobriu uma verdade fundamental de que nós muitas vezes nos esquecemos: tudo o que é importante em nós se deve às nossas memórias.
O livro Um Passeio na Lua com Einstein conta com uma investigação inovadora, uma surpreendente história cultural da memória e truques dignos do intercâmbio mental para transformar o nosso entendimento da memória do ser humano. Sob a tutela de «atletas mentais» de grande calibre, o autor aprendeu técnicas milenares, empregues por Cícero na memorização dos seus discursos e por estudiosos da era medieval quando queriam decorar livros por inteiro.
Usando métodos que foram largamente esquecidos, Foer descobre que podemos melhorar drasticamente a nossa memória. Mergulhado obsessivamente numa subcultura peculiar de memorizadores competitivos, Foer aprende a aplicar técnicas que apelam à imaginação assim como à determinação, lembrando que a memorização pode ser tudo menos rotineira.

Joshua Foer nasceu em Waington, DC, em 1982 e vive em New Haven, Conneticut, com a mulher, Dinah. Escreveu para o National Geographic, para as revistas Esquire, Slate, Outside, New York Times e outras publicações. É cofundador da Atlas Obscura, um guia online sobre as maravilhas do mundo e curiosidades. É também cofundador do projeto de arquitetura, Sukkah Cy. Um Passeio na Lua com Einstein é o seu primeiro livro.

De João Paulo Martins
N.º Páginas: 240

VINHOS DE PORTUGAL é considerado o mais respeitado guia de vinhos do país. É publicado há dezassete anos consecutivos. No seu interior pode encontrar a análise de vinhos de todas as regiões devidamente assinalados com notas de prova e classificações, assim como uma criteriosa selecção dos melhores vinhos do ano. Por incluir um glossário de termos de prova e um índice remissivo torna-se muito fácil a sua consulta. Aqui, encontra ainda informações que lhe vão dar uma ajuda quando tiver de seleccionar um vinho para o seu dia-a-dia ou para datas especiais.
Para facilitar a sua escolha, o livro inclui um guia de bolso destacável com uma selecção rápida de alguns vinhos.

João Paulo Martins é jornalista, especializado na área dos vinhos e, nessa qualidade, tem colaborado em vários jornais e revistas, nacionais e estrangeiras. É redactor da Revista de Vinhos e colaborador da Metrópoles, revista editada pela Área Metropolitana de Lisboa. Durante vários anos coordenou também um suplemento anual de vinhos publicado pelo semanário Expresso, jornal onde é actualmente colunista. Desde 1998 que é membro do júri do Concurso Mundial de Bruxelas e tem sido convidado para outros concursos, em Londres – International Wine Challenge –, na África do Sul, Brasil, Madrid e Chile. Tem feito, a convite do ICEP, algumas apresentações de vinhos portugueses no estrangeiro. Publicou o livro Tudo sobre Vinho do Porto. Publica, há 17 anos consecutivos, o guia Vinhos de Portugal – notas de prova, também na Dom Quixote

 
De Maria João Inocêncio
N.º Páginas: 236
ISBN: 978-972-20-4685-5

“O Voo da Borboleta” é uma viagem pelo dia-a-dia de uma rapariga a quem foi diagnosticada, aos 14 anos, uma doença neurológica degenerativa: a neurofibromatose. Maria João Inocêncio conta-nos, com grande coragem e uma lucidez por vezes desarmante, as várias fases pelas quais foi e ainda vai passando: dos exames às dores lancinantes, das operações até aos (muitos) exames de rotina. Mas este é também um livro de muita esperança e fé. Um projecto que nasce a partir de um diário que Maria João começou a escrever avidamente para libertar as suas emoções e angústias, enquanto aguardava que chegassem dias melhores, sem nunca deixar de acreditar nisso. Esta é uma jovem que não deixa ninguém indiferente, nem os amigos nem os médicos, que mostram nestas páginas o grande carinho que sentem por esta doente tão especial. Tal como uma borboleta, a autora sabe que a doença a obriga a transformar-se e a adaptar-se a novos obstáculos e desafios, como por exemplo, a perda da audição e a aprendizagem da Língua Gestual. Neste “vôo” (é, na realidade, muito mais do que um) o leitor é convidado a conhecer uma história de esperança e de humor, de muita dor mas, principalmente, de muitos afectos e coragem.

Maria João Inocêncio nasceu há 20 anos, em Setúbal. Aos 14 anos foi-lhe diagnosticada uma doença neurológica rara e dolorosa: a neurofibromatose. Apesar disso, e ainda adolescente, conseguiu ultrapassar barreiras que a surpreenderam, a ela própria, à família e aos amigos, nos quais se incluem também médicos e pessoal auxiliar. Devido à perda de audição e a uma paralisia no rosto, teve de encontrar outras formas de comunicar. Até agora, a sua principal ferramenta tem sido a escrita, mas já começou a dar os primeiros passos na Língua Gestual Portuguesa. Um enorme amor pela vida e pelos familiares e amigos ajuda-a não só a enfrentar o dia-a-dia com uma coragem que não deixa ninguém indiferente. Sobre ela, costuma citar uma frase que leu, algures: “Creio que todos nós criamos os nossos monstros, os nossos medos e inseguranças. São pensamentos mutiladores. Porém, raramente encontramos pessoas dispostas a partilhá-los.”. Com este livro, Maria João pretende, justamente, quebrar esse silêncio.

0 devaneios :