Quem sou eu?

A minha fotografia

Anteriormente conhecida como v_crazy_girl, a 30 de Agosto de 2014 essa conta foi apagada, tendo assim decidido criar algo mais pessoal e próprio para o blogue literário de longa data.

Na Mesa de Cabeceira...

Na Mesa de Cabeceira...
"O Amor que Nos Une" de Megan Maxwell

Passatempo

Passatempo
Resultados!

Seguidores

Com tecnologia do Blogger.

Facebook

Arquivo do Blogue

terça-feira, 9 de agosto de 2011
Autora: Laurell K. Hamilton
Edição/reimpressão: 2011
Páginas: 368
Editor: Edições Gailivro
ISBN: 9789895577880
Coleção: 1001 Mundos

Sinopse:
Monica Vespucci usava um crachá que dizia "Os Vampiros também são Pessoas". Não era um início de noite prometedor. Tinha cabelo curto, habilmente cortado, e uma maquilhagem perfeita. O crachá devia ter-me alertado para o tipo de despedida de solteira que planeara. Há dias em que sou demasiado lenta a perceber as coisas. "Eu usava jeans negros, botas até ao joelho e uma blusa carmesim, de mangas compridas, para esconder a bainha da faca que trazia no pulso direito, e as cicatrizes no meu braço esquerdo. Deixara a minha arma na mala do carro, pois não achava que a despedida de solteira se pudesse descontrolar por aí além…"


Opinião:
Já tinha ouvido falar desta autora devido a outro livro seu lançado por outra editora em Portugal. E li opiniões positivas quando a esse livro e foi por isso que quando me surgiu a oportunidade de ler algo da autora não resisti!

Anita trabalha essencialmente de noite, combatendo contra vários seres sobrenaturais e acordando mortos das suas campas. Num mundo onde o estranho é aceite, o trabalho de Anita é díficil, perigoso, extenuante mas muito emocionante, sendo deverás produtor do seu ponto de vista.

Num dia como qualquer outro ligam-lhe a convidá-la para a despedida de solteira de uma amiga o que embora não tivesse muita vontade, aceita. Mas percebe que cometeu um erro enorme quando vê para onde a leva essa despedida de solteira. Ao conhecido bar Prazeres Inconfessos, onde seres sobrenaturais trabalham a servir a mesas, a actuar e a encantar os humanos. E o que parecia ser uma simples noite com muita risada e bebedeira, acaba por ser o início de uma aventura onde a vida e a morte contrabalançam perigosamente perto uma da outra.

Sinceramente, este livro foi uma surpresa e se por um lado ao começar a ler as minhas expectativas elevaram-se, por outro lado devido a esse aumento de expectativa senti-me deveras decepcionada ao constantar que o ritmo da história ia diminuindo à medida que lia o livro. Melhor dizendo, não era propriamente o ritmo, pois o que não falta no livro são lutas e afins, mas o aprofundar das personagens não está lá sendo a única personagem minimamente aprofundada Anita e das poucas personagens que nos prende essecialmente devido ao seu grande humor sarcástico...

A escrita da autora não é má, é simples e fluída o que até é bom para este género de livro... mas faltava mais alma no livro.

E outra coisinha... terei sido eu a única a não perceber a que é que a frase da capa ("O que fazer quando o monstro que jurámos matar se converte no homem sem o qual não podemos viver?") se refere? Sim, no livro Anita interage com vários homens... mas nenhum ficou significativamente ligado a ela. Será que esta frase não seria para outro livro da saga? É que neste não deve ser quase de certeza, pois eu pelo menos fiquei indecisa relativamente a dois homens e mesmo assim nenhum deles encaixa na frase!

Resumindo, sim, gostei, mas com o início do livro esperava muito mais... Agora só resta experimentar o próximo livro da saga e logo verei se gostarei mais.

4 devaneios :

Elphaba J. disse...

Eu li o outro livro da autora publicado em PT e adorei... Mas as críticas que tenho lido de "Prazeres Inconfessos" assustam-me! :/

Beijinho*

v_crazy_girl disse...

eu até gostei do livro mas acho que à medida que ia lendo o livro comecei a estar à espera de mais :s embora seja um bom livro para ler nesta altura, com o sol a bater na cara e quando estamos moles demais para ler algo que nos obriga a tomar mta atençao :)

bjs*

Maria João disse...

Já mais de uma vez li a sinopse e estava na dúvida se valia a pena ler ou não. Se calhar não. Será que essa tal frase não deverá ser generalizada: Anita não consegue viver sem as criaturas que jurou matar? Bjs. Maria João

v_crazy_girl disse...

Só se for isso... mas mesmo sendo a frase mais generalizada não fica bem com o que aconteceu no livro :S :)

Bjs*