Quem sou eu?

A minha fotografia

Anteriormente conhecida como v_crazy_girl, a 30 de Agosto de 2014 essa conta foi apagada, tendo assim decidido criar algo mais pessoal e próprio para o blogue literário de longa data.

Na Mesa de Cabeceira...

Na Mesa de Cabeceira...
"A Química do Amor" de Emily Foster

Passatempo #1

Passatempo #1
Até 24 de dezembro

Passatempo #2

Passatempo #2
Até 27 de dezembro

Seguidores

Com tecnologia do Blogger.

Facebook

Arquivo do Blogue

domingo, 15 de julho de 2012
Autora: Karen Marie Moning
Edição/reimpressão: 2012
Páginas: 320
Editor: Saída de Emergência
ISBN: 9789896374075

Sinopse:
Ele era conhecido por todo o reino como Açor, lendário predador de campos de batalha e alcovas. Não havia mulher capaz de recusar o seu toque, mas mulher alguma lhe fizera jamais estremecer o coração — até uma vingativa fada trazer Adrienne de Simone, aos trambolhões, da Seattle dos tempos atuais para a Escócia medieval. Cativa num século que não era o seu, ousada até mais não, sem papas na língua, ela era um desafio irresistível para o conquistador do século XVI. Coagida a casar-se com Açor, Adrienne jurou mantê-lo à distância — mas a sua doce sedução devastou tal resolução. 
Ela tinha um perfeito "não" nos seus perfeitos lábios para o famigerado laird, mas Açor jurou que ela haveria de sussurrar o seu nome com desejo, implorando a paixão que ele ansiava por inflamar dentro dela. Nem mesmo as barreiras do tempo e do espaço o deteriam na conquista do seu amor. Apesar da sua incerteza quanto a seguir os impulsos do seu coração apaixonado, as reservas de Adrienne não igualavam a determinação de Açor em mantê-la ao seu lado…


Opinião:
Bem,  por um lado este livro é o meu favorito da saga Highlander da autora, por outro tem um revisão um pouquinho pobrezinha e há certas zonas que as frases não faziam sentido, não se conjugando correctamente.

Açor é um guerreiro. Sempre o foi e sempre será. Conhecido no campo de batalha pela sua força e mestria, fora do campo é conhecido pelos seus feitos entre as várias mulheres que o conhecem. Sendo belíssimo e com um físico de fazer inveja a qualquer um, adorava o poder que tinha sobre as mulheres, algo que tinha mesmo sem sequer se esforçar! Mas este sucesso causa ciúmes a pessoas poderosas, que acabam por arranjar um forma de dar com Açor em louco, transportando uma mulher do século XXI para a antiga Escócia do século XVI. 

Adrienne é uma mulher belíssima, inteligente, decidida. Tem um ódio de morte aos homens e quer manter-se o mais longe deles possível! Qual não é a sua surpresa ao cair no colo de um feio brutamontes que diz que ela é uma benção caída do céu e que dali a poucas horas terá que casar com um homem que nunca viu na vida! Tentado fugir deste estranho homem, Adrienne aprende de imediato por meio de violência que o melhor é obedecer-lhe. Acabando por casar contra vontade e com um homem que envia um representante no dia do casamento, o ódio que tem pelos homens ainda aumenta mais, levando-a a decidir-se por fazer tudo o que quiser na sua nova casa e a ignorar totalmente o marido. Este acaba por encontrar na sua nova esposa uma mulher diferente de tudo o que esperava. Decidida, irrequieta, que adora irritá-lo e que não se mostra toda derretida ao pé dele!!

Eu gostei muito deste volume! Dos livros que já li desta autora e desta saga, este deve ser o meu favorito. Temos um escocês muitíssimo sensual que embora pareça um simples mulherengo é também um homem carinhoso, que adora a família e os seus. Amigo dos seus amigos e que faz tudo para ajudar aqueles que ama. Adrienne é uma mulher decidida com um ódio por homens que acaba mais tarde por ser explicado no livro. Luta contra o seu coração e tenta seguir o seus cérebro, não deixando lugar para a paixão, sendo tudo demasiado racionalizado devido àquele ódio invulgar. É um romance onde a chama entre os personagens aparece numa sequência lógica, onde se vê o romance e a paixão a crescer. A escrita da autora... não sei bem o que dizer sobre ela pois achei a revisão do livro um pouco má e não achei correcto culpar a autora por isso. Sim, é verdade que há uns séculos atrás falava-se de forma diferente, mas duvido que seja como no livro. Achei o léxico muitíssimo mau, as conjugações verbais arrepiavam-me. É que já li outros livros da autora e nunca me tinha feito tanta impressão. Sei que há pessoas que têm a mesma opinião que eu, daí puder dizer que o problema não é meu e provavelmente foi uma revisão um pouco má cuidada. Mas gostei tanto da história que ao fim de algum tempo a minha cabela começou a emendar automaticamente tais erros e li o livro rapidamente de uma ponta à outra!

Gostei imenso e já estou à espera do próximo! :)

0 devaneios :