Quem sou eu?

A minha fotografia

Anteriormente conhecida como v_crazy_girl, a 30 de Agosto de 2014 essa conta foi apagada, tendo assim decidido criar algo mais pessoal e próprio para o blogue literário de longa data.

Na Mesa de Cabeceira...

Na Mesa de Cabeceira...
"O Amor que Nos Une" de Megan Maxwell

Passatempo

Passatempo
Resultados!

Seguidores

Com tecnologia do Blogger.

Facebook

Arquivo do Blogue

sábado, 3 de agosto de 2013
Autor: Ken Follett
Edição/reimpressão: 2007
Páginas: 608
Editor: Editorial Presença
ISBN: 9789722338196

Sinopse:
Do mesmo autor do thriller "A Ameaça", chega-nos o primeiro volume de um arrebatador romance histórico que se revelou ser uma obra-prima aclamada pela comunidade de leitores de vários países que num verdadeiro fenómeno de passa-palavra a catapultaram para a ribalta. Originalmente publicado em 1989, veio para o nosso país em 1995, publicado por outra editora portuguesa, recuperando-o agora a Presença para dar continuidade às obras de Ken Follett. O seu estilo inconfundível de mestre do suspense denota-se no desenrolar desta história épica, tecida por intrigas, aventura e luta política. A trama centra-se no século XII, em Inglaterra, onde um pedreiro persegue o sonho de edificar uma catedral gótica, digna de tocar os céus. Em redor desta ambição soberba, o leitor vai acompanhando um quadro composto por várias personagens, colorido e rico em acção e descrição de um período da Idade Média a que não faltou emotividade, poder, vingança e traição. Conheça o trabalho de um autêntico mestre da palavra naquela que é considerada a sua obra de eleição.


Opinião:
Já é o meu terceiro livro de Ken Follett, tendo todos estes sido do seu registo histórico e devo dizer que o adorei, tal como já estava à espera. Este é um autor que nunca nos decepciona, que sabe usar o dom da escrita e que junta nele o seu amor pela história. Através destes seus romances, sem nos apercebermos, estamos a reviver histórias que já aconteceram, estamos a viajar pelo passado mas de uma forma suave e diferente.

Este livro começa onde o anterior acaba, não fosse este tecnicamente o mesmo livro que foi dividido em dois na versão portuguesa. Este livro é muito difícil de resumir, pois nele encontramos dezenas de diferentes histórias que acabam todas por estar entrelaçadas devido à catedral que está a ser construída. Ou temos personagens que estão a ajudar na construção, que a financiam, que moram mesmo perto desta... E essas personagens que inicialmente parecem não estar de forma alguma relacionadas entres si acabam por ter um fio condutor que faz com que as acções de uma influenciam todas as outras, mesmo sem estas terem noção de tal.

Neste segundo volume há duas personagens que acabam por ser mais focadas e que me prenderam imensamente na sua história e tragédia. Aliena, que conhecemos no primeiro livro como a filha de uma grande governante que é destronado. Aliena acaba por ser violada pelo homem que destronara o seu pai, um rapaz na altura que queria a sua mão em casamento, tendo o pedido sido rejeitado e o destronamento do governante e violação de Aliena tinham sido como que a sua vingança. Aliena cresceu imenso neste livro comparativamente ao anterior. Neste temos uma rapariga adulta que pusera a sua violação para trás das costas. Embora continue com planos de vingança, Aliena trabalha para se sustentar e sendo possuidora de uma grande inteligência acaba por conseguir prosperar, tornando-se numa das pessoas com mais posses da pequena aldeia onde morava.

Outra personagem que adorei conhecer foi Jack. Para quem não sabe ou não se lembra, Jack foi o bebé que no início do primeiro livro fora adoptado pelo pedreiro Tom, a grande personagem do primeiro livro, sendo filho da sua segunda mulher.Uma criança inteligente e cuja vida na floresta o tornara muito desenrascado. Tendo herdado o talento do seu pai para a pedra e juntando-o às novas técnicas matemáticas de arquitectura, acaba por continuar o trabalho de seu pai na construção da catedral, continuando o sonho de Tom.

Apesar de estas serem duas das personagens que mais me marcaram neste livro, este romance de Ken Follett não tem propriamente personagens principais. Cada um é especial à sua maneira, cada um representa uma "casta" da população, acabando por construir uma crítica (positiva ou negativa) a essa mesma casta. Temos desde o clero, à nobreza e passando pelo povo. Todas estas classes são representadas por diferentes personagens e são estas que constróiem esta maravilhosa história, que nos prende do início ao fim.

Um livro com uma escrita fantástica e uma história fascinante que aconselho a todos!

2 devaneios :

Luís Lopes disse...

Eu estou a terminar de ler 'Um Mundo Sem Fim'. É o primeiro livro que leio de Ken Follett e estou a adorar. 'Os Pilares da Terra' vai ser o próximo :)

v_crazy_girl disse...

Esse ainda não li, mas agora tornei-me viciada no autor, por isso quando vir uma promoção jeitosa hei.te arranjar esses livrinhos :p