Quem sou eu?

A minha fotografia

Anteriormente conhecida como v_crazy_girl, a 30 de Agosto de 2014 essa conta foi apagada, tendo assim decidido criar algo mais pessoal e próprio para o blogue literário de longa data.

Na Mesa de Cabeceira...

Na Mesa de Cabeceira...
"Prometes Amar-me?" de Monica Murphy

Passatempo

Passatempo
Até 23 de Julho

Seguidores

Com tecnologia do Blogger.

Facebook

Arquivo do Blogue

sexta-feira, 12 de setembro de 2014
Autor: Sebastian Cole
Edição/reimpressão: 2014
Páginas: 264
Editor: Editorial Presença
ISBN: 9789722351973

Sinopse:
Noah Hartman é filho de uma família judia norte-americana, dona de um império empresarial. Cedo se habituou a aceitar a vontade paterna e sempre soube que no dia em que se apaixonasse, a sua escolha teria de passar pelo crivo da família. Mas Noah não se apaixona simplesmente, ele tem a imensa sorte de encontrar a sua alma gémea, Robin, uma mulher com uma alegria exuberante, fiel a si própria, que o faz ver ainda com maior intensidade a existência de fachada que tem sido obrigado a levar. Noah rebela-se contra o jugo familiar e escolhe crescer como ser humano e ser feliz ao lado de Robin. Mas será o facto de duas almas gémeas se encontrarem suficiente para que fiquem juntas para sempre?


Opinião:
Quando o livro saiu não tive curiosidade alguma para o ler. Lembro-me que na altura o marketing feito foi enorme mas ao ler a sinopse eu só pensava que aquele não era o meu género de livro e que não valia a pena perder o meu tempo com ele. A razão para o ter lido? A simpatia do autor. Pouco tempo depois de o livro ser publicado em Portugal, o autor começou, via facebook, a enviar pedidos de amizade a bloguers portugueses, conseguido desta forma promover ele próprio o seu livro estando a tantos quilómetros de distância. Foi esta simpatia do autor que me fez começar a ler o livro e apenas de achar Sebastian Cole muito boa pessoa, tenho que confessar, não gostei do livro.

Noah é filho de uma família riquíssima. Uma família que mora numa das melhores casas que o dinheiro pode comprar, que tem os melhores carros e roupas e que não sabe o que é viver na pobreza. É um homem que apesar de ter nascido no meio de toda essa riqueza, se sente abandonado e triste, acabando por sair de um casamento de poucos meses que em nada dera e procurando desesperadamente uma noiva que agrade aos pais, o que diminui (e muito) as hipóteses. Para além de ter de ser alguém do seu nível social, terá que ser alguém judeu e que pratique a religião de forma correcta. Apesar de inicialmente contrariado, Noah tenta fazer a vontade aos pais. Pelo menos até conhecer Robin.

Robin por ser lado não poderia ter vindo de mais baixo. É uma mulher que não conseguira ter estudos superiores por falta de dinheiro e que agora trabalha num centro social de apoio a sem abrigos. Apesar de ser alguém livre, divertido e bondoso, é também alguém que muda de opiniões rapidamente e que num dia pode amar loucamente alguém e passado uma hora essa pessoa simplesmente não lhe diz nada. Estas duas pessoas tão diferentes acabam por se juntar e tentam, contra todas as probabilidades, serem felizes. Mas a vida está contra elas...

Não gostei. Sei que é uma afirmação muito forte, mas é a verdade. Noah é um rapaz mimado que mesmo que o autor tente mostrar que não o é, a imagem que tive dele era mimado, mimado, mimado. Apaixona-se rapidamente (nem temos tempo de contar até 5) por Robin e o mesmo acontece a esta, embora namore com alguém naquela altura, facto que não fez impressão a nenhum deles quando descobriram "o verdadeiro amor". Passado meses casam e passados ainda menos meses estão constantemente a brigar, sendo que de um dia para o outro Robin decide que não gosta mais de Noah... e atenção, isto nem a metade do livro vou. Mas tal continua a acontecer ao longo de todo o livro.

Noah é uma personagem que era suposto ser romântica e fazer-nos suspirar, mas para mim era apenas mais um menino mimado, habituado a ter tudo o que queria e que faz ações supostamente românticas mas imensamente idiotas. Robin é uma personagem ainda pior. Está sempre a mudar de opiniões e embora no final acabemos por saber a razão, essa razão não me encheu as medidas, não fiquei satisfeito com o motivo e só tive tempo de pensar "que falsa".

Não consegui ligar-me a nenhuma personagem. Não senti empatia com nenhuma. Simplesmente não senti nada e foi uma narrativa que me passou ao lado.

2 devaneios :

isa disse...

agora estou mais curiosa ainda para ler este livro :)
está na minha wishlist e as opiniões que tenho visto é que gostaram.. mas havendo alguém que não gostou do livro ainda me tenta mais a lê-lo (tenho uns gostos estranhos e muitas vezes os livros que encantam os leitores eu não acho nada demais)
bom fim de semana

Vanessa Montês disse...

Acho que é daqueles livro que ou se adora ou se detesta. Infelizmente fiquei no último grupo :p

Bjs*