Quem sou eu?

A minha fotografia

Anteriormente conhecida como v_crazy_girl, a 30 de Agosto de 2014 essa conta foi apagada, tendo assim decidido criar algo mais pessoal e próprio para o blogue literário de longa data.

Na Mesa de Cabeceira...

Na Mesa de Cabeceira...
"O Amor que Nos Une" de Megan Maxwell

Passatempo

Passatempo
Resultados!

Seguidores

Com tecnologia do Blogger.

Facebook

Arquivo do Blogue

sexta-feira, 12 de agosto de 2016
Autora: Tracy Chevalier
ISBN: 9789722350860
Edição ou reimpressão: 2013
Editor: Editorial Presença
Páginas: 288

Sinopse:
A Última Fugitiva é um romance vibrante sobre os tempos que antecederam a guerra civil norte-americana e a abolição da escravatura. Passa-se no Ohio rural, na década de 1850. Honor Bright é uma jovem quaker de Dorset que parte para a América em busca de uma nova vida. Cedo toma contacto com o Underground Railroad, um movimento de pessoas que ajudam os escravos negros a fugir para norte em busca da liberdade, uma causa a que os quakers eram muito sensíveis. Tracy Chevalier entretece com entusiasmo e beleza a história dos quakers pioneiros e a dos escravos fugitivos, revelando o espírito e a coragem de homens e mulheres comuns que tentaram fazer a diferença, desafiando até as suas próprias convicções mais profundas.


Opinião:
Gostei do livro "A Rapariga do Brinco de Pérola" - tanto do livro como do filme -, e por esse motivo quando pus as mãos em mais um livro da autora quis de imediato lê-lo. Sabia de antemão qual o estilo de escrita da autora e por esse motivo esperava um livro mais parado mas forte e encontrei-me com isso mesmo. Aliás, tenho a dizer que este livro também daria um bom filme, se fosse adaptado pelas pessoas certas, claro.

Honor é uma jovem quaker. Os quakers são um grupo religioso que, apesar de eu não conhecer antes de ler o livro, fiquei a compreender (e depois confirmei com uma pequena pesquisa na internet) que são conhecidos pela sua simplicidade, por nunca mentirem e por serem pacifistas (a comunidade ganhou um nobel da paz, inclusive). São conhecidos como "Amigos" e ajudam-se mutuamente sempre que é necessário. Honor sempre vivera rodeada pela simplicidade, entre a sua família e as suas costuras. Quando a irmã decide viajar para a América, Honor acaba por a acompanhar, nunca esperando a morte da irmã por doença durante a viagem, ficando totalmente sozinha e sem forma de regressar.

Acabando por ser ajudada e por ficar a morar na casa do noivo da irmã, Honor descobre que tudo era melhor onde vivera, arrependendo-se piedosamente de ter saída da sua terra natal. Nesta nova terra toma conhecimento da escravatura e inevitavelmente acaba por ajudar estes escravos, dando-lhes alguma alimentação e direccionando-os para quem mais os poderia ajudar. Começa a ser um ponto reconhecido por todos os escravos, mas essa ajuda acaba por lhe complicar a vida, pondo-a em risco.

Este é um livro que existe para contar a vida na América desse tempo e não um livro sobre as personagens em si. Apesar de vermos tudo pelos olhos de Honor, pouco ficamos a conhecer dela. Apenas sabemos que tem saudades da família e da sua vida anterior, mas pouco mais nos é indicado. O facto de ser uma quaker, que está habituada a ter pouco e a não reclamar, provavelmente contribui para esta maneira de ser da personagem. Acabamos sim por compreender a interação entre os escravos, aqueles que os ajudam, aqueles que os caçam e todos os outros que não querem ter nada haver com a situação e que simplesmente fingem que nada se passa. É esta interação que é falada no livro e descrita com perícia pela autora.

Não é um livro com muita ação. Tudo se desenrola lentamente dando tempo ao leitor para saborear cada ação e cada pensamento, algo que eu já sabia ser muito próprio da autora. Sim, gostei deste livro, prendeu-me e queria saber como iria terminar, apesar de não ter um final definitivo pois o livro centra-se na escravatura e não propriamente em Hodor, ou seja, temos um final para Hodor, mas não para a escravatura.

Recomendo.

0 devaneios :