Quem sou eu?

A minha fotografia

Anteriormente conhecida como v_crazy_girl, a 30 de Agosto de 2014 essa conta foi apagada, tendo assim decidido criar algo mais pessoal e próprio para o blogue literário de longa data.

Na Mesa de Cabeceira...

Na Mesa de Cabeceira...
"A Derradeira Ilusão" de Diane Chamberlain

Passatempo

Passatempo
Resultado!!

Seguidores

Com tecnologia do Blogger.

Facebook

Arquivo do Blogue

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011
Autor: Lev Grossman
Edição/reimpressão: 2010
Páginas: 376
Editor: Editorial Planeta
ISBN: 9789896571313

Sinopse:
Quentin Coldwater, um aluno do liceu intelectualmente precoce, foge ao tédio da vida diária lendo e relendo uma série de livros de fantasia passados num país encantado chamado Fillory. Como toda a gente, o jovem parte do princípio de que a magia não é real, até que se vê de repente admitido num colégio de magia muito secreto e muito exclusivo, a norte de Nova Iorque.
Ao atravessar uma viela de Brooklyn, no Inverno, Quentin vê-se, em pleno fim de Verão, nos terrenos do idílico Colégio de Pedagogia Mágica de Brakebills e depois de passar por um difícil exame de admissão, inicia um complicado e rigoroso curso de feitiçaria moderna, ao mesmo tempo que descobre as alegrias da vida escolar: amizade, amor, sexo e bebida. Porém, falta-lhe qualquer coisa. Ao mesmo tempo que aprende a lançar feitiços, a transformar-se em animal e a adquirir poderes com que nunca sonhara, Quentin descobre que a magia não lhe dá a felicidade e a aventura com que sonhava.

Psicologicamente penetrante e muito absorvente, Os Mágicos transita por um território desconhecido, imaginando a magia como uma actividade praticada por pessoas de carne e osso, com desejos, caprichos e emoções voláteis. Lev Grossman criou um mundo bastante original em que o bem e o mal não são absolutos, em que sexo e amor não são simples ou inocentes e onde a ambição pelo poder tem um preço terrível.


Opinião:
Quentin é um aluno brilhante, adpeto de pequenos truques de magia e que vive uma vida taciturna, sem importância e totalmente indiferente. Até que um dia vê-se numa estranha instituição em que lhe é dito que irá fazer um teste com várias fases a fim de ver se consegue entrar na escola. Logo aqui as coisas começam muitíssimo estranhas, quando Quentin se apercebe que todos naquela turma têm o comportamento de alguém que durante toda a sua vida fora inteligente, sabia disso e aproveitava-se disso. Após horas e horas exaustivas de testes, as centenas de pessoas que o tinham ido fazer, haviam desaparecido, sobrando Quentin e um outro miúdo vestido de uma maneira peculiarmente estranha.

Assim se descobre em Brakebills, uma grande escola de magia, onde todos se encontravam ao mesmo nível de inteligência, mas a um diferente de talento. E assim seguimos a vida de Quentin na escola, as amizades, os amores e desamores, os diversos caminhos que se cruzam durante a sua vida e muito mais, enquanto é acompanhado por uns livros que adora de que se passam em Fillory...

Mas se com esta pequena sinopse pensaram que este era um simples livro de magia, desenganem-se. Nunca tinha lido nada deste autor e fiquei deveras impressionada. Com um início mais para o juvenil, ao longo do livro vemos que este é tudo menos juvenil, onde uma realidade nos é exposta pela maneira nua e crua, embora bem escrita pelo autor. Este autor não está com floreados para dizer algo horrível, di-lo e ponto final, o que causa um grande impacto e surpreende imenso. Fala de assuntos como amor, sexo, poder, inteligência de uma forma que muitas vezes é pensada, mas nem sempre dita, surgindo assim um estilo muito próprio de escrita, que embora eu tenha noção que nem sempre agrada a todos devido à tal crueza, me agradou imenso.

Outra coisa que se nota neste livro, e muito, são influências de escritores conhecidos, nomeadamente J. K. Rowling e C. S. Lewis. Mas são influências que se notam devido a pequenas coisas. Nomeadamente a escola de magia, que faz lembrar um tanto ou quanto Hogwards, devido a ser uma escola invisível a olho nu, além de que o processo de entrada também é estranho, e mundos paralelos, como Nárnia, que neste livros se transcreve por Fillory, e onde os reis são quatro, duas humanas e dois humanos, embora de resto quase tudo dentro desse mundo seja diferente. Uma coisa que me apercebi é que ao longo de um livro que podia e muito sofrer com as igualdades, o facto de estas estarem expostas tão livremente é precisamente o que impede tal de acontecer.

Após a leitura deste livro e de investigar um pouco sobre o autor, descobri outra obra deste em português, para além de descobrir que a tenho cá em casa. Será uma das minhas próximas leituras!

0 devaneios :