Quem sou eu?

A minha fotografia

Anteriormente conhecida como v_crazy_girl, a 30 de Agosto de 2014 essa conta foi apagada, tendo assim decidido criar algo mais pessoal e próprio para o blogue literário de longa data.

Na Mesa de Cabeceira...

Na Mesa de Cabeceira...
"O Amor que Nos Une" de Megan Maxwell

Passatempo

Passatempo
Resultados!

Seguidores

Com tecnologia do Blogger.

Facebook

Arquivo do Blogue

segunda-feira, 11 de julho de 2011
Autora: Sarah Cartwright
Edição/reimpressão: 2011
Páginas: 240
Editor: Objectiva
ISBN: 9789896720780

Sinopse:
O coração de Valerie está dividido. Os pais querem que ela case com Henry, o filho do ferreiro, um rapaz gentil. Mas Valerie está apaixonada por Peter, um jovem lenhador de espírito independente e misterioso. O mundo está contra eles, mas os dois jovens apaixonados não imaginam viver um sem o outro e estão dispostos a lutar por isso. Tudo muda quando a irmã mais velha de Valerie aparece morta. Suspeita-se do Lobo, uma criatura temível que assombra a floresta em redor da aldeia. É com horror que os habitantes da aldeia descobrem que durante o dia o Lobo assume forma humana e pode ser qualquer um deles. O perigo está à espreita e ninguém está a salvo. As vítimas do Lobo não param de aumentar e Valerie começa a suspeitar que o Lobo pode ser uma pessoa muito próxima de si. Ela é a única que consegue ouvir a voz da criatura. E a mensagem do Lobo é muito clara: se Valerie não se render antes de a lua de sangue desaparecer do céu, todos os que ela ama morrerão.
Este romance foi baseado no roteiro escrito por David Leslie Johnson para o filme com o mesmo nome, que estreia em Portugal em 14 de Abril e tem realização de Catherine Hardwicke, realizadora de Crepúsculo, que assina a introdução do livro.


Opinião:
Sabiam que este livro teve origem num guião de cinema? Sim, ao contrário do que costumamos estar habituados o filme "A Rapariga do Capuz Vermelho" não deve origem do livro, antes pelo contrário.

Valerie sempre foi diferente das outras raparigas. Maria rapaz, aventureira, decidida e em nada interessada em andar a correr atrás dos rapazes, Valerie é também calada, mas quando abre a boca demonstra uma idade mental superior à que tem na realidade. Embora tenha uma família complicada - uns pais que claramente não se amam e cujo pai é o bêbado da aldeia -, a sua maninha mais velha, que normalmente até parece mais nova, é caridosa e o seu grande suporte. Com um grupo de amigas muito diferentes entre si, Valerie é uma rapariga que por muito estranha que seja é relativamente normal e vive o seu dia a dia despreocupadamente...

Mas tudo muda com um ataque do famoso lobo... uma criatura que em criança Valerie encarou olhos nos olhos e por milagre não a matou... uma criatura que matou a sua irmã mais velha...

Valerie é uma personagem muito misteriosa... Estranha na sua maneira de ser e pensar, destaca-se do resto das personagens devido a essa característica. Não é muito o facto de ser estranha a sua maneira de pensar, é mais este pensamento ser muito avançado relativamente a todos os habitantes da aldeia onde vive.

Sarah Cartwright conseguiu de uma maneira muito própria transformar um guião de cinema num livro encantador e que nos transporta para esta pequena aldeia, para perto deste grupo de amigas... O grande problema da narrativa é a parte final, a da descoberta do lobo, ser demasiado rápida! Algo que tem sido desenvolvido ao longo de todo o livro, calmamente, de repente em poucas páginas é tudo revelado assim do nada.

Relativamente ao filme... o livro está muito mais completo na parte inicial, na apresentação das personagens, na apresentação da vida na aldeia e dos seus costumes. Já a parte final, a parte da descoberta do lobo e da caça levada a cabo para o apanhar, o filme está muito mais completo. É um caso em que o livro e o filme se completam e preenchem as lagunas um do outro.

Normalmente falo apenas do livro em si, mas desta vez tenho que referir algo relativamente à editora... Que ideia foi aquela de quando a pessoas vai cheia de vontade de descobrir o final da história, encontramos na página do último capítulo um aviso a dizer que o último capítulo não está no livro que temos em mãos mas sim na net? Não sei se foi algum truque de marketing que eu considerei um tanto ou quanto ridículo, se foi um teste estranho... não faço ideia... Mas por favor, não voltem a fazer isso!! Uma pessoa quando compra o livro gosta de o ter completo e de encontrar o último capítulo no livro e não uma página a substitui-lo e a dizer para irmos à net ler o resto do livro. Além disso embora hajam pessoas que não se importam de ler no pc, isso a mim faz-me imensa impressão... E imaginemos que lia este livro de férias, onde não tenho internet? Ficava semanas sem conseguir ler o final... Todos este testamento para dizer... não voltem a fazer isso por favor!

Mas de resto recomendo este livro! De fácil e rápida leitura, a autora consegue prender-nos do início ao fim! Leiam que não se vão arrepender.

1 devaneios :

p7 disse...

Esse truque do capítulo final não é culpa da editora portuguesa, é culpa da edição original, que foi publicada em Janeiro, e como o filme só saía em Abril, decidiram disponibilizar o capítulo final, em que sabemos quem é o lobo, na altura da estreia do filme.

Outra coisa, a tua edição do livro acaba no capítulo 19, sendo o 20 o tal capítulo online? É que falta muita história entre esses capítulos, e quando pesquisei sobre o livro em inglês, descobri que tinha 29 capítulos + 1 capítulo online... acho que a editora em português "esqueceu"-se de publicar 10 capítulos, sem contar com o tal capítulo online, mas não faço ideia se é só a minha cópia do livro ou se é toda a edição do livro em português. :|