Quem sou eu?

A minha fotografia

Anteriormente conhecida como v_crazy_girl, a 30 de Agosto de 2014 essa conta foi apagada, tendo assim decidido criar algo mais pessoal e próprio para o blogue literário de longa data.

Na Mesa de Cabeceira...

Na Mesa de Cabeceira...
"O Amor que Nos Une" de Megan Maxwell

Passatempo

Passatempo
Resultados!

Seguidores

Com tecnologia do Blogger.

Facebook

Arquivo do Blogue

quinta-feira, 14 de junho de 2012
Autor: David Anthony Durham
Edição/reimpressão: 2011
Páginas: 368
Editor: Saída de Emergência
ISBN: 9789896373238


Sinopse:
Leodan Akaran, rei soberano do Mundo Conhecido, herdou o trono em aparente paz e prosperidade, conquistadas há gerações pelos seus antepassados. Viúvo, com uma inteligência superior, governa os destinos do reino a partir da ilha idílica de Acácia. O amor profundo que tem pelos seus quatro filhos, obriga-o a ocultar-lhes a realidade sombria do tráfico de droga e de vidas humanas, dos quais depende toda a riqueza do Império. Leodan sonha terminar com esse comércio vil, mas existem forças poderosas que se lhe opõem. Então, um terrível assassino enviado pelo povo dos Mein, exilado há muito numa fortaleza no norte gelado, ataca Leodan no coração de Acácia, enquaa hisnto o exército Mein empreende vários ataques por todo o império. Leodan, consegue tempo para colocar em prática um plano secreto que há muito preparara. Haverá esperança para o povo de Acácia? Poderão os seus filhos ser a chave para a redenção?


Opinião:
Mais um livro de uma das grandes marcas portuguesas de fantasia, a coleção Bang! da Saída de Emergência. Sendo eu uma ávida leitora de todos os tipos de fantasia, esta é uma coleção que eu acompanho e quando li a sinopse deste livro, não resisti! Fiquei maravilhada! Afinal de contas não há em Portugal assim tantos livros/sagas que me deixem satisfeita e que aliem fantasia a luta entre reinos.


Leodon Akaran é o rei de um grande império conhecido como Mundo Desconhecido, um homem justo e inteligente que tenta mudar o país governado para algo melhor, mas vê-se frente a frente com inúmeros problemas que o impendem de tal acto. Num lado do reino está uma guerra iminente, do outro há o aperto de vários membros poderosos do reino a afirmar que o número de escravos tem que aumentar para a riqueza aumentar. A fim de se distrair desses assuntos, o rei centra-se muito nos seus filhos, sendo muito dedicado a estes e carinhoso, notando-se que os adora do fundo do coração. Filhos esses que ele tenta proteger o melhor que consegue, guardando o negócio de escravos em segredo, nunca lhes contando que a riqueza do reino vem de um negócio tão desumano. Mas a inocência dos filhos começa a desaparecer quando Leodon é atacado por um assassino e de forma aos filhos do rei não cairem nas mãos de quem lhes quer mal, cada um é mandado para uma parte remota do reino em segredo, chegando uns ao destino e outros sendo intersetados em caminho.


Gostei muito da escrita e distribuição do autor. A escrita é fluída, embora seja uma escrita algo paciente e calma. A distribuição que falei, é da história em si, como esta está organizada por capítulos curtos, estando cada capítulo focando numa determinada zona do reino e numa determinada personagem, dando-nos assim uma vista geral da situação vivida neste mundo e de como as marés estavam prestes a mudar.


Sinceramente no início do livro não lhe estava a achar muita "piada". O ritmo era lento, as personagens pouco desenvolvidas e não havia suspense algum! Mas isso foi algo que mudou devagar ao longo do livro. No final o livro começou a ganhar um novo ritmo, havendo mais descobertas, personagens mais maduras e com segredos escondidos. Se não soubesse que o livro foi "partido" ao meio na versão portuguesa, dividindo o livro em dois, diria que já não ia acompanhar a saga. Mas como sei desse facto, e como vi que no fim é que o livro estava a ganhar forma, sem dúvida que vou acompanhar. Aproveito e deixo a minha opinião referente a estas divisões que apenas se vêem na SdE. Eu adoro esta editora, quem me conhece sabe isso, mas parem de dividir livros ao meio! Este livro nem chega a ter 400 páginas cada "metade", podiam muito bem juntar o livro e não andarem a meter a mão ao bolso dos vossos fãs. Começaram com este sistema na saga de George R. R. Martin e aí os fãs da editora ainda pensaram "bem, não é por uma saga", mas agora quase todas as sagas, se tiverem mais de 400pág. (ou nem chegando a esse número) são divididas na editora. Tentem parar de fazer isso por favor.


Mas tirando este pequeno à parte, experimentem ler este livro, mas ao fazê-lo tenham o segundo ao pé de vocês, pois tenho a sensação que se lerem ambos como o mesmo livro, vão gostar muito mais e ter uma melhor impressão da saga.

0 devaneios :