Quem sou eu?

A minha fotografia

Anteriormente conhecida como v_crazy_girl, a 30 de Agosto de 2014 essa conta foi apagada, tendo assim decidido criar algo mais pessoal e próprio para o blogue literário de longa data.

Na Mesa de Cabeceira...

Na Mesa de Cabeceira...
"Se Eu Fosse Tua" de Meredith Russo

Passatempo

Passatempo
Resultado!!

Seguidores

Com tecnologia do Blogger.

Facebook

Arquivo do Blogue

domingo, 8 de julho de 2012
Autor: Clive Barker
Edição/reimpressão: 2011
Páginas: 192
Editor: Saída de Emergência
ISBN: 9789896373696

Sinopse:
Quando, nos longos meses de Inverno, um rapaz chamado Harvey se sente a morrer de tédio, eis que surge um homem que o conduz para uma estranha e fascinante casa onde em cada dia passam as quatro estações do ano e não há regras, apenas divertimento e milagres. A casa de férias do Senhor Hood existe há mais de 1000 anos, oferecendo as boas-vindas a todas as crianças e satisfazendo todos os seus desejos. Mas quando Harvey encontra um lago povoado por criaturas que eram, outrora, crianças como ele, descobre que há um preço a pagar pela sua estadia na casa, e o que era um sonho tornado realidade, cedo se transforma num pesadelo…


Opinião:
Clive Barker já é um veterano na literatura (especialmente na de terror), sendo os seus livros vendidos e lidos por todo o mundo, mas ainda não tinha chegado verdadeiramente a Portugal. Lembro-me que já tinham saído livros dele pela coleção de livros de bolso da Europa-América (uma coleção que nunca me chamou a atenção pois tinham demasiadas gralhas). Mas a Saída de Emergência apostou verdadeiramente neste livro, arranjando diversas forma de marketing e arranjando diversas capas para o mesmo livro, o que pelo menos, a mim, chamou a atenção.

Harvey está sem nada que fazer. Todos os seus dias são uma rotina diária que ele não consegue contrariar. Farto destes dias aborrecidíssimos, Harvey apenas deseja ir para um lugar onde se pudesse divertir, onde todos os dias fossem uma aventura, onde nunca se aborrecesse! É então que lhe aparece à frente um estranho homem que lhe faz uma proposta. Se o seguisse, iria descobrir um novo mundo cheio de aventuras e onde nunca estaria chateado! Guiado pela sua grande curiosidade e pelo espírito de aventura que qualquer rapazinho de 10 anos tem, Harvey segue o estranho homem e entra numa casa onde os sonhos se tornam realidade e todos os dias são uma mistura das quatro estações do ano. De manhã é Primavera; de tarde, Verão; ao crepúsculo é Outono e à noite é Inverno. Aí Harvey conhece outras crianças e acaba por se divertir imenso com elas, brinca o dia inteiro, come quando quer deliciosas refeições, dorme quando lhe dá na cabeça e nunca, mas nunca está aborrecido!

Mas durante as suas excursões pelas zonas mais escondidas da Casa de Férias, Harvey e alguns dos seus amigos, descobrem um lago mal cheiroso, onde reina a podridão. Algo que destoa totalmente do ambiente divertido e alegre daquela zona mágica. Desconfiado, Harvey começa a averiguar o que se passa, acabando por descobrir diversas coisas que o levam a querer abandonar a Casa de Férias, tarefa que não se revela nada fácil!

Admirei-me imenso com este livro! Para começar nunca tinha lido nada do autor, e embora esperasse um pouco mais de terror, adorei a história! Um livro que mostra o que a imaginação pode criar, que nos conta como nada é perfeito e se algo é perfeito demais algo se passa.

As personagens secundárias são muitíssimo importantes neste livro e é através delas que vemos uma comparação do bem e do mal, do medo e da coragem e muitas outros sentimentos que se revelam neste livro e que nos dão vontade de o continuar a ler até ao fim, fazendo-nos adivinhar um final diferente e interessante. Além disso é daquele género de histórias que dá para pessoas de diversas faixas etárias. Desde crianças nos seus 9/10 anos, passando por adolescentes e adultos. Com uma narrativa e escrita fluída e simples mas que prende o leitor, vamos acompanhando as aventuras de Harley na Casa de Férias e o crescer desta personagem, enquanto compreende que nada é perfeito e que a imaginação pode ser perigosa.

0 devaneios :