Quem sou eu?

A minha fotografia

Anteriormente conhecida como v_crazy_girl, a 30 de Agosto de 2014 essa conta foi apagada, tendo assim decidido criar algo mais pessoal e próprio para o blogue literário de longa data.

Na Mesa de Cabeceira...

Na Mesa de Cabeceira...
"O Amor que Nos Une" de Megan Maxwell

Passatempo

Passatempo
Resultados!

Seguidores

Com tecnologia do Blogger.

Facebook

Arquivo do Blogue

segunda-feira, 6 de agosto de 2012
Autor: Andrew Miller
Edição/reimpressão: 2012
Páginas: 344
Editor: Editorial Presença
ISBN: 9789722348393

Sinopse:
A Cidade Impura é um romance contemporâneo britânico, publicado em 2011, que venceu o aclamado Costa Book of the Year Award relativo a esse mesmo ano, prémio inglês para escritores residentes no Reino Unido e Irlanda, também atribuído a J.K. Rowling, em 1999.
Os tempos são os que antecedem a Revolução Francesa, o local é Paris. Jean-Baptiste Baratte é um jovem engenheiro que chegou da Normandia, chamado a Versailles pelo ministro do rei, que pretende contratá-lo para um trabalho: planificar e executar a demolição do cemitério e igreja de Les Innocents, vizinhos do mercado de Les Halles, em Paris. O cemitério tem sido usado ao longo dos anos mas recentemente começou a alastrar para a zona residencial em volta, que começou a ser invadida por um cheiro desagradável. A Cidade Impura ergue-se contra todas as adversidades, fura por entre os poucos raios de luz, emerge do caos e explode como uma obra de uma enorme beleza, fabricada a partir de uma matéria putrefacta e mórbida.


Opinião:
A sinopse deste livro era estranha e diferente. Nunca tinha ouvido falar deste livro, nem sequer tinha ouvido falar do próprio autor, mas não resisti à sinopse.

Jean-Baptiste Baratte é um engenheiro que finalmente arranjou um trabalho que lhe é dado pelo ministro, um trabalho que lhe pode impulsionar a carreira. Mas não é um trabalho fácil, pois Jean-Baptiste tem que demolir um cemitério inteiro, um dos mais antigos e conhecidos da cidade de Paris, mas que agora deita um cheiro nauseabundo que se entranha inclusive nos habitantes da cidade, tal como se diz no livro, até o hálito das pessoas que lá moram cheiram àquele cemitério!

Mas se pensam que este vai ser um livro sobre uma obra de arquitectura, se pensam que vão simplesmente acompanhar o desmantelamento de um cemitério estão totalmente enganados. Este é um livro de sentimentos, de profundos pensamentos. Aqui fala-se da natureza humana, da solidão, da necessidade de guardar algo que nos relembre do passado e de ter algo que nos prometa um bom futuro. Algo que saibamos que nos irá acompanhar no futuro. Neste livro há imensos pensamentos deste carácter, muito deles que vêm a partir da personagem principal que no seu percurso vai conhecendo imensas personagens distintas que lhe ajudam a compreender algo sobre a sua vida.

Há deste simples empregados, ex-mineiros, ministros, reis, mulheres distintas (uma que vive no cemitério, uma que exerce um estranho fascínio no personagem principal e que é prostituta e uma rapariga de boas famílias que se mostra bem diferente do que parecia), amigos distantes, etc.

É um livro que não é para todos os gostos e que não se lê assim tão depressa quando isto, pois é muito descritivo. Essa descrição é parte da magia do livro, pois estamos numa Paris onde o cheiro impregna todos os poros, onde o cheiro nauseabundo incomoda aqueles que são novos na capital, mas que para aqueles que já lá moram passou a ser uma forma de vida. Mas apesar de ter demorado a ler este livro, pois não é propriamente o meu género (demasiada descrição não é para mim), gostei da história, aliás, gostei da história por detrás da história, tinha profundidade, despertou sentimentos.

É um livro que não é para todos, mas sem dúvida que aconselho a todos a experimentarem lê-lo antes de lhe darem o vosso veredicto final. :)

0 devaneios :