Quem sou eu?

A minha fotografia

Anteriormente conhecida como v_crazy_girl, a 30 de Agosto de 2014 essa conta foi apagada, tendo assim decidido criar algo mais pessoal e próprio para o blogue literário de longa data.

Na Mesa de Cabeceira...

Na Mesa de Cabeceira...
"O Amor que Nos Une" de Megan Maxwell

Passatempo

Passatempo
Resultados!

Seguidores

Com tecnologia do Blogger.

Facebook

Arquivo do Blogue

sexta-feira, 9 de novembro de 2012
Autora: Tracy Chevalier
Páginas: 199
Editor: Biblioteca Sábado

Sinopse:
No século XVII, em Delft, uma próspera cidade holandesa, tudo tinha uma ordem pré-estabelecida. Ricos e pobres, católicos e protestantes, patrões e criados, todos sabiam o seu lugar. Quando Griet foi trabalhar na casa do pintor Johannes Vermeer, pensou, por isso, que conhecia o seu papel: fazer a lida doméstica e tomar conta dos seis filhos do pintor. Ninguém esperava, porém, que as suas maneiras delicadas, a sua perspicácia e o fascínio demonstrado pelas pinturas do mestre a arrastariam inexoravelmente para o mundo dele. Mas, à medida que a rapariga se tornava parte integrante da sua obra, a intimidade crescente entre ambos ia espalhando tensão e decepção na casa e adquiria a proporção de um escândalo em toda a cidade.


Opinião:
Este é um pequeno livro que já foi adaptado há uns anos para filme, tendo eu já o visto quando passou na televisão há uns anos. Foi um filme que me captou imenso a atenção, com um estilo lento e apaziguador mas ao mesmo tempo curioso e de emoções fortes. Por isso quando no BookCrossing tive a oportunidade de ler este livro não resisti e foi isso que fui fazer.

Griet é de uma família pobre e com poucos recursos. Assim, quando a sua mãe lhe consegue arranjar um trabalho respeitável, é enviada de imediato para a casa do pintor Johannes Vermeer, um homem conhecido pelo seu temperamento tempestuoso e quadros lindíssimos que saíam das suas mãos abençoadas. O seu trabalho consistia em fazer a lida da casa e em especial dos quartos dos seis filhos do pintor, tomando também conta destes mesmo quando eles cresciam. Mas é quando menos espera que as atenções do senhor da casa se voltam para ela. Para a sua maneira calma de fazer tudo, para a sua postura inocente e doce, para os seus olhos enigmáticos cheios de perguntas mas também de respostas e sabedoria.

É assim que começa a trabalhar na casa do seu senhor não só como empregada doméstica mas como sua ajudante, embora sem o conhecimento de ninguém da casa a não ser do pintor. O pintor descobriu como ela tinha jeito para as cores, mas as misturar, para a ver e sentir. De noite Griet preparava as cores que o pintor usaria para o dia seguinte, de dia fazia a lida da casa. Mas a sua vida ainda se complica mais quando para além destas escapadelas para ajudar o pintor, capta também a atenção de um grande senhor que pede a Johannes para pintar um retrato da empregada, o que não abona em nada a favor de Griet.

Este é um livro, posso dizer, requintado. Tem personagens curiosas, tem uma história simples mas rica e Griet é uma personagem fantástica que me chamou imenso a atenção. Numa época em que a presença da figura de uma criada num quadro era o mesmo que dizer que ela era a amante daquele que a mandou pintar, Griet, uma rapariga que se tenta manter escondida o melhor possível, chama as atenções daqueles que não devia, devido à sua beleza singular e pura, acabando por a sua reputação ser totalmente destruída mesmo sem esta ter nada haver com aquele que a mandou pintar, aliás, ela não gostava nada dele.

Teve sorte ter chamado a atenção do filho do talhante, um rapaz simples e forte e muito adorado entre as raparigas de classe mais baixa, pois naquela altura ser talhante era uma das profissões altas da classe média. É um livro verdadeiro que retrata sem papas na língua o que acontecia naqueles tempos, tudo através dos olhos puros, curiosos e inteligentes de Griet.

Foi um livro que foi uma muitíssimo boa surpresa e recomendo totalmente!

2 devaneios :

Liliana Lavado disse...

Neste caso tenho de me confessar: vi o filme, e não li o livro.
Na altura adorei o filme mais pela fotografia, que era belíssima do que pela história… talvez por isso não me tenha entusiasmado para pegar no livro :P

v_crazy_girl disse...

Eu também gostei do filme por isso, pelas imagens lindíssimas. Mas o livro também é muito bonito. É simples, mas é isso que o faz tão bonito.