Quem sou eu?

A minha fotografia

Anteriormente conhecida como v_crazy_girl, a 30 de Agosto de 2014 essa conta foi apagada, tendo assim decidido criar algo mais pessoal e próprio para o blogue literário de longa data.

Na Mesa de Cabeceira...

Na Mesa de Cabeceira...
"Desejo Concedido" de Megan Maxwell

Passatempo

Passatempo
Até 3 de Setembro

Seguidores

Com tecnologia do Blogger.

Facebook

Arquivo do Blogue

sábado, 6 de abril de 2013
Autor: Dan Wells
Edição/reimpressão: 2012
Páginas: 240
Editor: Contraponto
ISBN: 9789896661205

Sinopse:
John Wayne Cleaver é um rapaz potencialmente perigoso - muito perigoso. E passou toda a sua vida a tentar não cumprir o seu potencial É bem-comportado, calado, tímido e reservado, mas incapaz de sentir empatia e de compreender as pessoas que o rodeiam. Prefere conviver com os mortos; o seu trabalho (e o seu passatempo favorito) é embalsamar cadáveres na casa mortuária que pertence à sua família. Além disso, partilha o nome com um famoso serial killer e tem uma obsessão quase incontrolável por psicopatas e assassinos em série. Sob estas circunstâncias, parece que o seu destino está traçado. Contudo, John Wayne Cleaver é plenamente consciente das suas invulgares características, e quer a todo o custo impedir-se a si mesmo de matar. Para tal, criou um conjunto de regras muito precisas: tenta cultivar apenas pensamentos positivos pelas pessoas que o rodeiam (até pelo bully do liceu), evita criar laços ou interessar-se por elas (tem apenas um amigo da sua idade) e, sobretudo, tenta a todo o custo manter-se afastado do fogo (que gosta de atear), dos animais (que gosta de dissecar) e de locais e vítimas de crimes. As suas regras vão ser postas à prova quando é encontrado um corpo terrivelmente mutilado - e depois um segundo, e um terceiro. Será que na sua pacata vila existe uma criatura ainda mais perigosa do que John Wayne Cleaver?


Opinião:
Falaram-me tanto, mas tanto deste livro! Este é daqueles livros que li mais por falarem imenso dele do que pela capa, ou pela sinopse, ou pelo autor. Houve uma altura em que sempre que se falava deste livro imensas fãs apareciam e diziam como era fantástico, óptimo, um livro muito engraçado. E foi devido a estas opiniões todas que decidi ler o livrinho.

John Wayne Cleaver foi classificado como sociopata, ou seja, é antisocial e não vê qual a finalidade de ser sociável para com as pessoas, antes pelo contrário, acha uma falta de tempo e que só traz problemas e dores de cabeça. Adorador de serial killers, sabe o nome de praticamente todos os serial killers existentes na história do mundo, os seus métodos, os seus motivos, o seu número de vítimas. Sendo considerado por todos estranho, apenas tem um amigo, um rapaz que tem o seu quê de maluco, mas que é a única pessoa que consegue conviver com John sem este se fartar dele.

De forma a não ir de encontro aos seus instintos naturais, ou seja, tornar-se um assassino, John criou uma série de regras especiais, que o ajudam a manter-se fora de sarilhos. Uma das suas grandes regras é sempre que o intimidarem ou tratarem mal, fazer um elogio à pessoa em questão, pensar no que essa pessoa tem de bom e elogiar tal característica. Mas quando começam a aparecer corpos mutilados por toda a vila, nem as regras de John o safam, e o nosso pequeno mas inteligente personagem cedo começa a descobrir quem é o verdadeiro assassino e porque é que faz o que faz. E a verdade pode ser pior do que ele imaginava...

Achei este livro tão engraçado! Com uma ironia tão inteligente e perspicaz que me fez compreender o porquê de todas as pessoas que leram este livro mo recomendarem. O autor conseguiu criar uma personagem que mesmo chegando por vezes a ser cruel, é uma personagem que o leitor adora e que sofre com ele. Uma daquelas personagens que não conseguimos largar e queremos descobrir mais e mais sobre as suas descobertas sobre a sua maneira de ser e pensar, o que visto John ser uma criança, adiciona uns pontos extra nesta parte da sua personalidade curiosa e ainda em descoberta.

O autor adicionou um quê de sobrenatural que chegou a ser engraçado, pois John, sendo uma pessoa tão lógica e racional, começou a acreditar em coisas que nem nos nossos sonhos (ou melhor, pesadelos), pensaríamos existir. E sim, o grande truque do livro é a personagem principal, a sua maneira de ser e essencialmente a sua maneira irónica e directa de pensar.

Tenho mesmo que ler os livros seguintes que já saíram, pois estou muito curiosa em saber como é que o nossos sociopata favorito se vai safar no futuro!

1 devaneios :

Marta Dias disse...

Este livro já está na minha wishlist a tanto tempo e ainda não o arranjei. Sempre que ia ao continente ficava com vontade de o levar pq o titulo despertou-me bastante a curiosidade.Agora li a tua opinião e quero mesmo lê-lo o quanto antes.