Quem sou eu?

A minha fotografia

Anteriormente conhecida como v_crazy_girl, a 30 de Agosto de 2014 essa conta foi apagada, tendo assim decidido criar algo mais pessoal e próprio para o blogue literário de longa data.

Na Mesa de Cabeceira...

Na Mesa de Cabeceira...
"Desejo Concedido" de Megan Maxwell

Passatempo

Passatempo
Até 3 de Setembro

Seguidores

Com tecnologia do Blogger.

Facebook

Arquivo do Blogue

quinta-feira, 20 de junho de 2013
Autora: J. K. Rowling
Edição/reimpressão: 2012
Páginas: 496
Editor: Editorial Presença
ISBN: 9789722349321

Sinopse:
Uma Morte Súbita é o primeiro livro para adultos de J. K. Rowling, a mundialmente famosa «mãe de Harry Potter». Acolhido com enorme expectativa, este surpreendente romance sobre uma pequena comunidade inglesa aparentemente tranquila, Pangford, começa quando Barry Fairbrother, o conselheiro paroquial, morre aos quarenta e poucos anos. A pequena cidade fica em estado de choque e aquele lugar vazio torna-se o catalisador da guerra mais complexa que alguma vez ali se viveu. No final, quem sairá vencedor desta luta travada com tanto ardor, duplicidade e revelações inesperadas?


Opinião:
Quem é que não conhece a autora J. K. Rowling? A nossa muito adorada criadora de Harry Potter, os livros que acompanharam a infância de muitos de nós, eu incluída? Eu adorei a saga de Harry Potter e por isso quando soube que ia sair um romance para adultos pela mão desta escritora, o nome do livro foi de imediato para a wishlist, tendo acabado por o arranjar quando o vi na mesa de cabeceira de uma colega minha, aproveitando-me dela de imediato.

Antes de ir à crítica em si deixem-me avisar-vos de uma coisa em relação a este livro com quatro "regras" simples que li num comentário de alguém no GoodReads:
1º NÃO leiam este livro simplesmente porque é escrito pela J. K. Rowling.
2º NÃO esperem que este livro seja com o Harry Potter (magia, etc).
3º NÃO esperem que haja um assassínio misterioso - não há.
4º NÃO leiam isto se não estiverem confortáveis com o facto de a mulher que moldou a vossa infância tenha escrito sobre drogas, sexo (adolescente), prostituição, violações, etc - então este livro não é para ti.

Acontece que ao ler estas regras ri-me a bom rir, pois tinha acabado de falar com a minha irmã e dito isso mesmo. Acontece que a pontuação no goodreads para este livro está mais baixa do que julgava e acho que isso está muito relacionado com o facto de as pessoas pensarem "J. K. Rowling = magia" e pelo facto de lerem o título e pensarem automaticamente que estamos em mãos com um policial, o que não é verdade, pois a personagem deste livro morre de morte natural, ataque cardíaco. Não há nada de incomum e suspeito na sua morte, sendo a verdadeira história aquilo que acontece aos que estão em seu redor.

Acontece que a personagem que tem o ataque cardíaco é a pessoa mais amada de toda a pequena cidade. Todos o procuram para conselhos, todos o procuram quando querem um ombro amigo, todos o consideram das melhores pessoas que haviam conhecido. Quando Barry morre de ataque cardíaco de imediato há uma grande corrida para o seu posto, um dos mais elevados da cidade o conselheiro paroquial. Mas quase nenhum dos homens de família é merecedor de tal posto e é isso que vamos analisar neste livro.

Por um lado temos uma família que vive na pobreza. A mãe é uma drogada que já está na terceira tentativa de recuperação, sendo esta a última tentativa antes de lhe tirarem definitivamente a custódio dos dois filhos, um que ainda mal passa de uma criança e uma rapariga mais velha, que praticamente faz o papel de mãe do irmão, alimentado-o, vestido-o e levando-o à escola.

Também conhecemos a família perfeita, pelo menos por fora, tirando a parte que o "homem" da casa bate na mulher e nos dois filhos, ao ponto de os deixar negros e a sangrar e para além disso faz negócios por fora, estando envolvido em contrabando.

Temos uma família de médicos que parece perfeita e linda, mas cuja filha sofre bullying na escola e quando regressa a casa para um pouco de conforto apenas tem a indiferença do pai e as críticas da mãe, que compara as suas notas horríveis com as notas perfeitas das irmãs, acabando por lhe chamar burra e muitas outras coisas.

Outra família é a do que gosta de se divertir a gozar com a filha da família dos médicos, chamando-lhe todos os nomes que se lembra e sendo simplesmente perverso. Sendo adoptado, nunca se dera bem com o pai, que tem um problema psicológico que tenta esconder a toda o custo, pois poderá custar-lhe o trabalho e muito mais.

Por fim temos a família da assistente social que acompanha o caso da mãe drogada, uma família constituída por mãe e filha. Estas viviam na grande cidade e mudaram-se porque a mãe queria acompanhar o namorado, acabando este por se demonstrar um canalha de primeira classe.

Todas estas e ainda outras histórias são a grande premissa deste livro e acabam todas por se encontrar e interligar-se. Além de termos personagens absolutamente fantásticas, umas que odiamos, outras que adoramos, temos também assuntos muitíssimo sérios que são debatidos, como as drogas, o bullying, a violência doméstica e muitos mais e são estes os verdadeiros temas que a autora quer que nos exploremos enquanto lemos o livros e nos infiltramos na vida das personagens.

Muito sinceramente eu adorei o livro, consegui-me ligar à personagens, entrar na história e tal com a ajuda da escrita fantástica de J. K. Rowling, que é absolutamente fantástica!! O final foi algo que não estava à espera. A autora cria um final real, de tal forma real que me deixou frustrada pois queria um final feliz, algo que não sucedeu a todas as personagens. Estas tiveram um final ainda melhor, esse tal final real, que é algo que acabou por fazer sentido devido à própria natureza do livro.

Sem dúvida que aconselho este livro! ADOREI!

0 devaneios :