Quem sou eu?

A minha fotografia

Anteriormente conhecida como v_crazy_girl, a 30 de Agosto de 2014 essa conta foi apagada, tendo assim decidido criar algo mais pessoal e próprio para o blogue literário de longa data.

Na Mesa de Cabeceira...

Na Mesa de Cabeceira...
"O Amor que Nos Une" de Megan Maxwell

Passatempo

Passatempo
Resultados!

Seguidores

Com tecnologia do Blogger.

Facebook

Arquivo do Blogue

sábado, 28 de setembro de 2013
Autor: Afonso Cruz
Edição/reimpressão: 2012
Páginas: 248
Editor: Alfaguara Portugal
ISBN: 9789896721336

Sinopse:
Uma pequena aldeia alentejana transforma-se em Jerusalém graças ao amor de uma rapariga pela sua avó, cujo maior desejo é visitar a Terra Santa. Um professor paralelo a si mesmo, uma inglesa que dorme dentro de uma baleia, uma rapariga que lê westerns e crê que a sua mãe foi substituída pela própria Virgem Maria, são algumas das personagens que compõem uma história comovente e irónica sobre a capacidade de transformação do ser humano e sobre as coisas fundamentais da vida: o amor, o sacrifício, e a cerveja.


Opinião:
Mais um autor português que eu decidi experimentar. Um autor português sobre quem só oiço louvores. Oiço falar muitíssimo sobre ele, a sua escrita fantástica e histórias diferentes que nos ensinam sempre algo de diferente. O seu humor irónico é algo muito referido e uma das suas características mais marcantes. A minha experiência? Esperava algo diferente do que li.

Rosa é uma raparigas conhecida na pequena aldeia. Conhecida pelo seu rabo redondo, pequeno buço e um ar que deixava qualquer homem sem fôlego, Rosa quer saber mais sobre o mundo. Quer ser livre e no meio onde vive tal é muito difícil. Mas a partir do momento que conhece o professor, um homem que desafia todos os seus acreditares na religião confundido-a com a magia da ciência e do ADN, Rosa começa a ver o mundo com outros olhos, começa a desconfiar de tudo o que sempre acreditara e começa a mudar a sua maneira de ser.

Este é um livro que não é para todos. Não apenas pela sua história, mas pela forma que o autor escreve. O autor consegue escrever prosa como quem escreve poesia. Escreve de forma filosófica e toca em assuntos que podem ser considerados sensíveis para muitos. Através da visão de pessoas da aldeia, muitas delas pobres em visão. Ao dizer isto o que quero dizer é que a mentalidade retratada neste livro é uma mentalidade retrógrada, por vezes até demais, como se o autor tivesse feito de propósito para vermos de forma irónica a falta de visão existente nas personagens retratadas no livro.

O autor consegue assim, através destas personagens ironizadas, falar de assuntos como a religião, a ciência, como estas duas se encontram, o amor e a morte. Estes assuntos são muitíssimo falados e discutidos e por vezes chegam-se a cruzar de tais formas que me chegaram a confundir. A história chega a uma altura que nos encontramos com o mesmo estado de espírito de Rosa, confusos. Confusos com a maneira de ver deles da religião e da ciência. De como a morte ocorre. O amor estranho que Rosa tem para com o namorado e o cientista.

Um grande problema para mim ao longo do livro foi como, devido à escrita do autor, as personagens parecem tornar-se cada vez mais retrógrados com o avançar da narrativa. Além disso há certas falas da população religiosa da aldeia que me fez deveras confusão, especialmente a maneira como descreviam o rabo de Rosa (sim, o rabo de Rosa). Eu da minha parte li isso como uma grande hipérbole para fazer denotar certos erros da igreja, nomeadamente pedofilia e afins. Mas penso também que é um livro que pode ter diversos significados, dependendo de quem o lê.

Um livro curioso, com uma escrita filosófica mas cujo rumo da história não foi o meu favorito. É uma história que toca todos de forma diferente, podendo ser lida de vários ângulos. É um ver para crer.

1 devaneios :

Fiacha disse...

Olá,

Por acaso ando com vontade de experimentar este escritor que nunca li nada, mas que tenho lido excelentes comentários.

Parece-me que este não deve ser o livro de estreia, pelo menos ao ler o teu comentário :)

Bjs