Quem sou eu?

A minha fotografia

Anteriormente conhecida como v_crazy_girl, a 30 de Agosto de 2014 essa conta foi apagada, tendo assim decidido criar algo mais pessoal e próprio para o blogue literário de longa data.

Na Mesa de Cabeceira...

Na Mesa de Cabeceira...
"A Derradeira Ilusão" de Diane Chamberlain

Passatempo

Passatempo
Resultado!!

Seguidores

Com tecnologia do Blogger.

Facebook

Arquivo do Blogue

segunda-feira, 16 de setembro de 2013
Autor: Carlos Ruiz Zafón
Edição/reimpressão: 2012
Páginas: 400
Editor: Editorial Planeta
ISBN: 9789896573003

Sinopse:
Barcelona, 1957. Daniel Sempere e o amigo Fermín, os heróis de A Sombra do Vento, regressam à aventura, para enfrentar o maior desafio das suas vidas. Quando tudo lhes começava a sorrir, uma inquietante personagem visita a livraria de Sempere e ameaça revelar um terrível segredo, enterrado há duas décadas na obscura memória da cidade. Ao conhecer a verdade, Daniel vai concluir que o seu destino o arrasta inexoravelmente a confrontar-se com a maior das sombras: a que está a crescer dentro de si.
Transbordante de intriga e de emoção, O Prisioneiro do Céu é um romance magistral, que o vai emocionar como da primeira vez, onde os fios de A Sombra do Vento e de O Jogo do Anjo convergem através do feitiço da literatura e nos conduzem ao enigma que se esconde no coração de o Cemitério dos Livros Esquecidos.


Opinião:
Como praticamente todos os leitores portugueses, eu conheço Carlos Ruiz Zafón. Conheço-os das histórias contadas por este, dos seus livros estranhos, maravilhosos e como que mágicos. Livros que nos transportam para ambientes sinistros e misteriosos. Este é sem dúvida um título que qualquer fã do autor espera, pois nele poderemos encontrar personagens de dois dos seus livros, O Jogo do Anjo e A Sombra do Vento. Livros que juntos criam a saga O Cemitério dos Livros Esquecidos. Uma saga que espero que tenha mais continuações.

A livraria da família Sempere está à beira da falência. As pessoas já não passam pela livraria e entram para comprar livros como antigamente. Agora passam como que aquela parte da rua não existisse, não olhando sequer para a montra. Mas a família Sempere sempre foi de excelentes ideias. E isso foi o que acabou por acontecer, decidindo apostar a sério em novas decorações para a montra e criando uma nova vida na sua lojinha. Nova vida essa que chama a atenção a um estranho homem que compra o livro mais caro de toda a loja, uma edição muito antiga de um dos livros de Alexandre Dumas. Um livro para dar a Fermín, uma personagem muito conhecida dos livros anteriores do autor.

Conhecida mas ao mesmo tempo desconhecida, pois na realidade o passado de Fermín sempre foi um factor desconhecido ao leitor, nunca soubemos muito dele, sabendo apenas que fora uma personagem que sofrera no passado e que o nome Fermín não lhe pertencia na realidade. E este é o livro que conta a verdade sobre Fermín. Conta-nos o seu passado horroroso como preso político, sendo esta sem dúvida alguma a melhor parte do livro. A narrativa sobre como os presos políticos eram tratados naquela altura sensibiliza qualquer pessoa. Uma parte muito bem contada e real. De tal forma real que quase conseguia sentir o cheiro horrível daquele local, ouvir os gritos horripilantes das pessoas a apodrecer naquele sítio.

Esse passado de Fermín faz-nos vê-lo de outra forma, além de que descobrimos mais sobre a forma como este encontrou Daniel perdido naquele dia frio e cinzento. Acabamos assim por descobrir que nada forma por puro acaso.

Gostei muito deste livro, embora do autor não seja o melhor, sendo que o início do livro não me estava a prender, o que mudou quando viajámos para o passado, para a prisão de presos políticos. Um livro que recomendo e um autor que recomendo ainda mais!

0 devaneios :