Quem sou eu?

A minha fotografia

Anteriormente conhecida como v_crazy_girl, a 30 de Agosto de 2014 essa conta foi apagada, tendo assim decidido criar algo mais pessoal e próprio para o blogue literário de longa data.

Na Mesa de Cabeceira...

Na Mesa de Cabeceira...
"Prometes Amar-me?" de Monica Murphy

Passatempo

Passatempo
Até 23 de Julho

Seguidores

Com tecnologia do Blogger.

Facebook

Arquivo do Blogue

segunda-feira, 16 de setembro de 2013
Autor: Carlos Ruiz Zafón
Edição/reimpressão: 2012
Páginas: 400
Editor: Editorial Planeta
ISBN: 9789896573003

Sinopse:
Barcelona, 1957. Daniel Sempere e o amigo Fermín, os heróis de A Sombra do Vento, regressam à aventura, para enfrentar o maior desafio das suas vidas. Quando tudo lhes começava a sorrir, uma inquietante personagem visita a livraria de Sempere e ameaça revelar um terrível segredo, enterrado há duas décadas na obscura memória da cidade. Ao conhecer a verdade, Daniel vai concluir que o seu destino o arrasta inexoravelmente a confrontar-se com a maior das sombras: a que está a crescer dentro de si.
Transbordante de intriga e de emoção, O Prisioneiro do Céu é um romance magistral, que o vai emocionar como da primeira vez, onde os fios de A Sombra do Vento e de O Jogo do Anjo convergem através do feitiço da literatura e nos conduzem ao enigma que se esconde no coração de o Cemitério dos Livros Esquecidos.


Opinião:
Como praticamente todos os leitores portugueses, eu conheço Carlos Ruiz Zafón. Conheço-os das histórias contadas por este, dos seus livros estranhos, maravilhosos e como que mágicos. Livros que nos transportam para ambientes sinistros e misteriosos. Este é sem dúvida um título que qualquer fã do autor espera, pois nele poderemos encontrar personagens de dois dos seus livros, O Jogo do Anjo e A Sombra do Vento. Livros que juntos criam a saga O Cemitério dos Livros Esquecidos. Uma saga que espero que tenha mais continuações.

A livraria da família Sempere está à beira da falência. As pessoas já não passam pela livraria e entram para comprar livros como antigamente. Agora passam como que aquela parte da rua não existisse, não olhando sequer para a montra. Mas a família Sempere sempre foi de excelentes ideias. E isso foi o que acabou por acontecer, decidindo apostar a sério em novas decorações para a montra e criando uma nova vida na sua lojinha. Nova vida essa que chama a atenção a um estranho homem que compra o livro mais caro de toda a loja, uma edição muito antiga de um dos livros de Alexandre Dumas. Um livro para dar a Fermín, uma personagem muito conhecida dos livros anteriores do autor.

Conhecida mas ao mesmo tempo desconhecida, pois na realidade o passado de Fermín sempre foi um factor desconhecido ao leitor, nunca soubemos muito dele, sabendo apenas que fora uma personagem que sofrera no passado e que o nome Fermín não lhe pertencia na realidade. E este é o livro que conta a verdade sobre Fermín. Conta-nos o seu passado horroroso como preso político, sendo esta sem dúvida alguma a melhor parte do livro. A narrativa sobre como os presos políticos eram tratados naquela altura sensibiliza qualquer pessoa. Uma parte muito bem contada e real. De tal forma real que quase conseguia sentir o cheiro horrível daquele local, ouvir os gritos horripilantes das pessoas a apodrecer naquele sítio.

Esse passado de Fermín faz-nos vê-lo de outra forma, além de que descobrimos mais sobre a forma como este encontrou Daniel perdido naquele dia frio e cinzento. Acabamos assim por descobrir que nada forma por puro acaso.

Gostei muito deste livro, embora do autor não seja o melhor, sendo que o início do livro não me estava a prender, o que mudou quando viajámos para o passado, para a prisão de presos políticos. Um livro que recomendo e um autor que recomendo ainda mais!

0 devaneios :